domingo, 31 de maio de 2009

E s p i n h o s

Vemos o mundo sempre de maneira
plana e Deus vê o mundo por um todo.

Para o que não entendemos,
procuramos explicação para que
haja em nós satisfação.

E nesse olhar torto que temos da vida,
nos enganamos quando nos
colocamos de lado,
separamos as pessoas como
abençoadas ou não,
merecedoras ou não de felicidade.

Uma parte mínima das pessoas
não aceita esse destino todo feito
e tenta mudar a situação.
Porém uma grande parte baixa a cabeça,
numa atitude de resignação.

Deus não coloca as pessoas
nas mesmas categorias que nós.
Pessoas abençoadas para Ele
não são as que nunca ficam doentes,
nunca enfrentam provações,
nunca se sentem
rejeitadas ou culpadas
e parecem ter uma vida tão
perfeita que causam inveja.

Jó perdeu tudo e foi abençoado!!!

O apóstolo Paulo foi um homem abençoado.
Deixou palavras,
combateu o bom combate e até
os dias de hoje nós somos
beneficiados com seus ensinamentos.

Portanto,
ele fala de um espinho,
de algo que o incomodava e do
qual queria se livrar.
Quando ele se foi,
carregou com ele esse espinho.
O importante,
como nos ensina,
é que apesar de tudo guardou a fé.

Nós temos também nossos espinhos,
cada um com o seu ou seus,
que servem apenas para nos
lembrar do quanto somos humanos.

Podemos ter muito mais
certeza do amor das pessoas que
nos amam apesar das nossas
imperfeições que do amor daquelas
que nos amam pelas nossas qualidades.

As primeiras vêem as qualidades
e aceitam as diferenças,
as outras correm o risco de se
decepcionar dia ou outro.

Mas Deus,
esse mesmo Deus que amou Paulo,
nos ama incondicionalmente
e nos abençoa.
Ele nos ama se estamos doentes,
se estamos carentes,
nos sentimos sós e até se o
desespero quer ficar maior
que nossas forças.

Ele nos ama independente
da nossa estatura,
condição física ou personalidade.

Não podemos ver nossos
espinhos como maldições,
mas como algo que não
impede nossa beleza,
não impede que sejamos inteiros,
sorridentes e felizes e alguma
coisa boa e positiva na
vida de alguém.

Ame-se o bastante para acreditar
que você pode ser amado
apesar de ser quem é,
de ter o que tem.

Os espinhos não deformam as rosas,
eles as tornam ainda mais belas,
misteriosas e fascinantes.

Cuide-se e nunca desista da felicidade,
não veja o mal como uma fatalidade,
combata-o com amor e se ele ainda ficar,
ame-se ainda e assim mesmo,
porque Deus te ama assim,
com seus defeitos, suas doenças,
seu sentimento de abandono.

Saber que somos amados
renova nossas forças,
levanta nosso ânimo,
nos abre portas e caminhos.

Somos todos bênçãos quando
damos a mão,
compartilhamos do pouco
que temos e do muito que
desejamos e nos vemos
de igual para igual.

Somos todos abençoados,
mesmo se nosso caminho
é feito de pequenas pedras
que machucam nossos pés.

O importante mesmo é que elas
não nos impeçam de caminhar.

TEXTO: Letícia Thompson
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 30 de Maio de 2.009.

quarta-feira, 27 de maio de 2009

Há um jeito que é só seu...

Há um jeito que é só seu,
de semear o bem.
Se tem sabedoria para falar,
fale!
Há pessoas precisando de
quem lhes rasque novos horizontes.

Se tem o dom de ouvir,
ouça!
Há pessoas precisando falar para
reogarnizar os pensamentos e sentimentos.

Se tem o dom de enxergar
os talentos alheios,
enalteça-os!

Há pessoas que desabrocham
por conta de alguém que lhes
reconheça um dom.

Se tem discernimento o bastante para
fazer uma observação construtiva,
faça-a!
Há pessoas persistindo
no mesmo erro,
por falta de alguém que as alerte
com carinho e firmeza.

Se você não tem vocação para
engajar-se em movimentos filantrópicos
de grande alcance,
tenha em mente que o maior bem a ser
semeado começa dentro do seu lar.

Oferte a sua canção,
a sua poesia,
a sua hospitalidade,
aquele prato que ninguém
sabe fazer igual.

Oferte a sua diplomacia,
a sua liderança ou a sua
capacidade de atuar em
segundo plano para
o bem comum.

Oferte o seu talento para contar
piadas e fazer rir.
A sua ternura natural no trato
com crianças,
idosos ou animais.

A sua capacidade de manter
o sangue frio
nas horas de crise,
quando todos emsua volta desabam.

A sua santa paciência de permanecer
num hospital ao lado de um
enfermo terminal,
ou de varar a noite num velório,
naquela hora crítica em que
todos vão embora.

Há um jeito que é só seu e todo seu,
mesmo que seja ofertar uma flor
sem ser dia de nada.

Mesmo que seja afagar as folhas
de uma árvore,
cantar junto com o seu canarinho,
alisar o pelo de seu bichinho de estimação,
aquele que você salvou da enxurrada.

Mesmo que seja uma prece sincera feita
no silêncio do seu quarto.
Na contabilidade divina,
pouco importa se o seu jeito
de semear o bem
alcançar uma criatura
ou milhões de criaturas.
Você está fazendo a sua parte,
de um jeito que é só seu.

É só isto que realmente importa!

TEXTO: Fátima Irene Pinto *
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 28 de Maio de 2.009.

segunda-feira, 25 de maio de 2009

PERGUNTE E NÃO RESPONDEREMOS

Demore na dúvida e descubra a sabedoria
que insiste em esconder na ausência de palavras.
Nem sempre a resposta está pronta.
Há uma beleza na dúvida que vale a pena ser apreciada.
Forjar a resposta antes do tempo é a mesma
coisa que colher frutos verdes.

Responder perguntas é fácil.
Difícil é ensinar a conviver com as dúvidas.
Viver para responder cansa.
Sentimo-nos na obrigação de dar resposta para tudo.
Não sabemos dizer que não sabemos,
insistimos em falar de coisas que não acreditamos,
só para não termos que enfrentar o desconcerto do silêncio.
Falamos porque não suportamos a
ausência de respostas.

Talvez seja daí,
que muitas pessoas vêm buscando respostas como;
“Por que sofremos?
Por que as pessoas boas sofrem tanto?”.

A dor em nossa vida gera muitas perguntas,
principalmente quando a morte bate em nossa porta.
Existem dúvidas que nem mesmo a religião
consegue responder.
Jesus ensinou aos seus discípulos a conviver
com a dúvida criativa,
nem sempre Jesus dava resposta pronta.
Maria também guardava tudo em seu coração,
mesmo sem entender.

Conviver com a dúvida é uma forma
interessante de construir respostas.
O sofrimento de agora,
geram ensinamentos que só poderão
ser recolhidos amanhã.
Nisso consiste a beleza da religião;
ajudar a conviver com a dúvida,
nutrir a esperança que não nos deixa esmorecer,
preparar o coração para os tempos
reservados para o silêncio da existência.
O silêncio faz parte da existência do homem.

A vida não é feita de só de dúvidas,
pois o cristianismo tem respostas belíssimas,
mas há dúvidas que só serão
respondida ao longo da vida,
e ainda outras dúvidas,
que nem a vida responde,
só o Céu poderá responder.

Respostas não caem do Céu,
mas são geradas no processo histórico
que o ser humano realiza.
Viver é maturar,
amadurecer, é superar horizontes,
acolher novas possibilidades e descobrir
respostas onde não imaginamos encontrar.
A dúvida de hoje pode ser a certeza do amanhã.

Trechos do texto
"PERGUNTE E NÃO RESPONDEREMOS"
de Padre Fábio de Melo
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 26 de Maio de 2.009.

quinta-feira, 21 de maio de 2009

O SOL DA ESPERANÇA

Por vezes,
a vida nos oferece maus momentos.
Sofrimento,
lágrimas e infelicidade nos visitam
e nos sentimos desesperançados e infelizes.

Nesses momentos amargos,
em que a alma dolorida se volta
para Deus e indaga
“Por que passo por essas provações?”,
é a hora em que devemos lembrar
de uma palavra luminosa:
a esperança.

Narra a tradição grega que
uma jovem chamada Pandora recebeu
uma bela caixa com a recomendação
de jamais abri-la.

Mas Pandora era curiosa e desobediente.
Ao abrir a caixa,
ela liberou todos os males,
misérias e sofrimentos no Mundo.
Desesperada, Pandora chorou.
Mais tarde, viu que,
após saírem todas as mazelas,
havia ficado, no fundo da caixa,
a esperança.
Brilhava sozinha a esperança
- um fiozinho de luz que pulsava.

Mas que poder possuía!
O mito de Pandora deve ser
refletido profundamente,
em especial quando estamos
atravessando momentos difíceis.

Observe que,
na lenda grega,
é um ato da própria Pandora que
liberta os males do Mundo.

Na nossa vida não é muito diferente:
em geral,
somos nós mesmos que,
de alguma forma,
provocamos muitos males
que nos atingem.

Por isso,
cada momento difícil é uma
oportunidade de meditarmos
e analisarmos qual foi a nossa contribuição
para aquela situação.

No entanto,
a lenda de Pandora vai além:
ela mostra que
– apesar da gravidade dos sofrimentos –
não estamos completamente sós:
há uma luz posta por Deus para nos
consolar e devolver o brilho em nossos olhos.

Essa luz é a esperança.

Esperança que restaura as forças,
reequilibra o coração,
acalma as emoções.

A esperança é a mão generosa
que acende a luz quando estamos
mergulhados na treva profunda.
É medicamento quando nos
contorcemos em dores.

Esperança é canção suave,
que nos acalenta quando nos
sentimos desamparados.
É um olhar de compaixão no instante
em que o Mundo nos rejeita.

A esperança nasce de gestos
de generosidade,
de atitudes espontâneas,
de palavras corretas.

Mas não se habitue apenas
a esperar que a esperança venha
gratuitamente se aninhar no seu coração.

Abra as portas da alma para ela!

Para isso,
é necessário educar o coração.
A esperança é como um
visitante importante.
Devemos nos preparar adequadamente
para recebê-la.
A primeira atitude é retirar
a poeira do pessimismo.

Depois,
varrer as sujeiras acumuladas
pela mágoa.
Essas sujeirinhas têm vários nomes:
rancor, maledicência,
desejo de vingança.

Em seguida,
com a casa mental bem limpa,
é hora de perfumá-la com bons pensamentos,
sorrisos,
serenidade e otimismo.

Então,
quando menos se espera,
eis que chega a esperança.
Viaja em uma carruagem dourada,
espalha flores pelo caminho
e se instala no Espírito fazendo festa.

É uma presença tão forte,
tão bela,
que transforma de imediato
o ambiente em que se hospeda:
impregna a alma de coragem
e de alegria.

Esperança é um sol que nasce
após uma longa noite escura.
Chega trazendo calor e a luz
dourada de um dia cheio de
boas realizações.

Ela aponta, firme,
para um futuro radioso.
Basta recebê-la.

TEXTO: Equipe de Redação do Momento Espírita.
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 22 de Maio de 2.009.

terça-feira, 19 de maio de 2009

A PERDA

Lidar com a perda é um dos mais
difíceis desafios para o ser humano.

A perda através da morte é uma
experiência extremamente difícil,
mas como tem uma ligação direta
com o conceito de destino,
de algo que sabemos
ser um desígnio que está acima de nós,
buscamos, apesar do sofrimento,
o caminho da aceitação.

A perda através do abandono
ou da rejeição mexe com algo essencial,
que é nossa auto-estima.

De algum modo,
sempre buscamos encontrar uma
justificativa em nós,
como se não tivéssemos sido
suficientemente bons,
não tivéssemos suficientes qualidades
para manter alguém ao nosso lado.

Mudar esta crença
exige de nós a consciência
de que os processos internos que
o outro vivencia
fogem ao nosso controle.

Liberdade e
manutenção da individualidade
são duas qualidades fundamentais
para que um relacionamento dê certo.
Se não houver um compromisso
verdadeiro de ambas as partes para
que isto aconteça,
torna-se difícil estabelecer
algo duradouro.

Quando amamos alguém e
perdemos essa pessoa,
a dor cria em nós uma
espécie de couraça defensiva,
que muitas vezes dificulta
a abertura para
uma nova experiência,
por mais que a desejemos.

A saída é meditarmos permanentemente
sobre o poder curativo do amor,
ou seja,
aquele velho ditado de que
a dor de um amor se supera
com um novo amor, é sim,
muito verdadeiro.

Mas para isso,
é necessário que estejamos
plenamente abertos para
receber esse amor que a
existência nos reserva.
Se não nos permitirmos
aceitar e valorizar
cada manifestação amorosa
que o mundo nos ofereça,
estaremos perdendo a chance
de um renascimento e do reencontro
com a felicidade.

A vida é mágica e os seres humanos,
em sua multiplicidade,
constituem uma de suas maiores riquezas.

Quando estamos abertos
e disponíveis para
deixar que o novo, o inesperado,
aconteça em nossa vida,
o Universo sempre nos responde
de forma inequívoca.

Dar e receber são dois lados de
uma mesma moeda.
Quanto mais amor,
empatia,
afeição e generosidade
doarmos ao mundo,
mais receberemos em troca,
amor e felicidade.

TEXTO: Elisabeth Cavalcante
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 20 de Maio de 2.009.

domingo, 17 de maio de 2009

Erramos para acertar

Todos erramos querendo acertar.
Excepcionalmente,
algumas pessoas podem cometer
erros conscientemente,
mas ainda assim buscam a felicidade,
de forma desesperada,
mas buscam.

A solidão e carência afetiva
deixam a alma aberta a muitas
portas que em outras
ocasiões manteríamos fechadas.
Deixa-nos acessíveis,
frágeis e crédulos.
O feio pode tornar-se bonito e agradável;
o proibido, irresistivelmente atraente.

Achamos desculpas para convencer
os outros e nem sempre
convencemos nosso coração.

Mas insistimos...

Acontece de cometermos
erros imperdoáveis,
não aos outros, mas a nós.
Esses mesmos erros que nos
fazem querer não ter existido
por um momento,
querer apagar da memória e do tempo,
desaparecer,
ou chorar até que as lágrimas
lavem todas as nossas culpas,
mas sabemos que,
quaisquer que sejam nossas tentativas,
elas serão em vão.

E aprendemos com os primeiros erros?

Ah,
não... tentamos ainda e ainda
nessa busca incessante
pela felicidade...

Nos cegamos voluntariamente,
sem termos consciência do quanto
isso pode nos custar,
do quanto pode doer,
das penas que podem nos causar.

Ah!...
As más decisões não têm retorno,
os gestos cometidos não têm volta
e as palavras ditas se foram.
O que escrevemos, escrevemos,
por onde andamos
e não é nos agarrando a esses
detalhes que seguiremos em frente.

É justamente quando conhecemos
nossos erros e nossas culpas que
os evitaremos depois.

Sei que isso nem sempre acontece,
senão não cometeríamos duas ou três
vezes os mesmos desenganos,
mas um dia aprendemos.

Aprendemos que todo mundo erra,
todo mundo acerta,
todo mundo se arrepende e quer voltar atrás;
todo mundo chora algo perdido
ou uma decisão errada;
todo mundo já se sentiu a pessoa
mais infeliz e pequenininha em
um momento ou um outro e quis
esconder-se até de si mesmo.

Aprendemos que a vida tem curvas,
laços, boas e más intenções,
campos floridos e terras desertas;
aprendemos que para se viver é preciso
saber perdoar-se a si mesmo,
sem porventura deixar de tirar
as lições do que se vive.

Ser maduro,
completo e sábio não é ser infalível.
O mundo é feito de seres humanos,
corações e sentimentos e não
de super-heróis.

Ser maduro é buscar o melhor
do que vivemos,
acreditar que Deus perdoa falhas,
compreende nossas buscas e nos
reconforta a cada queda.

Ser maduro não é evitar
as flores que têm espinhos,
mas redobrar de cuidado ao colhê-las,
conhecer os perigos e não se deixar
dominar pelo medo;
é viver,
consciente de que se não
andamos não chegamos a lugar
nenhum e se erramos temos
direito sim a uma segunda,
mesmo uma terceira chance.
Porque nada há mais no mundo
que Deus deseje do que
a nossa felicidade.

# # # # #

COMENTÁRIOS DA AUTORA

Os momentos mais bonitos da minha vida
foram tantos que eu não poderia numerá-los.
Eles existiram,
ao ponto que muitas vezes pensei que
morreria de felicidade.
E também existiram aqueles momentos
de grande tristeza onde eu preferia não existir.
Sou uma exceção?
Não, absolutamente não.

A vida é muito igual para todos nós,
que a vivemos de forma diferente,
segundo nossa personalidade.
Não existem pessoas infalíveis
e eu duvido que os que dizem que
não se arrependem de nada do que
fizeram na vida sejam honestos
consigo mesmos.
Na ânsia de buscar a felicidade
as pessoas tropeçam muitas vezes:
elas ferem-se, ferem aos outros,
ferem o coração de Deus.
Culpamos às vezes nossa
natureza pecaminosa,
mas isso não nos desculpa,
não desculpa o fato de não tentarmos
evitar os perigos e armadilhas.

Nosso pior juiz é nosso coração;
a maior condenação é aquela que
aplicamos a nós mesmos.
De nada serve ser perdoado
pelo mundo se não perdoamos nossa alma.
Temos o direito de errar e temos
o direito de querer acertar.

Deus não nos condena,
Ele apenas sofre quando sofremos
e abre-nos a porta a novas possibilidades.

Podemos fazer de nós mesmos
seres melhores a cada dia,
mais fortes,
mais maduros e experimentados.
Podemos aceitar a idéia de que nossos
erros nos tornam seres mais vividos,
sofridos talvez,
mas jamais perdidos.

TEXTO e COMENTÁRIOS: Letícia Thompson
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 16 de Maio de 2.009.

quinta-feira, 14 de maio de 2009

Reconforto...

Não cai não,
levanta a cabeça vai!
Não importa o que aconteceu de ruim
com você nos últimos tempos.
O importante é que você está aqui.

Mesmo que tenha terminado um
longo relacionamento,
mesmo que tenha sido muito difícil,
mesmo assim:
sobrou você!

Não importa se você não está com
sorte nos negócios,
você ainda esta aqui e pronto para
recomeçar com uma grande vantagem:
já sabe onde não errar,
o que você aprendeu com o "fracasso"
é valioso demais,
aproveite.

As desfeitas,
as humilhações já passaram,
quem realmente se importa com
você está do seu lado,
aqueles "amigos"
que foram embora talvez nem fossem
tão amigos assim,
agradeça a Deus essa seleção natural,
pelo menos você sabe
com quem contar.

Está desempregado(a) e já faz algum tempo?
Olha a oportunidade de se reciclar,
estudar,
abrir um negócio próprio quem
sabe até ficar rico,
afinal quem trabalha de empregado
tem garantias de salário,
mas tem limites de ganho,
de cargo, de motivação.
Aproveita essa chance,
tudo é oportunidade,
agarre a sua!

Está deprimido(a), sem ânimo?
De quem é a culpa?
Isso não importa,
o que realmente interessa é você
quer se levantar?
Quer ser feliz?

Levante-se!

Abra as janelas da sua vida,
escancare as portas da tristeza e deixe
o sol da alegria entrar
e aquecer seu coração.
Feche os olhos sinta os anjos ao seu
redor loucos para recomeçar com você.
Devolva a você mesmo a
vontade de ser feliz.

Esta sozinho(a),
sente falta de companhia?
Suas noites são vazias,
os dias são sem graça?
Abrace a causa do mestre Jesus,
divida seu calor com milhares
de órfãos desse país,
divida sua energia e alegria com
os milhares de "idosos"
em centenas de abrigos espalhados
por este mundo.
Tem tanto trabalho a fazer que nunca mais,
eu garanto,
você terá uma só noite vazia,
seu coração será chama e atrairá amor...
você será o próprio amor.

Como é bom acreditar na vida,
na justiça divina, no ser humano,
na beleza do amor universal,
na compaixão, no Cristo vivo,
nos seus anjos e em você.
Compartilhe a sua vida,
não queira ser uma ilha,
seja um continente inteiro,
não tenha medo de errar,
isso faz parte do grande
milagre que é a vida!
Seja feliz na simplicidade de acordar
e lutar por um dia de sol.

Eu, mais do que nunca,
continuo acreditando em você.

TEXTO: Paulo Roberto Gaefke

* * * * *

Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 15 de Maio de 2.009.

terça-feira, 12 de maio de 2009

A certeza

A certeza é a sua melhor
arma para vencer.
Diante daquele que carrega
uma certeza de sucesso,
não há empecilhos,
barreiras ou portas fechadas,
os imprevistos são previsíveis,
e até a queda
é mais facilmente suportada,
pois quem carrega uma
certeza de vitória,
já é por si mesmo um vencedor.

Então,
despreze os velhos conceitos,
esqueça-se do que disseram
sobre sua capacidade,
quem sabe melhor de você,
é você mesmo.
o que são 10 anos diante da
realização de um sonho?

Esforce-se um pouco mais,
deixe de ser imediatistas,
estude, converse,
informe-se e mantenha-se no páreo,
ainda que em último lugar,
você está na corrida,
ainda que com um jogo menor,
você está na aposta,
ainda que com um curriculum mais fraco,
você está na seleção,
ainda que todos digam não,
você tem que dizer sim!

*A certeza que você deve
carregar em seu peito*
é que você é fruto de uma conquista,
você venceu milhares na batalha pela vida,
e se chegou até aqui, pode apostar,
não foi para perder, nem para sofrer,
mas para sentir o doce sabor da vitória.

*Sorria!*

Deus te ama profundamente,
a vaga na vida é sua;
você nasceu para brilhar,
então, brilhe!
*Com certeza você vai chegar lá!*

Eu acredito em você

TEXTO: Paulo Roberto Gaefke
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 13 de Maio de 2.009.

segunda-feira, 4 de maio de 2009

Curando a Depressão

Será que não foi você que se abandonou?

Quando você tira
o telefone do gancho a vida o chama,
mas a ligação não se completa.
Essa é uma grande notícia,
porque significa
que você está na situação
em que se colocou,
portanto,
tem o poder de modificá-la.

Para sair do vitimismo,
você precisa aceitar que
tudo que acontece em sua
vida é de sua inteira
responsabilidade,
consciente ou inconscientemente.

Ser feliz implica na
capacidade de aceitar humildemente
os momentos mais difíceis,
procurando a aprendizagem que
a situação dolorosa
revela nas entrelinhas.

Pergunte-se:
Para que estou sofrendo tanto?
O que a vida está tentando me dizer?
Como posso recuperar as rédeas da minha vida?

Não hesite,
em buscar ajuda qualificada,
de um profissional na área da saúde,
para acompanhá-lo e orientá-lo
em direção à cura.

Quando você busca ajuda,
está colocando em
movimento a inteligência e o amor
que existe em você,
iniciando a conexão
consigo mesmo,
com a vida, com Deus.

Sentir-se merecedor de ajuda,
acreditar que merece ser feliz,
são condições indispensáveis
para visualizar e alcançar a Luz
no fim do túnel.

Tudo é uma questão de ótica.

Escolha hoje
olhar a vida de uma outra maneira,
com boa vontade e compaixão por
você e por aqueles que o rodeiam.

Procure sair de casa,
tomar sol e alimentar-se adequadamente.
Faça caminhadas,
evitando andar em círculos,
pois sua mente impressionável
pode interpretar
isto como incapacidade de atingir meta.

Ouça músicas alegres, dance,
movimente a energia do corpo.
Evite livros,
filmes e novelas repletos
de dramalhões que possam aumentar
o seu vitimismo.

Procure a companhia
de pessoas de bem com a vida
e que nutram afeto por você,
para conversar ou compartilhar carinho.
Evite roupas e lugares escuros e sombrios.

Visualize diariamente a energia verde das plantas,
subindo pelos seus pés
e se distribuindo ao longo do seu corpo,
trazendo muita vitalidade;
e ainda muita luz dourada,
entrando pelo topo de sua cabeça,
descendo e iluminando
cada célula do seu corpo.

DIGA A Si PRÓPRIO:
Sinto o calor da minha alma em
cada célula do meu corpo.
Meu corpo vibra em
uníssono com a minha alma,
com a força da vida. Coloco
minha força de amor e inteligência
em tudo que eu faço,
na minha casa, na minha vida pessoal,
no meu trabalho.

Eu mereço, Eu quero, Eu posso, Eu sou!

TEXTO: De "A Busca" - Lúcia Helena Cortez
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 05 de Maio de 2.009.

sábado, 2 de maio de 2009

A beleza interior

Seria hipocrisia de nossa parte dizer que
as aparências não contribuem nesse mundo
onde a imagem funciona como um cartão de visitas:
é o que se vê em primeiro lugar,
o que chama a atenção ou provoca,
de imediato,
uma reação positiva ou contrária.

Ignorar fatores da realidade que vivemos
não nos faz melhores,
mais humildes, humanos ou sábios.

Saber cuidar de si com o mesmo
carinho e atenção com o qual cuidamos das coisas
que mais amamos é sinal de sabedoria.

O que não podemos e devemos evitar é que as aparências
nos enganem e maquiem as verdadeiras belezas
que estão no interior de cada um.

Aquelas coisas tão especiais e essenciais
que só podem ser vistas quando abrimos os olhos
do nosso coração e da nossa alma.

É quando vemos através das aparências
e penetramos no eu de cada pessoa que
percebemos as riquezas que se escondem,
que as conhecemos verdadeiramente.

Aprendemos com a vida que as aparências
não somente enganam ou
criam idéias falsas e preconceitos,
mas que com o tempo elas se apagam.

A beleza exterior não é eterna.

Mas a que vem do interior não cria rugas,
a terra não consome e se ela deve se modificar
é para ficar ainda mais aprimorada
com a idade e as vivências.

A bondade, o altruísmo,
o amor que nos torna compreensivos
e tolerantes são belezas invisíveis,
mas tão enriquecedoras que tornam o mais
comum e simples dos mortais em um ser excepcional.

Talvez seja por isso mesmo que,
segundo a Bíblia,
Jesus veio da forma mais simples e fisicamente
não possuía atrativos.

Tudo o que nos deixou e ensinou perdura até hoje,
ficará amanhã e ainda por séculos e séculos.
E só aqueles que foram e são capazes
de ver através das aparências é que souberam
amá-lo de todo coração,
de toda alma e de todo entendimento.

Só os que entendem isso nos dias atuais
é que podem crescer em sabedoria,
dão-se aos outros sem contar e se dirigem,
passo a passo,
na direção dos braços do Pai.

* * * * *

COMENTÁRIOS DA AUTORA

A efemeridade de todas as coisas está em toda parte.
Tentamos, muitas vezes,
segurar desesperadamente em nós as coisas
que não queremos que nos escapem,
pois as julgamos especiais e essenciais ao nosso viver;
precisamos delas para nos sentirmos
felizes e invariáveis vezes,
completos.
Mas o vento carrega as folhas,
arranca flores e nem sempre sabemos segurar
junto do nosso coração o bem ao qual nos apegamos.
Percebemos assim que na vida tudo é passageiro,
o presente é importante e as oportunidades
que perdemos hoje poderão não se repetir amanhã.

Os que tomam consciência real dessas
coisas vivem melhor e mais,
amam mais e mais intensamente,
dão de si sem pedir e se contentam
de cada nascer e pôr-do-sol,
agradecendo diariamente por mais um dia recebido.
E um belo dia, talvez sós,
poderão se dizer:
"eu amei intensamente e vivi intensamente
cada instante que me foi dado e agora
posso viver de lembranças,
posso rir sozinho com a sensação
de nunca estar só e tenho a paz no coração
da esperança de um reencontro,
só possível aos que crêem."

As coisas essenciais ao nosso viver nossas mãos não tocam,
nossos olhos não vêem e não podemos contabilizar.
Elas fazem parte das riquezas espirituais,
que vão além das aparências,
vivem muito depois de terem partido,
se apegam à nossa pele como os perfumes mais caros,
são indestrutíveis e se agarram às paredes do nosso coração.
Elas vivem eternamente em nós.

Não é a primeira vez que falo sobre o efêmero.
Mas o grande acontecimento falado
na mídia durante toda a semana me fez pensar
mais uma vez sobre o assunto.
Quantas coisas bonitas deixamos passar,
não ouvimos e não sentimos,
só porque nossos olhos físicos foram superiores
aos olhos da nossa alma?
Quanto de belo perdemos?
Quantos amigos deixamos de fazer,
quantas horas deixamos de viver?
Apostamos no visível,
no palpável e confiamos demais na nossa percepção,
primeira impressão.
Quantas belezas estão escondidas assim
através do mundo pedindo às vezes apenas
uma pequena oportunidade?

Antes de julgarmos o que quer que seja,
devemos abrir nosso coração e deixar de
lado nossos preconceitos.
O que o vento não carrega é muito mais
importante que todo corpo bonito,
que todo rosto sem imperfeições.
Vejam as flores que enfeitam nossos jardins hoje!
Amanhã já não mais estarão,
mas a beleza que preencheu nossas horas
nos farão sonhar por muito e muito tempo.
Há coisa mais linda que isso?

TEXTO E COMENTÁRIOS: Letícia Thompson
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 02 de Maio de 2.009.