segunda-feira, 26 de abril de 2010

Entre o ontem e o amanhã

Quem já não teve essa
sensação de nadar e nadar na
direção da margem,
sentir-se cansado e desolado
com o tempo que desgasta
e desespera e quando pensa,
enfim,
que chegou ao fim das penas...
descobre que ainda tem outro
tanto a nadar?!...

A vida nos parece um constante combate.

Nos perguntamos nesses
momentos se a situação não terá
um fim e quando teremos a tão
falada felicidade completa.

Compreendemos provavelmente
a vida olhando-a do lado avesso.

Marcamos o dia do
nosso nascimento e fugimos
do dia da nossa morte e o
que há entre esses dois pontos,
que é realmente a vida e o
caminho a ser percorrido,
parece mais insignificante.

Entre o ontem nostálgico
ou dolorido e o amanhã incerto,
está o hoje,
que deve ser vivido e aproveitado.

Ele não é perfeito?
Nada é perfeito!!!

Nos dizemos que se tivéssemos
isso ou aquilo a situação
seria diferente,
mas não é raro que a gente
tendo muito nas mãos fica sem
saber o que fazer ou que
direção tomar.

Talvez o melhor da festa
seja realmente esperar por ela,
se preparar,
idealizar e viver intensamente
esses momentos esperados.

Um mar de rosas não
existe e se existisse,
haveria ainda assim alguns
espinhos entre as pétalas e flores.

Aprendi que o hoje é o que
eu tenho nas mãos,
é o que faz bater meu coração,
é o que me faz viva e se
ele é bom ou ruim,
é apenas uma etapa na construção
do meu eu e que isso é positivo.

O melhor de mim é o que,
com a graça que me foi dada,
posso fazer cada dia,
fazendo assim meu dia e deixando,
pouquinho a pouquinho,
os rastros da minha história.

TEXTO: Letícia Thompson
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 01 de Maio de 2.010.

Quem sou eu ...

O caminho do
encontro de si é mais longo
para uns que para outros.
E para determinadas pessoas ele
é mesmo interminável.

Saber quem eu sou
e o que sou equivale a saber reconhecer
que não sei tudo da vida,
não possuo todas as razões
e que a pessoa bonita que existe
em mim pode parecer feia em certas ocasiões.

E se eu não me aceito tal qual me vejo no espelho,
como posso querer que me aceitem?

Pense naquilo que você pensa
que é e no que você passa para os outros.

Se você não se ama e não se aceita,
outros não poderão te amar e te aceitar.
Se você mesmo duvida do valor do seu trabalho,
não há por que outros te valorizem.

O mundo vê em nós o que damos de nós para ele.
Poucos conhecem nossos rostos
depois que fechamos a porta,
depois que tiramos a maquiagem e as máscaras
que escondem nosso verdadeiro eu.

Conhecer-se não é tão fácil.
Saber-se é aceitar-se,
ainda que com dor.

É perdoar a si mesmo as imperfeições
procurando corrigi-las e pedir aos outros
tolerância para com elas.

Somos criaturas especiais,
portanto humanas e falíveis,
de natureza pecaminosa,
mas com possibilidades de retorno ao amor
dAquele que nos amou primeiro.

Somos todos criados à imagem e semelhança de Deus.
Não somos deuses,
mas possuímos em nós algo divino e sem igual.

Aquele que acredita nisso anda por caminhos seguros,
por sobre as águas e sabe que a tempestade pode balançar,
mas não vai afundar o barco.
Não tenha medo de ser quem você é,
de mostrar seu rosto de cara lavada,
de errar e se enganar de caminho.

Enquanto estamos no mundo podemos
transformar a pedra bruta
do nosso coração em jóia mais cara,
aquela que não deixa despercebido
quem passa por perto e que faz nascer no
coração de Deus a alegria de ser Pai.

TEXTO: Letícia Thompson
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 29 de Abril de 2.010.

O milagre vivo

Milagre, miraculum,
vem do verbo latino mirare,
que significa admirar-se,
maravilhar-se.

Em toda a passagem de Jesus pela Terra,
vemos o esforço das pessoas que buscavam
"um milagre"
para chegarem até Ele.

Jairo , o chefe da sinagoga caminhou
muito até chegar até o Mestre e pedir pela filha.
Ele poderia ter mandado um dos seus empregados,
mas ele mesmo foi em busca
da ajuda para a sua filha.

Bartimeu, o cego em Jericó,
quando soube da passagem do Rabi,
se posicionou junto a estrada e gritava tão alto:
"Jesus, Filho de Davi,
tem misericórdia de mim",
que a multidão pedia para que ele se calasse,
mas ele gritava mais e mais alto,
até que Jesus ouviu o seu clamor
e pediu que o trouxessem até Ele.
Jesus perguntou o que o cego queria e ele respondeu:
"eu quero ver novamente",
então Jesus disse:
"vê" e Bartimeu voltou a ver.
(Marcos 10:48)

A mulher que há 12 anos tinha
a hemorragia e que era considerada impura,
saiu pelas ruas,
arrastando a sua dor até que
toca em Jesus e foi curada.

Em Cafarnaum,
quando souberam que Jesus estava ali,
era tanta gente que não dava
nem para chegar ao portão,
assim mesmo,
um paralítico pediu que o descessem
pelo teto nda casa,
e vendo essa fé,
Jesus o curou.

Em todos os exemplos vemos as pessoas
necessitadas indo de encontro ao milagre,
nenhum deles ficou esperando Jesus
passar pela sua porta.

Seja qual for o seu problema,
hoje é dia de Milagres,
é dia de sair da tenda do conformismo,
da casa das lamentação
buscar o seu milagre onde ele estiver.

Se lhe falta trabalho,
saia para as ruas,
em oração entregue-se na confiança
de que vai conquistar ainda
hoje um novo posto.

Não importa a sua situação,
ainda que a vida lhe escape pelas mãos,
ainda hoje,
você pode descobrir que
o milagre está em você,
na sua capacidade de reação,
de ir ao encontro dos seus sonhos,
para encontrar Jesus no caminho,
trabalhando sempre,
incessantemente fazendo algo de
novo pelos que o procuram.

Liberte-se da reclamação inútil,
hoje é dia de ser
o milagre que você tanto espera,
Saia para a vida,
abra os braços e agradeça pela
oportunidade de recomeçar.
Você vai vencer,
o milagre já está em seu poder!

TEXTO: Paulo Roberto Gaefke
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 28 de Abril de 2.010.

Falando com nossos botões ...

Falamos com nós mesmos todos os dias,
mesmo se nos custa confessar.
Saber que todos fazem isso nos assegura,
nos tira da classe dos anormais
e nos coloca ao mesmo nível que
outros seres humanos.

Entretanto,
temos que saber até onde vão os limites.
Mas um louco consciente da sua loucura,
já não é louco,
mas um ser humano consciente
das suas limitações.

Um momento a sós com nós é preciso e benéfico.
Pessoas que sentem a necessidade
constante de estar em movimento,
no barulho, na agitação evitam,
muito provavelmente,
de pensar nos próprios problemas,
seja por medo de enfrentá-los,
seja por que não sabem como resolvê-los.

O que ignoramos nos faz menos mal.

Ao inverso,
fechados demais e pensando demais
é que algo também não vai bem.

A boa medida,
sempre e em tudo,
traz equilíbrio para nossas vidas.

Em alguns momentos precisamos
conversar com nossos botões.
Ver, talvez,
e rever nossos conceitos da vida,
nossas fragilidades,
tentar encarar com honestidade nossos
sentimentos em relação aos outros,
uma forma de nos tornarmos
pessoas mais sãs,
mais preparadas para contribuir
na construção do mundo.

Não podemos consertar o mundo
se nós mesmos nos sentimos quebrados.

A paz que damos é a que possuímos,
então precisamos buscá-la,
transformando as pedrinhas que nos machucam
em pontes que nos ligarão a outras pessoas.

A solidão é um mal e queremos fugir dela.
Mas nós atraímos ou afastamos as pessoas,
segundo nossa vida,
nossa maneira de enfrentar
uma coisa ou outra.

Ninguém é responsável pela nossa vida.
Somos grandes.
Somos raios de sol e os que querem
calor e luz se aproximarão.
A nós cabe brilhar.
E todos conhecemos a fonte.
E para quem ainda não encontrou o caminho,
é só procurar.

TEXTO: Letícia Thompson
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 27 de Abril de 2.010.

Em nome de Deus

Graças ao sentimento
de fraternidade muitas pessoas
têm se movimentado
para amenizar o fardo das
pessoas financeiramente carentes.

São criadas
as associações de bairro,
com intuito de somar
esforços para
minorar as lutas dos
mais necessitados.

Existem também as Instituições
filantrópicas de cunho religioso,
as organizações não
governamentais e outras tantas
que se movimentam em
prol dos semelhantes.

Isso demonstra que o ser
humano está mais
sensível aos sofrimentos
alheios,
e isto é um bom sinal.

Todavia,
seria importante refletirmos
um pouco em como estamos
fazendo a caridade.

Sabemos que o necessitado
é nosso irmão de caminhada.
Mas,
será que o estamos
tratando como tal?

Será que não estamos
jogando coisas como quem
alimenta porcos?

O Cristo,
exemplo máximo de caridade,
jamais fez exigências às pessoas
que atendia em nome de Deus,
nem ficava à distância como
se não quisesse contaminar-se.

Há pessoas que,
embora revestidas de boas intenções,
tornam ainda mais
penoso o sofrimento daqueles
a quem se propõem ajudar.

Dão a esmola com tanta
soberba que ela queima a mão
do necessitado como
se fosse uma
brasa incandescente.

Se oferecem uma alimentação
ao "assistido",
não se sentam com eles à mesa,
não compartilham das
mesmas louças e talheres,
como se a pobreza
fosse contagiosa.

Isto se torna mais grave
quando aqueles que buscam
fazer a caridade a
fazem em nome de Deus.

Lamentavelmente,
em algumas instituições
religiosas a ajuda tem gosto de
fel para quem dela necessita.

Exige-se que a pessoa
professe a mesma religião do "caridoso",
esquecendo-se dos exemplos
do Homem de Nazaré,
que prescreveu fazer o
bem sem olhar a quem.
Jesus não perguntava às
pessoas que Lhe buscavam o
auxílio sobre qual
era a sua crença,
seus objetivos de vida,
sua condição moral.
Ele simplesmente ajudava.

É importante que repensemos
o que temos feito em nome
de uma assistência social.

É importante que a nossa
caridade seja, antes de tudo,
a caridade moral,
como a ensinou o Cristo.

Pense nisso!

Se você se propuser a ajudar
alguém em nome de Deus,
faça-o com afeto e fraternidade.

E, dentro do possível,
busque converter a esmola
em emprego,
dando oportunidade de
crescimento àqueles que estão
em situação menos favorecida.

Manter os irmãos necessitados
dependentes da nossa esmola,
é falta de caridade e
demonstração de egoísmo.

Fazer exigências descabidas
a quem nos pede amparo,
é ato de prepotência
que Deus desaprova.

A caridade, para ser efetiva,
deve ter o contributo do coração.
Um abraço carinhoso,
um aperto de mão,
um gesto de carinho,
um minuto de conversa.

O que Deus espera que
façamos em Seu nome,
é promover o ser humano e
dar-lhe condições de viver
com dignidade.

Fazer caridade em nome de Deus,
portanto,
é coisa muito séria pois se
não tomarmos os devidos cuidados,
afastaremos as criaturas
do Criador ao
invés de aproximá-las dEle.

Autor: Equipe de Redação do Momento Espírita
* * * * *
Texto lido pelo Radialista,
Anderson Fonseca,
no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 26 de Abril de 2.010.

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Insatisfações

“Nada é bastante para quem
considera pouco o que é suficiente.”
:: Confúcio (Kung-Fu-Tse) ::

122 pares de sapatos
e ela não encontrava um que
servisse para aquela festa.

20 ternos e ele estava
achando todos um lixo.

Geladeira cheia e o menino
batia a porta por não encontrar
uma coisa gostosa.

Calmante forte,
com tarja preta e receita,
mas eles não
conseguiam dormir.

Carro do ano na garagem,
mas não sabiam
para onde ir.

Casa de luxo na praia,
mas estava fechada a
mais de meses…

Celular último tipo…
DVD, Karaokê, Notebook,
Câmera digital,
Vídeo Game In Box,
jogos de última geração,
e muita,
muita insatisfação.

Estamos nos armando de
tudo o que é tipo de tranqueira
material para suprir o vazio
que nada preenche.

Vamos ao supermercado
esperando encontrar felicidade
nas prateleiras,
mas voltamos frustrados,
com o carro cheio e
a alma vazia.

Nunca o homem teve
tanto acesso a Deus e nunca
ficou tão distante como agora,
tantos templos,
tantas religiões,
tantas definições e ideologias,
e mesmo assim,
o homem se afasta cada
vez mais do seu Criador.

Por isso a carência afetiva,
as doenças nervosas,
a violência que se espalha,
o consumismo que gera as
diferenças sociais tão brutais.

E nada sacia o homem,
quanto mais ele acumula,
quanto mais possui,
mais vazio vai se tornando.

Aproveite seu dia,
busque encontrar Deus
pelo caminho,
na pessoa que sentou-se
ao seu lado no ônibus,
no vizinho que você não
cumprimenta já faz tempo,
no animal abandonado e
que você quase atropela,
na árvore que seca bem
em frente á sua casa,
no cidadão deitado no
banco da praça,
no filho que se embriaga
e você nem vê,
na filha que sofre a desilusão
do primeiro amor e
você não sabe.

Quantos gritam onde está Deus?

Cegos pelo orgulho que
não permite ver que Ele
nunca se ausentou,
sempre esteve na sua vida,
no seu dia,
na sua família,
mas nunca foi chamado,
a não ser nas desgraças e
nos momentos de dor
e sofrimento.

Você convidou Jesus para
almoçar com você hoje?

No dia do seu casamento
você mandouo primeiro
convite para Ele?

Na sua formatura Ele
estava presente?

Hoje ao levantar-se
você falou com Ele?

Você contou do seu amor,
da sua alegria no trabalho?

Você quer saber onde está Deus?

Olhe para a sua vida,
como você trata os seus,
olhe para a sua casa,
reveja suas atitudes diárias.

Os atos falam mais do que
as palavras e tudo
o que fazemos,
são às verdadeiras orações
que levamos até Ele.

Por isso,
antes de fazer sua
oração repetida,
velha e cansada da
mesma ladainha,
coloque um “fogo novo”
na sua vida:
convide Jesus para
participar de todos os
seus momentos,
e assim,
você será preenchido,
saciado,
envolvido pelo amor que
nunca acaba,
pela água que sacia
a tua sede,
e então,
mesmo com muito pouco,
será plenamente feliz,
porque Ele veio para
que todos tenham vida,
e a tenham com
abundância.

TEXTO: Paulo Roberto Gaefke
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 24 de Abril de 2.010.

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Desencontros

Quantas vezes você acreditou estar
á um passo das realizações,
da felicidade de ver um sonho se
realizar e na hora "H",
tudo deu errado,
de maneira até inacreditável?

Quantas vezes você julgou estar diante
do amor da sua vida,
daquela pessoa especial que te faria
feliz para a eternidade,
e de repente, o que era doce azeda,
e vira passado em poucos dias...

Quantas vezes a mulher sonhadora
engravidou,
e antes do terceiro mês de gestação,
teve um aborto do nada,
derrubando sonhos,
aniquilando com as esperanças
e um mundo todo dela,
onde só restam enxovais
e lágrimas...

Quantas vezes na admissão
de uma empresa,
depois de muitas entrevistas você tem
a certeza de que vai ser chamado,
e o tempo passa e nada,
você descobre que chamaram o outro.

São fases,
momentos que parecem castigos,
e a alma enfraquecida pode
se entregar a lamentação,
criando uma energia muito ruim,
desoladora mesmo.
Mas aqueles que não desistem,
aqueles que tem um sonho,
e lutam por ele,
vão tentando por todos os lados,
e mães engravidam aos 50,
e operários viram Presidentes,
e contínuos viram diretores das empresas,
e onde só se via mato,
hoje se vê um jardim,
e ruas esburacadas são asfaltadas,
riachos viram rios e rios
deságuam no mar,
se agigantam...

Essas pessoas,
testadas no fogo das desilusões,
vencedoras pela persistência,
costumam levantar tijolos no ar,
plantam na areia ou no barro,
porque sabem que,
o impossível é apenas algo que
ainda não tomou forma,
mas que é tão palpável quanto
os seus desejos de vencer.

Vista-se dessa determinação,
não fique apenas na fé,
TENHA CERTEZA!
se hoje não foi o seu dia,
amanhã será,
e o amanhã é apenas uma
virada de ponteiros,
no grande e poderoso
relógio do tempo,
tempo que é quase nada para quem
já chegou até aqui.

NÃO DESISTA DE LUTAR,
vencer é apenas a conseqüência.

Eu acredito em você.

TEXTO:Paulo Roberto Gaefke
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 21 de Abril de 2.010.

Chacoalhão

A lamentação é a
"oração de louvor"
ao diabo,
ou as forças do Mal,
como queira.

Quem permanece
na reclamação fácil,
só vê a sua vida e a sua
situação piorar.
Pior,
parece que os
"lamurientos",
vivem para se reunir e
disputar quem está mais
"desgraçado".

Um diz:
- Estou devendo mais de 10 mil reais,
já não durmo! O outro já emenda:
- Hum, isso não é nada,
eu devo mais de 50 mil,
já nem acordo.
Outra reclama que o marido
bebe muito:
- meu marido bebe mais de
3 doses de pinga por dia.
A outra já querendo "aparecer",
replica:
- O meu toma 1 litro só no
café da manhã...

É um festival de
"desgraça"
para todos os lados,
e as pessoas vão se prendendo
na teia de aranha que é a
reclamação fácil.

A reclamação é a porta
de entrada para uma vida
de insucesso,
de fracassos e muita dor.

Ora,
aquele que desperta para a vida,
sabe que se ficar de braços cruzados,
nem o ônibus vai parar para ele.

Até para
pegar um ônibus é preciso
"dar sinal",
levantar o braço,
fazer um esforço.

Pois eu te convido a levantar
o braço e selar a boca para
as coisas ruins.

Faça um contraponto,
seja luz, seja esperança,
seja batalha viva.

Tome posse da sua vida,
tome posse do que lhe aflige.

Se o terreno do vizinho está
vazio e servindo como lixão,
não ligue para a Prefeitura
para denunciar,
antes,
ligue para o vizinho e peça
licença para plantar flores,
criar uma pequena horta,
até ele resolver construir.

Convide alguns vizinhos dispostos
e crie a horta comunitária,
o jardim das belezas,
e você vai ver,
onde alguém toma posse de algo,
as pessoas respeitam,
não jogam mais lixo.

Então,
tome posse de você,
diante dos problemas
(quem não os tem?),
seja prático,
objetivo e veja o lado bom
de cada coisa.

O diabético,
deve dizer pela manhã!
- Graças a Deus,
ela está sob controle!

O endividado deve agradecer
por não ter feito nenhuma
nova dívida.

O parente do "viciado",
deve continuar buscando ajuda
incessantemente,
amorosamente,
mas sem deixar de viver
a sua vida.

O que perdeu
um ente querido deve
"viver o luto",
mas não por 10, 15, 20
anos ou mais.
Tudo tem seu tempo
debaixo do sol.

Fazer-se de vítima,
de coitadinho que não entende
porque é
"tão sofrida a sua vida",
não ajuda em nada,
pelo contrário,
só prejudica.

Tome posse da sua vida,
do seu falar, da sua alegria,
das tristezas, das certezas,
das emoções,
dos desejos reprimidos,
do gosto amargo e do doce
que ficou na boca.

Junte tudo,
misture e levante o braço:
dê sinal para o ônibus da vida
que passa todos os dias na
porta da sua casa,
e as vezes,
você nem vê.

É hora de pegar
a condução para a felicidade,
e você sabe,
"sem reclamar,
o ponto chega
bem mais depressa."

Tome posse de você!

TEXTO: Paulo Roberto Gaefke
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 20 de Abril de 2.010.

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Quanto você vale?

Peça para um
publicitário descrever um
botão de camisa,
você ficará
deslumbrado com tantas
funcionalidades que ele
vai achar para
o botão e vai até mudar o
seu conceito sobre o
"pobre" botãozinho.

Peça para uma
pessoa apaixonada
descrever a pessoa amada,
aquela pessoa bem "feiazinha"
que você conhece
desde a infância e vai
até pensar que ele está falando
de outra pessoa.

O apaixonado enche
a descrição de delicadezas,
doçura e gentilezas,
transformando a fera
em bela em instantes.

Peça para o poeta
descrever o sol e a lua,
e você vai se encantar
pelos poderes
apaixonantes da lua,
pela beleza do sol
que irradia seus raios
como se fossem gotas
do milagre
divino no arrebalde da
tarde quente
onde o amor convida
os apaixonados
para viver a vida
intensamente...

Peça para
um economista falar da
economia mundial e
tome uma lição
de números e mercados,
bolsas e câmbios oscilantes,
inflação e mercados emergentes,
e se não sair de perto,
vai acreditar que em breve teremos
a maior recessão da história e que
a China é o melhor lugar do mundo
para se viver.

Agora,
peça para uma pessoa desanimada
ou depressiva falar da vida, do sol,
da lua, dos botões,
das rosas e do amor para você ver.
Pegue um banquinho e um lenço
e sente-se para chorar.
É só reclamação, frustração, dores,
misérias e desconfiança geral.
Você sente a energia te contaminando,
vai fazendo mal,
vai te deixando sem forças,
porque os desanimados,
os reclamões e depressivos tem o poder
"vampiresco" de sugar energias
do bem e transformar em medo,
e o medo paralisa as pessoas de tal forma
que fica difícil até o mais simples pensar.

E você?
Como é que você
descreve a sua vida?
Quem é você para
você mesmo?
Como seria um comercial
da sua vida?
Como você
venderia o produto
"você"?
Você é barato,
tem custo acessível ou
é daquelas figuras caras,
daquelas que não tem
tempo para perder com
a tristeza e com o passado?
Você tem 1001 utilidades?
Alias,
você vive em
que século mesmo?

São os teus
olhos que refletem o que
vai na sua alma,
e o que vai na sua
alma se reflete na
qualidade de vida que
você leva.

É o seu trabalho que
representa o seu talento,
ou não.

Por isso,
não tem outro jeito,
seja o melhor
divulgador de você mesmo,
valorize-se,
esteja sempre pronto
para dar o seu melhor,
com seu melhor sorriso,
com sua melhor roupa,
com seu melhor sentimento,
com suas melhores intenções,
com sua gentileza sempre pronta
para entrar em ação.

Seja OMO, BRASTEMP,
Lux de Luxo,
e se for chocolate,
que seja logo Godiva,
suíço e caro,
porque gente especial
igual a você não
existe em nenhum mercado,
e tem que valer sempre mais.

VALORIZE-SE!,
não importa o que você faz,
importa sim como você faz,
isso sim, faz toda a diferença.

Eu acredito em você!

TEXTO: Paulo Roberto Gaefke

* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 16 de Abril de 2.010.

Uma guinada na vida

Faz algum tempo,
escutei uma história muito triste
sobre uma mulher que aceitava
do marido coisas absurdas...
ouvindo aquele relato me deu
uma tristeza por aquela mulher
ter deixado as coisas chegarem àquele
ponto e não conseguia entender
como ela não se separava daquele
homem que a tratava tão mal...
uma vez que ela tinha
condições para isso.

Olhando assim de fora parecia
inadmissível que alguém pudesse
continuar com uma relação como aquela...
mas,
pensei comigo que só ela
sabia como as coisas chegaram
até lá e agora ela se sentia sem
forças para fazer um movimento
sequer para sair daquela relação.

Acho que todo mundo conhece
aquela história da rã que...
quando é jogada em uma água
fria e a água vai
esquentando aos poucos,
acaba morrendo,
por ter se acostumado com o
calor que aumenta pouco a pouco...
até o ponto em que ela não tem
mais forças para fugir,
ao passo que se ela fosse lançada
na água já quente sairia de um salto.

Assim somos nós...
ou fomos nós...
em alguma época...
em alguma situação.

Quantas vezes chegamos
a um ponto insuportável,
que se constrói devagar...
e também devagar
vai nos destruindo...

Cedemos um pouco aqui...
um pouco ali,
sem perceber que o
espaço que estamos cedendo vai
nos afastando cada vez mais
de nos mesmos...
de nossa Alma...

Quando as coisas vão
acontecendo aos poucos,
nem percebemos a mudança até
que nos sentimos
irremediavelmente presos...

Um dia,
acontece uma coisa pequena
e depois outra e vamos nos
acostumando com o que é só
um pouquinho ruim...
até que, ao final,
nos vemos diante de coisas tão
ruins que não podemos
mais suportar.

E quando resolvemos tomar
alguma atitude para nos liberar já
estamos tão distantes de quem
somos e tão mergulhados naquela
teia que nos prendeu que até
pensamos que não temos mais
forças para
fazer qualquer movimento.

Mas temos sim...
Qualquer momento pode marcar
o início de uma virada em
nossas vidas e,
por piores que as coisas
possam parecer,
sempre podemos escolher
mudar de rumo.

É só tomar uma decisão
profunda e dar o primeiro passo...

A mudança só
depende de um passo...
um passo de cada vez...

Os mesmos padrões que
nos prendem e limitam trazem
a oportunidade de
liberdade muito além
do que podemos imaginar...

Se olharmos com os olhos da razão...
para o tanto que temos que mudar
para sair de determinadas situações,
isso pode mesmo parecer assustador
e nos fazer crer que
não iremos conseguir...
mas quando entendemos que
precisamos combater
a causa dos problemas e
tornar tudo mais suave e nada
parece mais tão distante e impossível.

E assim, pouco a pouco...
vamos fazendo o caminho de
volta para casa...

TEXTO: Rubia A. Dantés
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 15 de Abril de 2.010.

Medo de viver

Em certa ocasião,
havia um menino que tinha
adoração por patins.

Era tudo o que ele queria na vida.
Pediu, pediu,
tanto fez que um belo dia,
eis que conseguiu.

Ficou muito feliz com o par de patins,
não desgrudava dele um minuto sequer,
era dia e noite,
o menino e os patins.

Só que no primeiro tombo,
no primeiro arranhão,
ele ficou com medo de estragar
os patins e resolveu guardá-los.

Os patins ainda eram
a coisa que ele mais queria
e o que ele mais gostava de fazer
era estar com eles,
mas ele preferiu apenas ficar
olhando e não usar mais
para não estragar.
O tempo foi passando e os
patins foram guardados.

Passaram-se 7 anos e o
garoto não esquecia
jamais os patins.
Então,
em um belo dia,
ele se encoraja,
sente saudades demais e
resolve recuperar o
tempo perdido.
Vai até o armário,
revira tudo e finalmente
encontra os amados patins.
Corre para calçá-los e aí tem
uma terrível surpresa.
Os patins já não cabem
mais nos seus pés.

O menino,
acometido de profunda tristeza,
chora e lamenta os anos
perdidos que já sabe não vai
mais poder recuperar.

Poderia sim comprar outro par,
mas nunca seriam
iguais àqueles!

Aquele foi e seria seu
único par de patins.

Assim agem algumas pessoas,
pra não dizer a grande
maioria delas.
Guardam sentimentos
com medo de vivê-los,
medo de se machucarem
e depois,
quando resolvem retomar
estes sentimentos,
muitas vezes,
eles já passaram de sua
melhores fases.

São como os patins
especiais do menino da parábola,
que eram e sempre serão únicos.

Por mais que ele comprasse
outro par agora,
não iriam ser iguais àqueles.

Por isso,
deixe as besteiras de lado,
as brigas,
os ressentimentos,
os medos e viva amor hoje.

O que importa é ser feliz
no presente,
por isso se chama
"presente".

Podermos viver o hoje já
é um presente de Deus!

Não guarde os patins.
Talvez hoje ainda haja tempo.

Amanhã pode ser tarde
demais para querer usá-los.
Ou não caberão mais em você
ou você não caberá mais neles
e não adiantará você comprar
ou arranjar novos patins.

* * * * *
OBS:
Apesar de encontrarmos o
texto acima em vários
sites e blogs,
não encontramos autoria e nem
o nome correto.
Se você souber e quiser
colaborar conosco,
gostaríamos de dar os créditos
merecidos ao autor do mesmo.
Fineza enviar um e-mail para
mensagem@toninholima.com.br.
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 14 de Abril de 2.010.

A hora é agora

O Universo é tão perfeito
e maravilhoso que não ia colocar
a felicidade em coisas tão difíceis
e tão distantes como nós a colocamos...
e por não acreditar nessa
simplicidade e nessa disponibilidade
da felicidade vamos buscá-la lá onde
aponta o próximo desejo...

De desejo em desejo realizado
logo vem um gosto de...
não era bem isso...
não era bem assim...
e vamos indo pela vida afora
nos esquecendo de olhar para
dentro e deixando que o mundo
seja nosso guia...

Parece que temos várias camadas
de complicação para ir tirando
até que na simplicidade de
Ser vamos vislumbrando os
primeiros sinais da felicidade
que não depende de nada além
do encontro com você...

É aí que ela se esconde...
mas nós costumamos não
acreditar muito nisso...
por mais que nos afirmem isso
de várias formas...
em várias linguagens...

Volta e meia nos vemos buscando
felicidade em coisas que estão
muito longe da gente mesmo...

Parece que fugimos da felicidade...
Ou colocamos nossa energia
em coisas que nos dão um
pouquinho de falsa sensação
de felicidade e muitas vezes
ficamos um bom tempo fingindo
que estamos mesmo felizes...
Custando a nos convencer que
aquelas coisas tão boas e tão
cobiçadas não estão nos dando
a prometida felicidade...

Ou adiamos a felicidade para
um futuro imaginário...
investindo nosso tempo e
energia na construção
desse futuro feliz...
abdicando de viver a felicidade
no presente que é só onde
ela pode ser encontrada...

Passamos grande parte das
nossas vidas adiando
a felicidade na falsa ilusão
de que estamos construindo
as condições ideais para que
ela se manifeste...

Não espero mais o futuro
para ser feliz...
porque tenho visto muitas
pessoas que morrem construindo
esse suposto tempo futuro
de felicidade...

A felicidade é para ser
vivida aqui e agora com
as condições que temos...
o dia certo para ser feliz é
hoje e a hora é agora...

E o lugar é onde você está...
bem dentro do seu coração
está a chave que te leva a
experienciar felicidade a
partir de você...

Chega um tempo que
não dá mais para enganar
a gente mesmo...

Você sente que esse estado
de felicidade que se baseia em
coisas externas e que depende
da atitude do outro é um
saco sem fundo...

Você enfim...
se decide por você mesmo...
por se conhecer mais
profundamente e por buscar
dentro o que sempre pensou
que encontraria fora...

E assim como por encanto...
quando você encontra esses
estados de alma que te dão felicidade...
eles se refletem no mundo ao seu redor...
e você encontra nas coisas
externas uma forma de compartilhar
aquilo que encontrou em você mesmo...
e quanto mais compartilha...
mais encontra...

E qualquer coisa passa a ser
motivo de te fazer feliz porque
você sabe que é muito mais do
que um monte de conquistas de
coisas e pessoas que vão te dar
aquela sensação de completude que
você sente ao se encontrar...

TEXTO: Rubia Americano Dantés
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 13 de Abril de 2.010.

Não espere acontecer

Era uma vez um rei que possuía
larga extensão de terras.

Habituado a caminhar pelo seu reino,
certa ocasião o soberano irritou-se
com a aspereza do solo que
lhe feria os pés.

Determinou que todas
as estradas e todos os caminhos fossem
cobertos por macios e
belos tapetes.

Todos os súditos se empenharam
em realizar a louca e difícil tarefa
imposta pelo monarca.

Passaram-se alguns anos
sem que o trabalho pudesse
ser concluído.

Um dia, o exigente soberano,
tomado por uma febre violenta,
acabou morrendo sem ver seu
desejo realizar-se.

Um velho sábio,
ao tomar conhecimento daquela
estranha história,
comentou: "pobre rei!

Morreu sem concretizar
seu sonho e sem saber o quão
fácil isso poderia ter sido!"

Ante a surpresa e a discordância
manifestada por aqueles que o ouviam,
esclareceu: "se o
rei não queria ferir-se com a
aspereza dos solos,
bastaria que cortasse dois pedacinhos
de tapete e os colasse na sola
de seus próprios pés.

Se assim tivesse agido,
para ele,
todo o seu reino seria acarpetado."

Críticos sagazes,
somos hábeis em tecer comentários
cruéis a respeito de pessoas
e de situações.

Somos ágeis em relacionar o
que não nos agrada nos mais
diversos lugares e ambientes.

Temos olhos de águia para
criticar e condenar.

Estabelecemos listas infindáveis
de coisas a serem melhoradas
e corrigidas pelos outros.

Temos a convicção de que
"se não fosse pelos erros dos outros
o mundo poderia ser muito melhor."

Agimos como se fôssemos
meros espectadores e como se não nos
coubesse qualquer responsabilidade
perante a vida.

Esperamos que as coisas
se resolvam por si só,
ou ainda,
que as outras pessoas façam
algo por nós.

Queremos um mundo onde
as estradas sejam acarpetadas para
garantir maciez aos nossos pés.

Mas,
esperamos que os outros
cubram nossos caminhos com
belos e ricos tapetes.

Delegamos ao resto da humanidade
a responsabilidade por toda a nossa
desdita e pela nossa ventura.

Em virtude disso,
vemo-nos destinados a reclamar
infinitamente pela não realização
de nossos sonhos.

Sonhos esses que teriam
grandes chances de se concretizar
se nos dispuséssemos a fazer a
parte que nos cabe.

Não aguardemos pela iniciativa
dos que nos cercam na realização
do que a todos compete efetuar.

Quem cruza os braços
em função da inércia alheia,
confunde-se na multidão dos
que nada fazem.

Responsabilizar os outros
não produz nada de útil.

Apontar equívocos alheios
não nos autoriza a ignorar
os nossos próprios.

Ser capaz de reclamar
não nos aprimora,
nem garante a correção das
falhas que apuramos.

Abandonemos a acomodação
que há tanto nos acompanha
e livremo-nos das garras da
preguiça que nos alicia.

Tenhamos disposição para
fazer o que nosso conhecimento e
nossa capacidade nos permitem.

Pouco a pouco,
a gota corrompe a pedra.
O raio de luz vence a escuridão.
O vento move a montanha
e esculpe as rochas.

Demonstra a natureza que
cada qual detém a possibilidade
de alterar o que parece imutável.

Cada um,
singela e constantemente agindo,
pode marcar a face da história e
transformar o rumo da vida.

Atos simples que não
exigirão heroísmo,
nem bravura,
de nenhum de nós.

Atos cotidianos
e aparentemente banais,
mas que, em verdade,
integram a missão individual
de cada um perante Deus.

Pensemos nisso.

TEXTO: Equipe de Redação do Momento Espírita,
com base no livro Parábolas Eternas,
organização Legrand, 3ª ed.,
Editora Sóler, pp 108/109.
* * * * *
Texto lido pelo Radialista
Anderson Fonseca,
no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 12 de Abril de 2.010.

sexta-feira, 9 de abril de 2010

Estradas e problemas

Alguns problemas são assim;
como estradas intermináveis,
esburacadas,
cheias de trechos onde os
acidentes são fatais.

Problemas que parecem
fazer a pessoa afundar,
temer o dia seguinte,
procurar onde se esconder.

Mas,
assim como as estradas,
problemas
não são insuperáveis.

Problemas não resistem
a determinação,
daqueles que
passo após passo, seguem,
caminham ainda que cansados,
ainda que aflitos,
no caminho
que sabem ter um fim,
a sua meta.

Pode ser que você esteja
vivendo um problema assim,
que parece não ter fim,
parece um terremoto,
abalando as suas estruturas,
desanimando-o.
Mas, eu lhe digo:
não desista!

Dê um passo de cada
vez rumo a solução,
corte aqui, corrija ali,
converse acolá,
liberte-se de pré-julgamentos,
não se condene,
nem se lamente.

Ainda hoje você pode
se deparar com uma solução,
com uma nova visão da vida,
do problema e da saída.

Deus não colocou
estrelas no céu a toa,
elas são lembretes brilhantes,
cheias de cor,
de que Deus
te acompanha sempre,
com muito amor.

De que não estamos sozinhos,
e cada um tem seu valor,
e você,
na Bolsa de Valores de Deus,
é uma ação valiosa,
a “blue chips” mais preciosa.

Eu acredito em você

PS: só para saber:
As ações blue chips,
ou de primeira linha,
são aquelas de empresas de grande porte,
de alcance nacional e internacional
e de comprovada lucratividade.

TEXTO: Paulo Roberto Gaefke
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 10 de Abril de 2.010.

terça-feira, 6 de abril de 2010

Os caminhos de Deus ...

Nossos caminhos nem sempre são aqueles
que nosso coração projeta.
Nem para nós,
nem nossos filhos ou para a pessoa que
nosso coração elegeu.

É evidente que Deus quer a nossa
felicidade e que nos deixou o livre arbítrio
para fazermos nossas escolhas.
E olha o resultado:
vamos à direita quando deveríamos ir à esquerda,
nos precipitamos quando deveríamos esperar,
esperamos demais quando deveríamos
tomar uma atitude e tornamos nosso
coração insatisfeito.

Se o coração chora,
não é porque Deus provocou lágrimas,
mas porque, tendo a escolha,
ficamos do lado errado.

Seria um mundo perfeito se projetássemos
todos os nossos sonhos e que
eles se construíssem pontinho por pontinho,
até o fim.

É isso que tentamos fazer diariamente
quando dizemos a Deus para fazer
exatamente aquilo que queremos que seja feito,
porque bem sabemos,
apesar de mal interpretarmos,
que Deus deseja nossa felicidade
e somente nossa felicidade.

Queremos aquele trabalho específico,
um casamento perfeito com uma pessoa perfeita,
filhos perfeitos e inteligentes,
a cura para todos os males e uma
situação financeira estável e equilibrada.

Dizemos então a Deus:
- Aqui estão meus projetos e eu sou seu filho.
Realize-os!

Ah se conhecêssemos o íntimo do nosso
ser como Deus conhece!...
Se tivéssemos a humildade de pensar
que talvez seria melhor tomar outro
caminho que o planejado,
não erraríamos tanto e não sofreríamos tanto!

Tente dar ao seu próprio filho tudo o que ele
pede sem refletir,
no momento que ele pede.
Você perceberá com o tempo que ele ficou
despreparado para a vida ou que correu
riscos que poderiam ter sido evitados.

Deus nos dá o livre arbítrio sim.
Mas na Sua sabedoria pode nos dizer se este
caminho é melhor que aquele,
se o coração não está influenciado
demais por emoções,
se o dia poderia ser pintado de outra cor.

O coração projeta sim, para hoje,
para amanhã e para depois e é bom que seja assim.
Precisamos de planos para o dia seguinte.
Mas felizes são aqueles que sabem esperar a hora,
o momento e têm a humildade de
entregar esses planos Àquele que esquadrinha
nossos corações e conhece nosso eu.

TEXTO: Letícia Thompson
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 07 de Abril de 2.010.

segunda-feira, 5 de abril de 2010

AS VERDADES SOBRE A VIDA QUE A GENTE ESQUECE

A vida é como uma escola.
O que a gente aprende nela tem
de ser aplicado
para não ser esquecido.
Há alunos que aprendem rapidamente,
tiram o máximo proveito das lições
e conseguem o diploma de sábio.
Outros esquecem os ensinamentos
e repetem
continuamente situações angustiantes.
A vida, como a natureza,
tem verdades
muito simples que devem ser respeitadas.
A maioria delas já conhecemos,
às vezes até intuitivamente.

A vida é cíclica
O mundo moderno nos convida à correria e,
em função disso, não temos
tempo de observar a natureza,
nossa grande mestra.
Quem olha o mar e percebe as marés,
as ondas e os ventos pode verificar
como tudo tem seu ciclo.
O dia e a noite, as estações do ano,
o sol e a chuva, a vida e a morte.
O ser humano, com sua sede de poder,
procura imobilizar a vida
e torná-la certinha,
rígida como uma estátua.
Mas a vida é dinâmica.

Hoje estou bem,
amanhã posso não estar.
Em certo momento,
a vida está tranqüila como um vôo
de ultraleve e,
no momento seguinte,
poderá estar envolta em nuvens
de dificuldades.
Mais um pouco,
as nuvens vão embora
e a claridade volta a iluminar.

A vida flui como as ondas do mar e,
como um surfista,
precisamos aprender a aproveitar
suas subidas e descidas,
mergulhar e retornar à tona,
manter-nos na superfície
de acordo com o movimento da água.
Quando resolvemos eliminar de
nossas vidas o fluxo
das ondas e permanecer
apenas como
observadores passivos,
anulamos nossa força vital.

É uma nova relação amorosa que aparece,
um projeto desafiador,
um trabalho inédito,
uma viagem inesperada,
o nascimento de um filho,
um novo amigo na vizinhança,
a morte de um parente,
uma notícia ruim na televisão,
uma noite solitária...
As ondas intercalam-se entre
momentos alegres e tristes,
tranqüilos e agitados, soltos e presos,
como na natureza.

Quando estamos embaixo da onda,
sofremos,
sentimos a dor da perda.
Mas o fogo do sofrimento nos purifica
e ensina lições que não devemos
esquecer.
A força que surge dessa experiência
interior nos dá impulso para subir
e novamente voltar
à superfície e saborear o vento,
o sol e a luz.

Algumas pessoas têm dificuldade de viver
na parte superior da onda,
sentem medo da alegria
e ficam remoendo problemas.
Não aprenderam a celebrar
cada acontecimento da vida.
Imaginam que viver é somente sofrer
e desperdiçam as dádivas da existência.

Como surfistas da vida,
precisamos ter consciência
que as dificuldades acontecerão sempre,
mas,
se nos deixarmos levar pelo movimento
natural das ondas,
os problemas nos encaminharão
para as soluções.
Sabedoria é saber surfar nas
ondas da vida.

TEXTO: Roberto Shinyashiki
- Do livro "O Sucesso é ser Feliz" -
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 06 de Abril de 2.010.

O amanhecer do Cristo

Narra antiga lenda que,
após visitarem o Menino Jesus,
aqueles homens que vieram do
Oriente fizeram um pedido a Ana,
mãe de Maria:
A criança tem apenas um dia de idade,
contudo,
vimos a luz de nosso Deus em Seus olhos,
e o sorriso de nosso Deus
em Sua boca.

Nós a conclamamos a protegê-Lo,
para que Ele possa proteger-vos a todos.

Dizendo assim,
montaram em seus camelos
e nunca mais foram vistos
naquelas terras.

Aquele menino cresceu e,
na juventude,
já era querido por todos
em Nazaré.
Era diferente das
outras crianças.

Certa feita,
quando foi levado até
Sua cama, à noite,
pela avó, disse-lhe:
Diga para Minha mãe
e para todos os outros que somente
Meu corpo dormirá.
Minha mente estará com eles até
que suas mentes cheguem ao
Meu amanhecer.
* * *
O amanhecer de Jesus aponta
no horizonte dos dias vindouros.
Por mais que ainda não estejamos lá,
os raios de sol de Seu amor já nos alcançam,
mostrando o caminho seguro.

O Rei Solar conta com
inúmeras emanações radiantes,
que são os trabalhadores fiéis
de todas as horas.

Ele nos acompanha,
nas vitórias e nas derrotas,
como amigo carinhoso que vigia
à nossa cabeceira.

Sua mente procura a nossa sem cessar.

Seu coração nos envolve
em eflúvios de alegria,
convidando à renovação diária.

Nós O abandonamos,
quando nos perdemos no mundanismo
recorrente e sedutor,
mas Ele nunca nos deixa a sós.

Se ao menos aprendêssemos a ouvi-Lo...
a percebê-Lo ao lado,
sorrindo, apoiando, aconselhando.

Quem sabe pensaríamos
um pouco mais antes de agir
com tanta imprevidência.

Quem sabe aguardaríamos a raiva passar,
antes de transformá-la em veneno
para nós e para o outro.

Quem sabe aproveitaríamos
mais as oportunidades da vida,
quando nos abre portas para a caridade.

Quem sabe escolhêssemos
ser ao invés de ter.

Quem sabe iríamos sorrir mais,
sabendo que ao nosso lado temos
um grande amigo.

* * *
As palavras ditas há mais de dois
milênios continuam atuais.

Foram ditas para todas as
gerações seguintes e, desta forma,
Ele também Se faz presente
entre todos nós.

Cada vez que nos sentirmos sós,
sem saber que caminho tomar,
sem forças para prosseguir,
lembremos das palavras do jovem
Jesus à Sua avó:
Diga para Minha mãe e para
todos os outros que somente
Meu corpo dormirá.
Minha mente estará com eles até que
suas mentes cheguem ao Meu amanhecer.
* * *
Meu amanhecer...
É o amanhecer da vida
em abundância;
É alvorada serena,
sem ruídos,
acompanhada pelos pássaros
do céu a sobrevoar,
intrepidamente, os lírios do campo.

Meu amanhecer...
É carícia suave sobre a face adoecida da dor;
É abraço terno nos desvalidos do mundo;

Meu amanhecer,
meus primeiros raios seguros de sol,
sempre foram e sempre serão para vocês,
amados da Terra.

TEXTO: Redação do Momento Espírita com base no cap.
Ana, mãe de Maria, do livro Jesus,
de Kahlil Gibran,
ed. Ediouro.
* * * * *
Texto lido,
pelo Radialista Anderson Fonseca,
no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 05 de Abril de 2.010.

sexta-feira, 2 de abril de 2010

Mensagem Pascal

Na Páscoa,
nós cristãos comemoramos a vitória
da vida sobre a morte e do amor
sobre o ódio.
Jesus, o Filho de Deus,
entregou sua vida pela humanidade
sobre a cruz;
foi seu maior gesto de amor.
Seguindo as pegadas de Jesus
aprendemos a amar a Deus
e os nossos semelhantes.
E a viver neste mundo construindo
a esperança de vida e de salvação
para cada um de nós e para todos.

De fato só participa da Páscoa
- passagem para a vida plena -
aquele que permanece no verdadeiro amor,
Jesus Cristo.
Somente canta a alegria da Páscoa
aquele que decididamente percorre
o caminho do Calvário,
superando com fé toda a dor e sofrimentos.

Na ressurreição do Senhor se encontra
a certeza da felicidade para toda
a pessoa que se sente condenada
a carregar pesadas cruzes
e a viver na exclusão.
Jesus vem animar os massacrados
por tantas humilhações,
fracassos e tristezas.
Diante das dificuldades e da própria
fraqueza humana,
quando caimos exaustos sob
o fardo da cruz,
a ressurreição de Jesus nos ensina
a levantar e recomeçar a caminhada.

Não adianta lamentar nossa difícil situação.
Nem basta simplesmente aceitar
a derrota ou proclamar
o próprio desencanto.
Pelo contrário,
em meio às aflições e adversidades
do dia-a-dia,
temos que nos unir solidariamente na fé,
ajudando uns aos outros.
Neste mundo de chão tão grande
esta é a nossa missão maior.
Em Cristo ressuscitado está a motivação
para superarmos o individualismo
consumista e relativista que impera
nesta sociedade,
onde se busca a realização pessoal
a todo custo.
Ele vem em nosso socorro com sua
luz que tudo aclara;
abrindo seus braços nos abençoa,
e sustenta os que trabalham pela pátria mãe,
que acolhe e quer vida para todos
os seus filhos e filhas.

Fortalecendo no amor completamos
em nós a paixão de Cristo,
que nos traz a inteira libertação.
Assim passamos da opressão
para a liberdade,
da tristeza para as alegrias,
das doenças para a saúde,
da morte para a vida.
E então alegremente podemos
anunciar a todos:

Feliz Páscoa!!!

TEXTO: Pe. Adalton e Conselho Paroquial
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 03 de Abril de 2.010.

quinta-feira, 1 de abril de 2010

JESUS, A CRUZ E A NOSSA PAZ

" O castigo que nos trás a paz estava sobre Ele ".

Todo mundo passa por sofrimentos.
Desde nosso nascimento
até a morte sofremos por muitos
motivos diferentes.

Dor de amor, braço quebrado,
rejeição, traição…
isso faz parte do processo
pelo qual todo ser humano passa.
Isto é “viver".

Há, porém,
pessoas que sofrem mais
do que outras.
Também existem os mártires
que morrem por uma causa.

Por falar nisso,
será que sabemos o suficiente
sobre o sofrimento de Jesus?
Será que o sofrimento de
Jesus foi em vão?

Seu sofrimento começou
muito antes de sua prisão.
No momento em que assumiu
a natureza humana já teve
início Seu estado de humilhação.

Na concepção começou
Seu sofrimento.
O Filho se fez homem.

Imaginemos o contraste:
o que Jesus tinha no Céu,
e O que ganhou na terra.
A Sua vida na terra foi de sofrimento
e não somente por Sua morte.
Fez-se servo de perversos;
caminhou e viveu com pecadores.
A obediência para Ele foi
um caminho de sofrimento (Hb 2.10);
as investidas constantes do diabo;
as demonstrações de incredulidade
e ódio (Mt 23.37);
a solidão.

Seu sofrimento foi desde
a Sua concepção até culminar
na Sua paixão.

Jesus sentiu na cruz
o aparente desamparo do
Pai a ponto de dizer:
“Deus Meu,
Deus Meu por que Me abandonaste?”
Sentiu-se assim,
separado do Pai,
por ter que levar sobre Si
os pecados dos filhos
escolhidos de Deus.

Sendo esse o Seu "inferno":
o afastamento do favor de Deus.
Jesus passou por isso na cruz.
Quando o Credo Apostólico diz
que Jesus desceu ao Hades,
significa dizer que Ele estava
morto mesmo sem qualquer
sombra de dúvida,
pois Seu corpo estava na sepultura.

Hades, então, não é inferno,
mas sim o lugar e o estado dos mortos.

A morte não é apenas a
conseqüência do pecado,
mas também o seu castigo (Rm 6.23).

Jesus experimentou a dor da morte
por um curto espaço de tempo.

A cruz nos aponta mais
do que uma esperança
de vida eterna.

A morte de Cristo nos traz
benefícios presentes e no porvir,
pois há uma plena relação
do Seu sofrimento com o nosso
(Hb 2.14-18).

Jesus sentiu na pele tudo
o que nós sentimos e por isso
Ele pode nos socorrer qualquer
que seja a fonte do problema
em nossa vida comunitária
ou individual.

Que a cruz nos aponte
o caminho do consolo divino.

“O castigo que nos trás a paz estava sobre Ele”.

TEXTO: Reverendo Edmar Pimentel
Catedral Anglicana da Santíssima Trindade - Recife - PE
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 02 de Abril de 2.010.