segunda-feira, 17 de novembro de 2008

PERGUNTAS

Quantas vezes você andava
na rua e sentiu um perfume
e lembrou de alguém que gosta muito

Quantas vezes você olhou para uma
paisagem em uma foto,
e não se imaginou lá com alguém...

Quantas vezes você estava do lado de alguém,
e sua cabeça não estava ali?
Alguma vez você já se arrependeu de algo
que falou dois segundos depois
de ter falado?

Você deve ter visto que aquele filme,
que vocês dois viram juntos no cinema,
vai passar na TV...

E você gelou porque o bom daquele
momento já passou...
E aquela música que você não gosta
de ouvir porque lembra algo ou alguém
que você quer esquecer
mas não consegue?

Não teve aquele dia em que tudo deu errado,
mas que no finzinho aconteceu
algo maravilhoso?

E aquele dia em que tudo deu certo,
exceto pelo final que estragou tudo?
Você já chorou por que lembrou
de alguém que amava e não pôde dizer
isso para essa pessoa?
Você já reencontrou um grande amor
do passado e viu que ele mudou?

Para essas perguntas existem
muitas respostas...
Mas o importante sobre elas não
é a resposta em si...
Mas sim o sentimento...

Todos nós amamos,
erramos ou julgamos mal...
Todos nós já fizemos uma coisa quando
o coração mandava fazer outra...
Então,
qual a moral disso tudo?

Nem tudo sai como planejamos portanto,
uma coisa é certa...
Não continue pensando em suas
fraquezas e erros,
faça tudo que puder para ser feliz hoje!
Não deite com mágoas no coração.
Não durma sem ao menos fazer
uma pessoa feliz!
E comece com você mesmo!!!

TEXTO: Martha Medeiros
***
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 22 de Novembro de 2.008.
Das conquistas pessoais

Não,
a paciência não é uma virtude
para ser usada entre amigos,
entre os que nos querem bem.
A paciência é uma conquista que deve
ser praticada com aqueles que não nos entendem,
com os nossos desafetos,
com quem não aceita as nossas opiniões.

O otimismo é maravilhoso quando tudo vai bem.
Podemos falar de boca cheia sobre
o que virá de bom.
Mas,
o otimismo é arma dos fortes
nos dias de dificuldades,
onde as nuvens escuras encobrem o sol
e os conhecidos desaparecem,
assim como os sonhos.

A fé não é o sentimento cego que
empurra o aflito para
o abismo do fanatismo.
A fé é um tijolo que vamos
colocando diariamente na construção
da nossa maior obra, a nossa vida.
Em cada tribulação,
em cada passagem,
levantamos as paredes que um dia
resistirão aos furacões e tempestades,
ai sim,
a fé nos levará para a calmaria
dos dias de paz e certezas.

A oração não é um caminho para a solução
das nossas dificuldades.
A oração é um canal da alma que precisa para
"religar-se ao Criador".
Essa ligação é que devolve a visão
ampliada que permite a solução de
muitos dos nossos problemas.

A vida não é um amontoado de dias,
nem é feita para o sofrer constante.
A vida é um presente,
fonte de aperfeiçoamento de muitos
dos nossos fracassos.
A dor, o problema,
a falta de amor próprio,
são visões que temos das nossas desilusões,
do que esperamos e não acontece,
do que desejamos e não recebemos,
daquilo que por vezes chamamos de verdade,
mas que na verdade é apenas ilusão.

Hoje não é apenas mais um dia para ser vivido.
É a sua OPORTUNIDADE de mudar o mundo,
porque o mundo é a sua casa,
é a sua rua,
é o lugar onde você trabalha ou estuda.
É a calaçada que você pode varrer,
o rio que pode preservar,
a flor que você pode plantar.
Simples assim!

Deus espera de você aquilo que você pode fazer,
e olha que não é pouco.
Descruze os braços e olhe
para dentro de você.
Você vai encontrar um ser humano lindo,
cheio de potencialidades,
cheio de amor para externar e transformar
o que antes parecia ser impossível,
e que agora passa a ser realidade.
Porque você quer,
tudo pode mudar!

Eu acredito em voce!

TEXTO: Paulo Roberto Gaefke
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 20 de Novembro de 2.008.

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

C a l m a

Calma!
A primeira coisa a fazer é ter calma.

Mas, o que é calma?

É aquela parada necessária em um momento difícil,
onde colocamos nossos neurônios para funcionar,
livre das emoções.
Eu sei que essa definição não está nos dicionários,
e pode ser que alguns sábios tenha algo melhor,
mais bonito para dizer,
mas o que eu quero,
é que você entenda a essência da
"necessidade de reflexão",
livre dos sentimentos diante dos problemas mais graves.

É um caso de morte, de perda de um ente querido?
Então alguém tem que tomar medidas práticas que a morte requer;
compra do caixão, troca de roupa, atestado de óbito,
e outras burocracias.
Se você não consegue sozinho, peça ajuda.
Se deixar a emoção tomar conta, morre mais um:
você, e nada se resolve.

É um caso de dívidas ao extremo?
Faça um plano para pagar em 50 meses,
100 meses e avise os credores.
Garanto que você volta a dormir,
quem não vai dormir são os credores.
O que você não pode fazer é vender o que tem para cobrir dívidas
(todo mundo que faz isso, não consegue quitar os débitos e ainda fica devendo),
e principalmente: não contrate financiamento para pagar dívida,
se for em agiota então, é o suicídio.

É um caso de amor que não deu certo?
Olha,
eu sou daqueles que brigam até o fim pelo amor,
quando vale a pena.
Isso mesmo, quando vale a pena,
porque ser pisado, humilhado,
sofrer por alguém que não tá nem ai,
não é amor, é burrice.
Desculpe a franqueza,
mas eu acredito que o amor é light
(mesmo entre gordinhos),
é doce (mesmo entre diabéticos),
é suave(mesmo entre campeões de luta livre),
por isso, o amor tem que valer a pena,
se for só da sua parte, guarde as lágrimas...
lá na esquina tem outro grande amor te esperando.

É depressão, pânico, medo de morrer,
medo de viver, cansaço, desânimo,
tudo anda dando errado?
Busque Deus.
Sem Deus, você até vence por um tempo,
mas com Deus você vive na vitória.
Não sei como te explicar esse amor que
você deve ter com Deus,
mas te dou uma pista:
quando você ama a Deus,
Ele está sempre em primeiro lugar,
você o visita na casa Dele sempre,
você fala Dele sempre,
você não tem medo das provas,
está sempre feliz, mesmo nas provações.

Então,
seguindo essas pistas eu pergunto:
você está com Ele?

Calma,
hoje é um dia especial,
é a sua chance de recomeçar,
de renovar, de estreitar amizades,
de conhecer um novo amor e principalmente,
se ligar a Deus.

Então,
não seja bobo,
aproveite e faça novo,
tudo de novo!

Eu acredito em você

TEXTO: Paulo Roberto Gaefke
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 05 de Novembro de 2.008.

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

OS QUE NUNCA PARTEM

Eu me lembro que quando era muito jovem,
ouvia os adultos comentarem:
fulano partiu.
Esta era a forma que eles achavam
menos sofrida de falar que alguém
havia morrido,
principalmente quando estavam perto de crianças.

Era um jeito delicado que eles tinham
de citar a morte sem que ela parecesse
tão chocante.
Cresci e comecei também a falar assim
- fulano partiu -
acabei achando menos dolorido,
menos violento se referir à morte dessa maneira.

Quando se diz que alguém morreu,
dá a impressão que se acabou,
desapareceu e imaginar que alguém que queremos
bem acabou ou desapareceu pra
sempre é terrível.

Dói mil vezes mais do que precisar enfrentar
a sua própria ausência.
Partiu já é diferente,
dá uma sensação de que em algum
ponto da vida nos reencontraremos com
essa pessoa querida novamente.

Fica mais fácil imaginar que ela viajou,
uma viagem sem data pra voltar,
mas com retorno garantido.

Enfim,
descobri recentemente,
que existe uma outra categoria dentro
desse universo.
São aqueles que nunca morrem e,
portanto, jamais partem.

São aqueles que embora desapareçam
de nossas vistas,
eternamente se fazem presentes em
nossa memória e nosso coração.
Os que nunca partem são as pessoas que
nortearam nossos dias,
colocaram um significado importante neles
e deixaram uma marca tão profunda em nós
que não importa onde estejam,
porque ao nosso lado,
de alguma forma,
sempre estarão.

Morrer, partir, são coisas simples,
coisas do dia-a-dia.
Acontece toda hora,
em todo lugar,
com todas as pessoas.

Os que nunca partem e os que nunca
passam pela dor de assistir alguém
querido partir são os felizardos dessa vida.

Dores momentâneas,
saudades e ausências à parte,
felizes daqueles que amaram
alguém nessa vida a ponto de jamais
deixá-los partir de seus corações.

Se quando eu me for,
por desígnio de Deus,
uma única pessoa não me deixar
partir me guardando dentro do seu peito,
eu direi que valeu a pena ter
passado por aqui e que minha estada
nessa vida não foi em vão.

Mas enquanto ainda estou por aqui,
só tenho a dizer que dentro de mim moram
pessoas que nunca deixei que
partissem verdadeiramente,
assim,
como não deixarei que partam,
jamais,
algumas que ainda estão por aqui.

Os que nunca partem são aqueles que
descobriram o segredo de brilhar na terra,
mesmo antes de chegarem ao céu
e se tornarem estrela.

TEXTO: Silvana Duboc
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 01 de Novembro de 2.008.