domingo, 27 de junho de 2010

O tamanho da esperança

A esperança tem o tamanho da semente
que plantamos no nosso coração.

O que nos faz desistir com
freqüência de um caminho é a visão longíqua
demais do que deve ser percorrido.

Só de olhar, já desistimos.

Por essa razão não tomamos atitudes,
não recomeçamos um estudo,
não ousamos algo novo,
não nos construímos e nem damos
exemplos aos nossos.

Não descobrimos lugares novos,
não vamos visitar pessoas,
não fazemos planos
(ou fazemos e deixamos pela metade)
e não concretizamos muitas coisas que seriam
possíveis e proveitosas.

Nos cansamos antes do cansaço chegar.
É assim com muitas coisas do dia-a-dia:
a esperança abandona seu lugar tão facilmente
ao desânimo que no fim das contas não fazemos nada.

E um dia olhamos pra trás e nos dizemos
que se tivéssemos começado,
já teríamos terminado.

Talvez, quem sabe,
a terra do nosso coração esteja seca demais
para fazer brotar a semente da esperança.
Ou julgamos que essa semente é pequena demais
para produzir algo grande.

Que igenuidade da nossa parte!!!
O tamanho de uma semente nada tem a ver com
o tamanho da planta!
Mas a fertilidade da terra,
sim.

Os corações devem ser terras menos áridas,
menos amargas,
mais dóceis e mais receptivas e tudo aquilo
que for plantado neles crescerá e prosperará.

O caminho a ser percorrido na não deve
ser medido com os olhos
da desesperança.

Deus não vê o seu tamanho pela sua estatura,
mas pelo potencial que Ele só
conhece do seu íntimo.

Ele joga sementes de grandes esperanças
na terra do seu coração,
mas você deve arar a terra,
prepará-la e tomar a sua parte de responsabilidade.

Os frutos, creia, serão seus!
O horizonte é maravilhoso demais e ele nos faz sonhar.
Mas olhe para seus pés e veja onde deve começar,
conte seus passos dando o melhor de
si mesmo e daqui a algum tempo você vai
poder olhar para trás e rir de satisfação.

Porque o tempo passa se você
fica parado ou se você caminha.
O que você realiza ou não depende de você
ter começado ou não.
Ouse acreditar! Ouse dar passos!
Ouse ousar!
Nós mesmos nascemos de pequenas sementes.
Nascemos da esperança de Deus,
que crê em nós e insiste.
Ele sabe que somos todos capazes
de chegar a algum lugar.

TEXTO: Letícia Thompson
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 02 de Julho de 2.010.

O amanhã não nos pertence

Viver o dia-a-dia é a mais natural
e a mais difícil de todas as coisas.
Contentar-se do presente,
do aqui e do agora exige de nós um grande
auto-controle dos sentimentos e emoções.

As coisas que nos fizeram
vibrar no passado vibram ainda hoje,
mas de maneira menos intensa,
com gosto de saudosismo.
Passou e ficou de forma leve,
como as lembranças das férias ou das primeiras
batidas incontroláveis do coração.

As coisas futuras podem nos alegrar
(uma felicidade esperada)
ou nos fazer sofrer intensamente,
antes mesmo que o esperado chegue,
se chegar.

Não controlamos o que passou,
porque aconteceu e não sabemos voltar atrás
e não controlamos o futuro,
apesar de tentarmos escolher minuciosamente
os bons caminhos.

O ontem faz parte
definitivamente das nossas vidas,
nossa história e nossas
entranhas e não podemos negá-lo,
mas o amanhã não nos pertence.
Ele é apenas uma possibilidade,
um sonho ou um pesadelo,
uma nuvem que se aproxima mas que pode,
com um sopro do vento,
ir em outras direções.

O hoje sim é o que temos
de real e nos pertence de todo.

Antecipar alegrias e vitórias faz-nos bem,
se mantemos os pés firmes no chão;
antecipar perdas e partidas provoca-nos dores
inúteis e frequentemente maiores ainda que o que seriam,
pois já pela antecipação se multiplicam.

Devemos aprender a acolher o hoje
e fazer dele o melhor que podemos,
com todos os meios que tivermos.
Sermos felizes,
fazermos outros felizes,
nos bastando de cada segundo oferto como
um presente Divino que não se oferecerá
uma segunda vez.

TEXTO: Letícia Thompson
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 01 de Julho de 2.010.

O que te falta

" Existem poucas coisas que nós desejaríamos
de forma intensa se nós soubéssemos
realmente o que queremos."
* La Rochefoucauld *

Não se desespere com esse problema que te aflige,
antes, sereniza a alma e busca a essência do mesmo,
se são dividas que te roubam o sono,
o problema pode ser a forma de gastar,
enquanto você não aprender a poupar
não vai resolver "o como pagar".

Se a doença te abala,
procure antes mudar a forma de alimentar-se,
disciplina e qualidade contra a ansiedade,
comer para viver e nunca viver para comer.
Dormir bem, e descobrir o que é essencial,
ter espaço para trabalhar e divertir-se,
equilíbrio é fundamental.

Solidão é o mal que te aflige?
Descubra como empregar o seu tempo,
em ajudar quem menos tem, quem mais precisa,
e sendo solidário, encontre motivos para sorrir,
para deitar e dormir, sereno e tranqüilo,
sem lembrar do vazio, preenchido pela gratidão,
de quem recebeu um pouco de pão da tua mão.

E assim,
a vida quer te recompensar,
como mãe carinhosa com saudades do filho,
que quer abraçar, beijar e fazer um carinho,
não importa se tem 50 anos ou ainda é menino,
para a mãe, filho será sempre carente,
e para a vida, quem doa de si,
será sempre credor,
de paz, alegria e amor.

Eu acredito em você.

TEXTO: Paulo Roberto Gaefke
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 29 de Junho de 2.010.

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Palco da Vida

Apesar dos anos
correrem iguais,
os dias se apresentam
sempre novos.

Novas oportunidades,
novos conhecimentos,
novas amizades,
novos relacionamentos.

Só quem se esconde da vida,
quem foge dela,
pode permanecer parado
diante de tantas mudanças.

Por isso,
não diga que nada acontece.
Não espere pelo ônibus
que não passa,
nem pelo amor que foi
e não voltou.

Não chore
pelo emprego perdido,
nem viva mais
tão iludido.

É tempo de refazer
os passos,
de recomeçar com
novos atos.

Estamos diante do
palco da vida,
e não é preciso decorar
nenhum papel,
é preciso apenas coragem
para sair do lugar,
de secar as
lágrimas do conformismo,
se amar.

É tempo de semear
outras sementes,
de plantar novas árvores.
Florir caminhos
de pedras,
entender o próximo como
a ti mesmo,
ainda que em queda.

É tempo de seguir
a sua intuição,
aquela que não te
deixa esquecer
que você é importante
e precisa viver:
um grande amor,
um grande desafio,
uma nova esperança
a cada dia.

Pois o dia que se
apresenta é um presente,
é oportunidade única
de viver e agradecer.

Segue agora,
sem olhar para trás,
segue contente,
rumo ao infinito das
conquistas que lhe cabe.

Deus te abençoe desde já,
pois é hora de recomeçar.

Eu acredito em você

TEXTO: Paulo Roberto Gaefke
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 26 de Junho de 2.010.

Viajamos no mesmo barco

Coisas más não acontecem só
a pessoas más.
As catástrofes naturais quando
chegam não contam,
não escolhem,
elas saem arrasando tudo o que
está pela frente.

Compreender o mal,
a injustiça, a miséria, as dores,
as quase insuportáveis perdas,
o desabrigo, a gente não compreende.
Não nos ensinaram tal ciência de
ter o coração assim tão perfeito
e a alma tão aberta.
Por isso choramos tanto.
E clamamos misericórdia ao Pai.
Tomamos consciência da nossa
pequenez e dependência de uma força
superior e ilimitada e nos curvamos.

Os sofrimentos e as dores nos aproximam
de Deus e tocam os corações
de outras pessoas,
que não podem e nem devem
ficar indiferentes,
por que a verdade é que estamos
todos navegando nesse mesmo barco,
que ora balança,
ora se aquieta,
sempre independente da nossa vontade.
Mas obstáculos não são pontos finais,
nem muros sem saída.

Quando se perde tudo,
mas que a vida não se perde,
é que alguma coisa ainda há pela frente.
As coisas que não podemos evitar,
vamos recebê-las e aprenderemos
a reconstruir com o que nos sobra.
Colamos um pedaço aqui e outro ali,
refazemos a vida e refazemos o mundo,
afinal,
se ele existe é por que existimos
e nossa cruz não será assim tão pesada,
se sabemos que temos alguém
que nos ajuda a carregá-la.

TEXTO: Letícia Thompson
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 25 de Junho de 2.010.

Vida e pensamento

Corre que o ônibus vai passar,
o avião vai sair, o trem já vai partir,
a carona já vai, e a vida,
ora a vida pode esperar.

Corremos tanto que perdemos
o encanto pela vida,
já não pensamos,
criamos uma barreira contra os
pensamentos e vamos
"passando pela vida"
vivendo o que a sociedade capitalista
criou como "modo de vida",
ora,
o fulano tem um IPOD,
se ele pode, eu também quero,
se ciclano tem celular com câmera,
MP3 e gravador, eu também posso,
depois a gente resolve pra que serve
tudo isso,
mas nesse momento eu preciso correr,
ter, esquecer.

Perdemos a preciosa oportunidade
de admirar:
a vida, às pessoas,
a natureza e nós mesmos.
Já não nos espantamos com as
nossas capacidades,
apenas passamos pela vida,
empurrados por sonhos de consumo.
Parece que um carro novo é mais
importante que a família,
o sapato, mais que os pés, a roupa,
mais que o corpo,
a marca,
mais importante que a qualidade.

A vida é o bem mais precioso que possuímos,
importante demais para passarmos por
ela sem fazermos uma reflexão
e alguns questionamentos,
dedicar um tempo para descobrirmos
em nós mesmos, a razão de estarmos aqui.

Vai, toma coragem;
separe um momento do seu dia,
para pensar no que anda fazendo,
no rumo que as coisas estão tomando,
é assim que você sonhou viver?
Esse relacionamento está do jeito
que você imaginou?
Você está fazendo o que gosta?
O que é mesmo que você gosta?
Por quê?

Pensar,
tomar decisões baseadas na razão,
sem jamais esquecer da ternura,
da emoção,
esse é o caminho seguro da reflexão,
ferramenta necessária para
evitar a desilusão,
a solidão,
a depressão e o vazio.

Pense nisso!

Eu acredito em você.

TEXTO: Paulo Roberto Gaefke
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 23 de Junho de 2.010.

Momento e Hora

"A alegria não está nas coisas:
está em nós."
:: Goethe ::

Não adianta esperar aquele
prêmio maravilhoso para
se alegrar,
afinal de contas,
ele pode nem chegar.

Não
adianta esperar pelo seu
"grande amor"
para ser feliz,
aceite o relacionamento
de hoje e faça-o crescer.

Não espere a
plástica que tanto almeja,
ela pode não resolver seus
conflitos da alma.

Não espere pelos amigos,
nem pelos inimigos,
antes,
marque hora com você,
e não atrase.

A felicidade é a soma
dessas pequenas alegrias,
que transformam o nosso dia.

Dia que se apresenta puro,
simples e renovador.

É o novo tempo que
se mostra tão revelador.

Oportunidades imensas,
problemas que se tornam pequenos,
diante da sua alegria em
descobrir em você,
toda a fonte de oportunidades.

Valorize-se!

Cada gesto, cada ato,
seja dado em busca
da alegria,
que é aquela certeza gostosa
de que podemos mais.

Mais uns segundos
embaixo d'água,
mais um dia sem fumar,
sem beber,
sem reclamar.

Mais um pouco de esperança,
de doçura,
de sorrir como criança.
Afinal de contas,
eu vejo flores em você,
e se de repente,
alguém lhe dizer: eu te amo,
não é o seu desodorante,
é a sua alegria,
é a sua vontade de viver
que contraria,
tudo o que poderia ser
contra você.

Vai,
abra um belo sorriso.
Tire um pouco esses sapatos...
relaxe os pés,
depois a cabeça,
e por fim a alma aflita,
que é uma
amiga interna que grita:
vem ser feliz agora,
pois este é o momento e a hora.

Acredite em você.

Eu acredito em você.

TEXTO: Paulo Roberto Gaefke
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 22 de Junho de 2.010.

segunda-feira, 14 de junho de 2010

O valor que você dá...

Qual é o valor você está dando para as coisas,
pessoas e a si mesmo?
Será que não está colocando tempero
demais no prato?
Não está valorizando o que não tem valor,
e deixando de lado o que realmente importa?
Será que não está viajando demais
no trem bala da ilusão?
Não está como a pessoa doente
de ciúme que vê tudo ampliado?

Vez ou outra nós entramos em um
processo de hiper-sensibilidade,
e tudo começa a ficar exagerado em nossas
atitudes e principalmente no pensamento,
fonte de nossas alegrias e frustrações.
O depressivo por exemplo,
começa a se fechar em mundo que poucos podem
"penetrar"
porque atribui a si,
aos outros e ao mundo um sentido negativo,
causando uma apatia, uma falta de
energia tão grande que leva a total
ausência de sonhos e esperança.

Cada um é responsável pela qualidade
dos seus pensamentos e cada um reage de
uma maneira diferente diante da mesma situação,
por isso não podemos acusar
a situação ou tal pessoa pelo
momento que vivemos.
Tudo é fruto da nossa
maneira de encarar o problema,
que as vezes nem é problema,
é apenas uma
criação da nossa mente.

Por exemplo,
você está passeando em uma
rua e aquela pessoa muito especial,
um amigo ou parente que não vê faz
algum tempo,
passa ao seu lado em sentido
contrário e não te cumprimenta,
alias, parece que nem te viu.
O que você faz?

1- Fica com muita raiva e muito
sentido com a pessoa;

2- Imagina que o problema é com você,
ninguém te vê mesmo e chora;

3- Vai atrás da pessoa e a chama pelo nome,
afinal de contas ela pode nem
ter te reconhecido;

4- Vai embora na dúvida se aquela pessoa
era realmente quem você pensava.

Como você vê,
podemos enfrentar a situação
de diversas maneiras, de acordo
com o nosso estado de espírito,
do momento que estamos vivendo.
Por isso,
nos momentos de dor,
de solidão da alma,
de muitas lutas e dificuldades,e
evite ao máximo o pré-julgamento das coisas,
de si mesmo e das pessoas,
pois nossa visão costuma estar sempre
embaçada por lágrimas,
mesmo que não caiam,
as lágrimas ficam na alma,
embaraçando nossos sentidos e a maneira
de enxergarmos o mundo.

Transforme a alegria na sua arma
mais poderosa para combater a depressão,
a dor e o medo,
e alegria é o contentamento com tudo,
que pode ser muito
pouco, quem sabe o fato de estar vivo,
respirar, ter saúde, amar,
ter alguém para quem se voltar,
e esse alguém,
pode ser Jesus por exemplo,
o que te deixa com a certeza de que
nunca está sozinho.

Pense nisso!

Eu acredito em você.

TEXTO: Paulo Roberto Gaefke
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 19 de Junho de 2.010.

O que eu posso mudar hoje?

"Hoje é apenas o recomeço de um
tempo de ser feliz."

Muita gente vai acordar hoje sem
vontade de levantar,
outras tantas irão sair para o
trabalho desanimadas,
milhões estarão buscando uma
oportunidade,
e muita,
muita gente se lamentará da vida,
esperando dias melhores,
confiando na "sorte",
tentando um jogo dos sonhos,
ou tentando subornar,
alguma divindade através de
promessas ou pagamentos,
e nada vai mudar em suas vidas.

Por quê algumas empresas vão crescer,
e outras vão falir?
Por quê algumas pessoas vão prosperar
e outras não?
Por quê alguém vai ser muito feliz
e outra vai desistir?
Problemas espirituais, inveja,
incompetência ou karma?

Pode ser tudo isso sim,
mas a grande maioria é resultado
daquilo que pensamos e fazemos
de nós mesmos,
da energia que depositamos naquilo
que vamos fazer,
essa é a diferença entre os que
vão fazer "a diferença",
e aqueles que vão continuar
acreditando que,
nasceram apenas para sofrer.

Mudar qualquer coisa dá trabalho,
é cansativo,
as vezes requer muito mais do que
o simples esforço,
não basta querer,
pois da fruta gostosa todos
querem saborear,
tem que ter um "desejo sincero de mudar",
uma garra,
uma determinação acompanhada
da certeza de que
o mundo é seu amigo e conspira
a seu favor,
começa pela atitude mental
que você vai ter,
passa pela mudança na
sua aparência,
e acaba refletindo na sua saúde,
na paz interior e nas conquistas,
que com certeza vão chegar.

Mude as cores da sua roupa,
mude o estilo,
mude a alimentação,
coma melhor,
mude os vícios,
abandone o que te faz mal,
mude de atitude perante a vida,
acredite em você,
tudo começa na certeza de que
você é um bom produto,
que apenas não está sendo
bem comercializado,
e que tem muitas qualidades para
serem exploradas,
explore os seus talentos naturais
e por favor:

NÃO DESISTA JAMAIS DOS SEUS SONHOS,
não pense que hoje é o fim de
qualquer coisa,
"hoje é apenas o recomeço de um
tempo de ser feliz."

Eu acredito em você.

TEXTO: Paulo Roberto Gaefke
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 18 de Junho de 2.010.

NA HORA DE OUVIR ALGUMAS VERDADES

“Tornei-me, por ventura,
vosso inimigo por vos dizer a verdade?”
* Paulo, Gálatas 4:16 *

Caminhamos todos
em busca de alguma coisa.
Às vezes nem sabemos bem o quê.
Muitas vezes confundimos tudo.

Outras,
determinamos a meta e investimos.
Lutamos e avançamos
com os olhos fixos no objetivo.
Não paramos
para ver que ao nosso redor,
e, ao mesmo tempo,
outras pessoas fazem ou
tentam fazer o mesmo.

E todos têm os
mesmos direitos e as mesmas
obrigações perante
a vida e a si mesmos.
Não importa
quem sejam estas pessoas.

Observem que
nem sempre respeitamos
as suas necessidades.
Achamos sempre
que o que fazemos e o de
que necessitamos é mais
importante.
Com isso,
invadimos o espaço alheio.

Porém,
não permitimos
interferências no nosso espaço.
Caminhamos alheios a
toda e qualquer
necessidade do nosso próximo.
Às vezes até
do mais próximo.

Quando a vida ou alguém nos
interrompe e nos
chama a ouvir as verdades
que precisamos ouvir,
nos recusamos,
nos sentimos invadidos,
e até nos consideramos
vítimas.

Não acha que é melhor parar?
Ouvir e analisar?

Quem sabe se na
nossa programação de vida não
estão incluídas outras obrigações com
pessoas e coisas que não estamos
querendo ver ou admitir?

Creia:
não atingimos o objetivo completo
deixando algo para trás.

Então,
se estamos adormecidos,
ouvir algumas verdades nos faz bem.
Mesmo que fira nosso orgulho
e nos melindre.

É melhor caminhar mais lentamente
e mantendo a tarefa em dia,
do que ter que voltar mais tarde para
corrigir ou buscar o que deixamos
para trás.

* * * * * *

TEXTO DE:
“Na hora exata – uma lição para cada situação”,
de Maria Cotroni Valenti,
inspirado pelo Espírito O Amigo.
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 17 de Junho de 2.010.

EU SOU FELIZ !!!

Durante um seminário para casais,
perguntaram à esposa:

"seu marido lhe faz feliz ?";
"ele lhe faz feliz de verdade ?"

Neste momento,
o marido levantou seu pescoço,
demonstrando segurança.
Ele sabia que sua esposa diria que sim,
pois ela jamais havia reclamado
de algo durante o casamento.

Todavia,
sua esposa lhe respondeu com um
"Não",
bem redondo...
Não, não me faz feliz".
Neste momento,
o marido já procurava a porta
de saída mais próxima.
Não me "faz" feliz.

Eu sou feliz".
"O fato de eu ser feliz ou não,
não depende dele e sim de mim."

E continuou dizendo:
"Eu sou a única pessoa da qual
depende a minha felicidade."
Eu determino ser feliz em cada
situação e em cada momento
da minha vida;
pois se a minha felicidade
dependesse de alguma pessoa,
coisa ou circunstância,
sobre a face da terra,
eu estaria com sérios problemas.
Tudo o que existe nesta vida
muda constantemente.

O ser humano,
as riquezas, meu corpo,
o clima, meu chefe,
os prazeres, etc.

E assim poderia citar uma
lista interminável.
Às demais coisas eu chamo
"experiências";
esqueço-me das experiências
passageiras e vivo as que
são eternas;
amar, perdoar, ajudar,
compreender, aceitar,
consolar.

Lembro-me de viver de modo eterno.
Talvez seja por isso que quando
alguém me faz perguntas como esta:
"Você é feliz no seu casamento?"
ou "Você é feliz?",
gosto de responder com apenas
uma frase,
como se esta fosse a conclusão
de todo o seminário,
como se esta fosse a chave
de toda a felicidade,
de todo matrimônio e de toda
vida humana;
gosto de responder com aquela velha
e famosa frase que ainda não
conseguimos compreender:

"A felicidade está centrada em mim".

Há pessoas que dizem:
"Hoje não posso ser feliz porque
estou doente,
porque não tenho dinheiro,
porque faz muito calor,
porque alguém me insultou,
porque alguém deixou de me amar,
porque alguém não soube
me dar valor..."

SEJA FELIZ ,
mesmo que faça calor,
mesmo que esteja doente,
mesmo que não tenha dinheiro,
mesmo que alguém tenha
lhe machucado,
mesmo que alguém não lhe
ame ou não lhe dê o devido valor.

SEJA FELIZ.

Sempre ...

* * * * * *

OBS: Recebemos esta mensagem através
do Orkut e sem autoria.
Procuramos nos sites de busca,
mas não encontramos.
Se você é o autor ou conhece quem a escreveu,
fineza enviar um e-mail para
mensagem@toninholima.com.br nos informando
para darmos os créditos merecidos
a quem a escreveu.
Obrigado, Toninho Lima.
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 16 de Junho de 2.010.

Esquecer para aprender

Fernando Pessoa,
o brilhante poeta português,
escreveu certa feita:

Procuro despir-me do que aprendi.
Procuro esquecer-me do modo
de lembrar que me ensinaram,
e raspar a tinta com que me
pintaram os sentidos,
desencaixotar minhas emoções verdadeiras,
desembrulhar-me,
e ser eu.

O poeta,
na ânsia de entender
os porquês da vida,
percebia que muito do que
nos falam, ensinam,
mostram, funciona,
aos poucos,
como camadas de tintas,
a nos encobrir,
a nos moldar.

Quantas vezes ouvimos nos dizerem:
emprego bom é emprego que paga bem,
tentando nos convencer que
o valor do salário deva ser a
preocupação número um na
nossa vida profissional.

Outras tantas pessoas
insistem em afirmar que
importante é ter,
possuir, gozar
a vida naquilo que brilha
aos olhos.

Há ainda,
os que vivem pautados
no egoísmo e autocentrismo,
cuidando para que
tudo, a princípio,
seja deles para,
em segundo momento,
ser para eles,
e em um terceiro momento,
para os seus,
jamais pensando no próximo
ou na sociedade.

Frente a tantas camadas
de tintas que insistem
em nos pintar,
há que se perguntar:
Por quais valores devo me pautar?
Como viver?
Qual a melhor bússola para me guiar?

Inevitável,
para responder a essas perguntas,
lembrarmo-nos de quem somos,
de onde viemos e para
onde vamos.

É inevitável esquecer
que somos apenas um
corpo material,
que vivemos apenas
essa existência,
e que todas as nossas
experiências estão restritas entre o
berço e o túmulo de
uma única vida.
Há que se aprender que
somos Espíritos eternos.

E para aprender de um lado,
há que se esquecer do outro.
Como nos ensina o educador Rubem Alves,
toda aprendizagem produz esquecimento.

Assim,
esqueça que lhe ensinaram
que você está aqui a passeio.
Esqueça que lhe
fazem crer que esta é sua
única experiência.
Esqueça que insistem em lhe
convencer que as coisas acontecem
por mero acaso,
sem uma ordem Divina.

* * *

É necessário esquecer
essas ilusões que vivemos,
para aprender que somos
Espíritos imortais,
rumando à perfeição,
construindo passo a passo nossa
estrada redentora
de autoiluminação.

É necessário esquecer
as ilusões que os sentidos e
a memória nos provocam,
achando que nada houve antes
do nosso nascimento.

É necessário aprender
que trazemos na nossa bagagem
emocional e intelectual
todas nossas conquistas,
felizes e infelizes,
frutos de nossas próprias
opções, sendo,
cada um de nós,
herdeiro de si mesmo.

Nesse exercício de
esquecimento dessas ilusões,
iremos aos poucos raspando a
tinta com que nos
pintaram os sentidos,
iremos desencaixotando
nossas emoções verdadeiras,
desembrulhando-nos para,
efetivamente,
vivermos como Espíritos imortais.

Viveremos como quem
não pertence à Terra,
muito embora aqui estagie
por um período,
entendendo que aqui estamos
para aprender as coisas de Deus.

TEXTO: Redação do Momento Espírita.
* * * * *
Texto lido pelo radialista, Anderson Fonseca, no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 14 de Junho de 2.010.

segunda-feira, 7 de junho de 2010

A Mariposa e a Estrela

Conta a lenda que uma jovem
mariposa de corpo frágil e alma
sensível voava ao sabor do
vento certa tarde,
quando viu uma estrela muito
brilhante e se apaixonou.

Voltou imediatamente para casa,
louca para contar à mãe que
havia descoberto o que
era o amor,
mas a mãe lhe disse friamente:
que bobagem!

As estrelas não foram feitas
para que as mariposas possam
voar em torno delas.

Procure um poste ou um
abajur e se apaixone
por algo assim;
para isso nós fomos criadas.

Decepcionada,
a mariposa resolveu
simplesmente ignorar o comentário
da mãe e permitiu-se ficar de
novo alegre com a sua
descoberta e pensava:
que maravilha poder sonhar!

Na noite seguinte,
a estrela continuava no mesmo lugar,
e ela decidiu que iria subir até o céu,
voar em torno daquela luz radiante
e demonstrar seu amor.

Foi muito difícil ir além da
altura com a qual estava acostumada,
mas conseguiu subir alguns
metros acima do seu vôo normal.

Entendeu que,
se cada dia progredisse
um pouquinho,
iria terminar chegando à estrela.
Então armou-se de paciência e
começou a tentar vencer a distância
que a separava de seu amor.

Esperava com ansiedade
que a noite descesse e,
quando via os primeiros
raios da estrela,
batia ansiosamente suas asas
em direção ao firmamento.

Sua mãe ficava cada vez
mais furiosa e dizia:
estou muito decepcionada
com a minha filha.
Todas as suas irmãs e primas
já têm lindas queimaduras nas asas,
provocadas por lâmpadas!

Você devia deixar de lado
esses sonhos inúteis e
arranjar um amor que
possa atingir.

A jovem mariposa,
irritada porque ninguém
respeitava o que sentia,
resolveu sair de casa.

Mas no fundo,
como aliás sempre acontece,
ficou marcada pelas palavras
da mãe e achou que ela
tinha razão.

Por algum tempo tentou,
mas seu coração não conseguia
esquecer a estrela e,
depois de ver que a vida sem
o seu verdadeiro amor
não tinha sentido,
resolveu retomar sua
caminhada em direção
ao céu.

Noite após noite,
tentava voar o mais alto possível,
mas, quando a manhã chegava,
estava com o corpo gelado e a
alma mergulhada na tristeza.

Entretanto, à medida que ia
ficando mais velha,
passou a prestar atenção a
tudo que via à sua volta.

Lá do alto podia enxergar
as cidades cheias de luzes,
onde provavelmente suas primas
e irmãs já tinham encontrado um amor,
mas, ao ver as montanhas,
os oceanos e as nuvens que
mudavam de forma a cada minuto,
a mariposa começou a amar cada
vez mais sua estrela,
porque era ela quem a
empurrava para ver um
mundo tão rico e
tão lindo.

Muito tempo depois resolveu
voltar à sua casa e aí soube
pelos vizinhos que sua mãe,
suas irmãs e primas tinham
morrido queimadas nas lâmpadas
e nas chamas das velas,
destruídas pelo amor
que julgavam fácil.

A mariposa,
embora jamais tenha
conseguido chegar à sua estrela,
viveu muitos anos ainda,
descobrindo que, às vezes,
os amores difíceis e impossíveis
trazem muito mais alegrias e
benefícios que aqueles amores
fáceis e que estão ao alcance
de nossas mãos.

Com esta lenda aprendemos duas coisas:
valorizar o amor e lutar pelos
nossos sonhos,
porque sabemos que é a realização
deles que nos faz feliz.

E lembremos:
O mundo está nas mãos daqueles
que têm coragem de sonhar,
e correr o risco de viver seus sonhos.
:: :: :: :: ::
OBS.:
Não encontramos autoria
do texto acima.
Se você sabe e quer nos ajudar
a dar os créditos merecidos a
quem o escreveu,
fineza nos informar através
do e-mail:
mensagem@toninholima.com.br
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 12 de Junho de 2.010.

Dores e desilusões

Não encontra resposta nas dores
que a vida traz?
Não entende o sofrimento,
nem a desilusão vivida?
Não consegue enxergar ensinamento
nas dificuldades?

É porque o tempo,
coador das emoções,
ainda não passou tudo o que
precisa ser coado,
ainda restam em você;
impressões, julgamentos,
por vezes revolta e ansiedade
que cegam a alma,
e não nos deixa ver onde erramos.

Queremos um caminho único,
feito das "nossas certezas",
das "nossas conclusões":
- o pai deve morrer antes do filho,
- o bandido deve morrer antes
do bonzinho,
- o amor deve ser eterno e meloso
para sempre,
- o filho deve obedecer aos pais,
sempre,
- os céus devem atender nossas orações,
mesmo que prejudique
outras pessoas,
- os amigos devem ser sempre fiéis,
mesmo quando erramos,
isso não importa,
- as nossas notas devem ser ótimas,
mesmo quando não estudamos,
- e por ser "dessa ou aquela religião",
deveríamos ser "escolhidos",
e viver livres das dores do mundo.

Isso sim é viver de ilusão,
é esquecer que mesmo Jesus,
em toda a sua santidade e grandeza,
padeceu os piores tormentos
do mundo,
foi humilhado, injustiçado,
assassinado e por fim,
despojado de tudo,
foi abandonado até pelos que
o seguiam,
e mesmo assim,
compreendendo a dor,
devolveu apenas o seu melhor,
devolveu amor.

Eu acredito em você.

TEXTO: Paulo Roberto Gaefke
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 11 de Junho de 2.010.

Aprendendo o perdão

Quem pensa que o perdão não
é algo que se aprende,
está enganado.
O perdão não é como o amor,
que vem de uma hora pra
outra e se instala.

O perdão não é simplesmente
uma decisão que se toma. Não.

Carregar em si o dom do perdão
é aprender a deixar de lado
ressentimentos.

Taí duas coisas que nunca
caminharão juntas:
perdão e ressentimento
são inimigos mortais e onde um
morar o outro não poderá habitar.

Primeiro,
devemos ter consciência
que de perdão todos
nós precisamos.

A falta de humildade e orgulho
demasiados nos impedem
de ver que somos necessitados
de perdão.

É normal e perfeitamente
humano ser "imperfeito".
E seres imperfeitos magoam,
ferem,
agem e dizem coisas que
atingem outros.

Saber reconhecer-se assim
tão humano e ter a coragem
de assumir é um grande passo
na direção do caminho que
o grande Mestre deseja pra nós.

Chegar para a pessoa de
quem precisamos de perdão
e transformar esse reconhecimento
em palavras é uma atitude bonita.

Nem sempre é fácil,
pois precisamos deixar de
lado nossa capa orgulhosa e dizer:
"eu errei,
você me perdoa?"

E vamos agora ao outro
lado da moeda:
é do nosso perdão que
alguém carece.

Nos magoaram profundamente
e somos nós que precisamos perdoar.
E muitas vezes queremos
sinceramente fazer isso.
Mas aí bate à nossa porta
o tal do ressentimento que fica
martelando na nossa cabeça
e alma todo o mal que
nos fizeram.

E enquanto esse estiver
presente não adianta,
por mais que amemos o outro,
o amigo, irmão,
companheiro, pais,
não conseguiremos perdoar.

Há pessoas que
conscientemente dizem
"eu não perdôo"
e vivem a vida inteira sendo
ruídos por essa doença que
mais faz mal a elas mesmas.

É enganoso pensar que não
perdoando estaremos ferindo
o outro e fazendo com que
pague o mal,
pois nos ferimos a nós mesmos,
impedindo que a ferida
se cicatrize.

A única maneira de se liberar
completamente e ter uma vida
de paz é construir em si mesmo
um poço de esquecimentos,
onde jogaremos todas as
nossas mágoas.

É um trabalho longo e
delicado e que exige de
nós paciência,
coragem, fé e, principalmente,
amor, muito amor.

Só mesmo um amor
incondicional pelo próximo
poderá extinguir do dicionário
da nossa vida a palavra
ressentimento.

Quando Jesus estava para ser morto,
Ele olhou para o céu e disse:
"Pai, perdoa-lhes."

Ele conhecia a necessidade
e incapacidade humana de
reconhecer os próprios erros.

Ele intercedeu a favor dos
que o matavam e tenho a íntima
convicção que intercede por
nós a cada instante.

Mas é tempo de acordar e crescer.
É tempo de evoluir.
As pessoas que se recusam a aprender
ficam sempre pequenininhas.

Se você acha que
é incapaz de perdoar,
olhe para o céu.
Nossa alma estaria perdida
se Deus fosse incapaz de perdoar.

Receber perdão é ser agraciado;
dar perdão é dar a graça.
Só as grandes almas são
capazes de grandes e
nobres atitudes.

A essas pessoas Deus aprova.
E tenho certeza que nesses
momentos Ele sorri,
feliz.

TEXTO: Letícia Thompson
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 10 de Junho de 2.010.

Renascer

E se hoje eu fizesse um convite
para nascer de novo?

E se fosse hoje o dia
de recomeçar uma nova vida?

Não pense que você está velho demais,
vivido demais,
que é tarde demais.
Velho não é quem tem muita idade,
mas quem pensa velho,
quem não quer mudar,
quem se acomoda.

Quem pensa que nasceu assim
e vai morrer assim.

Podemos ser velhos com pouca idade,
com a alma enrugada.

Às vezes é necessário
se despir da velha carcaça e
vestir roupa nova.
Se dar novas oportunidades.
Uma nova chance.
Isso pode ser tremendamente dolorido.
Porém é um alívio imenso
quando conseguimos!

Carregamos durante tantos anos
nossos conceitos,
idéias e preconceitos,
que isso se molda ao nosso corpo.

E quando precisamos nos liberar,
é impossível que uma parte
da gente não saia junto,
é impossível não doer e
não sangrar.

Jesus disse que deveríamos
nascer de novo.
Mas Ele não acrescentou
que seria fácil.

Nascer de novo não quer dizer
voltar a ser pequeno,
mas voltar a ter a humildade
e simplicidade de uma criança
para se ter mais fé,
mais confiança,
mais coragem.

É voltar a acreditar no que
o mundo acabou nos
roubando com tanto
materialismo.

Nascer de novo quer dizer recomeçar,
reaprender a andar,
vacilante, talvez,
no início,
mas cada vez mais firme
e seguro até que nossas
pernas suportem
nosso corpo e nos dêem equilíbrio.
É cair e se levantar cada vez com
paciência e perseverança.

Nascer de novo quer dizer
"se dar uma nova chance."
Dar-se um presente a si mesmo.
Tentar,
pelo menos uma vez na vida,
ser realmente feliz.

Tudo isso não é utopia,
é uma realidade.
Mas uma realidade para
aqueles que acreditam.
"Eu posso,
porque a bíblia diz que eu posso."
Jesus nunca mentiu.

Se Ele disse:
"necessário vos é nascer de novo"
é porque não só é
necessário, mas possível.

É possível sermos pessoas melhores.
Não sozinhos,
mas nunca estamos sozinhos
se temos Deus ao nosso lado.

Então, hoje,
quando o dia amanhecer,
amanheça com ele.
E quando o sol se pôr,
se ponha com ele.
Renasça cada dia um
pouquinho mais.

Libere-se do que te faz mal
e aproveite mais das coisas
que te dão felicidade.

Seja jovem no seu coração
e vista uma roupa nova.
Olhe-se no espelho.

Se todo mundo decidisse mudar,
o mundo mudaria também.
Comece fazendo a sua parte.
Quando as pessoas notarem
coisas positivas acontecendo
na sua vida,
vão sentir vontade de
mudar também.

E quem sabe não será você o
primeiro elo de uma grande
corrente que vai tornar a
humanidade mais feliz?

Que seu dia seja lindo!

TEXTO: Letícia Thompson
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 09 de Junho de 2.010.

Dos dias que deixamos passar

Dos dias que deixamos correr…
Quase sempre falamos da
alegria da vida,
como se a tristeza não existisse,
como se a dor
fosse sempre passageira,
e por vezes,
assumimos até a mentira,
como se fosse a realidade
verdadeira.

Não somos preparados
para a dura realidade,
desde o ventre
somos preservados,
e até o mais abandonado,
encontra sempre um que diz:
oh! coitado.

E assim seguimos a vida,
acreditando no
que desejamos acreditar.

Quando crianças,
a fada dos dentes,
o “homem do saco”
e Noel com seus presentes.

Vamos crescendo
cercados de ilusão,
deixamos brotar o
amor ou ódio,
tudo dependendo
da ocasião.

Ás vezes sem
nenhum motivo,
vivemos quase que
sem razão.

Eis que a Vida,
sábia professora,
nem sempre tão alegre
e nem tão sutil,
vem com uma dura lição,
que nos faz perder o chão,
é o amor que nos magoa,
a morte que nos leva alguém,
a doença que nos incapacita,
a fé que não move nem areia,
que dirá montanhas.

Então sofremos,
não cremos.
Choramos,
não nos consolamos.
Lamentamos,
não nos aceitamos.
Ficamos cegos,
blindados em nossas crenças.

Até que um dia,
trocamos a dor pelo amor,
o medo pela sede de aprender,
a descrença pela fé racional,
então,
já não esperamos mais,
nos tornamos senhores
do nosso destino,
deixamos de ser vítimas,
largamos o menino,
crescemos e nos
tornamos realizadores.

Os vencedores se
formam assim,
na certeza de que
nenhuma dor é maior
que a nossa
capacidade de lutar.

Que tudo
pode ser transformado,
que nenhum sonho é impossível,
até que seja tentado e
testado muitas vezes.

E é assim,
que vencemos até a morte,
perpetuando nossa lembrança,
que é muito forte,
na eternidade do tempo,
que no fundo, no fundo,
é uma eterna criança,
perdida no mundo.

Acredite em você!

Não se abata,
nem se deixe desanimar.
Ainda há nas mãos,
dedos e força,
capazes de transformar,
desde que você ouça,
o conselho que o próprio tempo
vem lhe dar:
- Nunca deixe de lutar!

Eu acredito em você

TEXTO: Paulo Roberto Gaefke
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 08 de Junho de 2.010.