domingo, 29 de agosto de 2010

Virada

Assim como
basta o tempo mudar,
para muita gente
pegar um resfriado,
basta uma mudança
no vento para
o furacão se acalmar,
uma chuva forte para o
incêndio se acabar,
e a mesma chuva que inunda,
é a que permite a plantação.

Em poucos segundos,
o homem é afetado pela natureza,
pela força do que
chamamos de destino,
assim,
a longa noite escura
dos desesperados,
é acalmada com os
primeiros raios de sol,
assim como o casal
apaixonado se alegra,
quando finalmente a noite chega
para se encontrarem.

Tudo pode mudar
nos próximos minutos,
mas é preciso estar preparado,
é preciso se manter bem,
assim, a noiva abandonada,
pode encontrar um novo amor,
o desempregado,
um novo e melhor emprego,
o endividado,
uma porta que se abre,
grande e larga,
o desenganado pela medicina,
um novo remédio,
e para os que nem
conseguem mais ver a Luz,
resta sempre a benção da oração,
caminho seguro que nos
leva a serenidade,
estrada direta até Jesus.

Ainda hoje,
seus maiores
problemas poderão
estar resolvidos,
sem a sua participação,
por isso,
antes de desesperar-se,
segue confiante,
com fé,
esperança e amor.

TEXTO: Paulo Roberto Gaefke
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 04 de Setembro de 2.010.

O CAVALINHO E A BORBOLETA

Esta é a história de duas criaturas de Deus
que viviam numa floresta distante há
muitos anos atrás.

Eram elas,
um cavalinho e uma borboleta.
Na verdade,
não tinham praticamente nada em comum,
mas em certo momento de suas vidas se
aproximaram e criaram um elo.

A borboleta era livre,
voava por todos os cantos da floresta
enfeitando a paisagem.
Já o cavalinho, tinha grandes limitações,
não era bicho solto que pudesse viver
entregue à natureza.

Nele, certa vez,
foi colocado um cabresto por alguém
que visitou a floresta e a partir daí sua
liberdade foi cerceada.

A borboleta, no entanto,
embora tivesse a amizade de muitos
outros animais e a liberdade de voar
por toda a floresta,
gostava de fazer companhia ao cavalinho,
agradava-lhe ficar ao seu lado
e não era por pena,
era por companheirismo,
afeição,
dedicação e carinho.

Assim, todos os dias,
ia visitá-lo e lá
chegando levava sempre um coice,
depois então um sorriso.

Entre um e outro ela optava por esquecer
o coice e guardar dentro do seu
coração o sorriso.

Sempre o cavalinho insistia com a borboleta
que lhe ajudasse a carregar o seu cabresto
por causa do seu enorme peso.
Ela, muito carinhosamente,
tentava de todas as formas ajudá-lo,
mas isso nem sempre era possível por ser
ela uma criaturinha tão frágil.

Os anos se passaram e numa manhã de verão
a borboleta não apareceu para
visitar o seu companheiro.
Ele nem percebeu,
preocupado que ainda estava em se
livrar do cabresto.

E vieram outras manhãs e mais outras
e milhares de outras,
até que chegou o inverno e o cavalinho
sentiu-se só e finalmente percebeu a
ausência da borboleta.

Resolveu então sair do seu canto
e procurar por ela.
Caminhou por toda a floresta a observar
cada cantinho onde ela poderia ter se
escondido e não a encontrou.
Cansado se deitou embaixo de uma árvore.

Logo em seguida um elefante
se aproximou e lhe perguntou quem
era ele e o que fazia por ali.
-Eu sou o cavalinho do cabresto e estou a
procura de uma borboleta que sumiu.
-Ah, é você então o famoso cavalinho?
-Famoso, eu?
-É que eu tive uma grande amiga que me
disse que também era sua amiga e falava
muito bem de você.

Mas afinal,
qual borboleta que você está procurando?
-É uma borboleta colorida,
alegre,
que sobrevoa a floresta todos
os dias visitando
todos os animais amigos.
-Nossa,
mas era justamente dela que
eu estava falando.

Não ficou sabendo?
Ela morreu e já faz muito tempo.
- Morreu? Como foi isso?
-Dizem que ela conhecia,
aqui na floresta,
um cavalinho,
assim como você e todos
os dias quando ela ia visitá-lo,
ele dava-lhe um coice.

Ela sempre voltava com marcas horríveis
e todos perguntavam a ela quem
havia feito aquilo,
mas ela jamais contou a ninguém.
Insistíamos muito para saber
quem era o autor
daquela malvadeza e ela respondia
que só ia falar das visitas boas que
tinha feito naquela
manhã e era aí que ela falava com a
maior alegria de você.

Nesse momento o cavalinho já
estava derramando
muitas lágrimas de tristeza
e de arrependimento.
- Não chore meu amigo,
sei o quanto você deve estar sofrendo.
Ela sempre me disse que você
era um grande amigo,
mas entenda,
foram tantos os coices que ela recebeu
desse outro cavalinho,
que ela acabou perdendo as asinhas,
depois ficou muito doente,
triste e sucumbiu e morreu.

-E ela não mandou me chamar nos
seus últimos dias?
-Não,
todos os animais da floresta
quiseram lhe avisar,
mas ela disse o seguinte:
"Não perturbem meu amigo com
coisas pequenas,
ele tem um grande problema
que eu nunca
pude ajudá-lo a resolver.
Carrega no seu dorso um cabresto,
então será cansativo demais
pra ele vir até aqui."


Você pode até aceitar os coices
que lhe derem
quando eles vierem
acompanhados de beijos,
mas em algum momento da sua vida,
as feridas que eles vão lhe causar,
não serão mais possíveis de
serem cicatrizadas.

Quanto ao cabresto que você tiver
que carregar
durante a sua existência,
não culpe ninguém por isso,
afinal muitas vezes,
foi você mesmo que o colocou
no seu dorso.

OBS:
Qualquer semelhança com seres
humanos que você conheça,
pode não ser coincidência.

Autora: Silvana Duboc
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 01 de Setembro 2.010.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Verdades

Eu te entendo,
eu sei que tem horas que
dá vontade de
"chutar o pau da barraca"
e abandonar tudo,
isolar-se do mundo,
viajar para bem longe,
lá para muito, muito,
muito distante ou enfiar a
cara num buraco
e deixar essa
sensação horrorosa de derrota,
passar.

Mas,
você entende que não tem como
pular do barco em pleno alto mar,
ou saltar do trem em movimento,
porque a dor e os
estragos serão piores,
não é mesmo?.

Na hora do problema,
naquela hora da dor,
nós sabemos que precisamos ser
fortes e encarar a situação com a razão,
tentando de todas as maneiras,
chegar em um resultado que seja
favorável para todos, mas,
nem sempre é possível usar
essa lucidez toda,
então criamos novos problemas
com aquilo que parece ser a solução
mais fácil no momento,
como a mentira,
que cria uma ilusão momentânea de paz,
mas que cobra um pre
ço caro demais depois,
é como um cheque especial,
atraente quando está
a disposição
e ingrato na hora de pagá-lo.

Procure manter a verdade sobre
todas as situações,
manter relações abertas,
ser fiel, sincero, objetivo,
prático e direto,
sai sempre mais barato,
dá menos problemas,
porque se dá trabalho manter-se nessa
direção e viver tentando ser o mais
correto possível,
imagine usando e abusando da
mentira e da falsidade,
mesmo que seja por "um bom motivo"
na sua cabeça, uma hora,
em um dia em que menos esperamos,
"a casa cai",
a verdade aparece e o que era uma
simples forma de proteção
nos transforma em monstros,
em pessoas mesquinhas,
e perdemos até aquilo que
tentamos proteger.

Antes de querer fugir dos problemas,
experimente usar da verdade,
encará-los de frente e resolvê-los na
medida da sua capacidade,
pode demorar um pouco mais,
mas o resultado será sempre o melhor,
pode apostar.

Eu acredito em você

TEXTO: Paulo Roberto Gaefke
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 26 de Agosto de 2.010.

Felicidade

Por que será que tanta gente sonha
coisas grandiosas,
mas acaba aceitando algo muito menor?
Sonha com uma casa rodeada de um belo jardim,
mas se conforma com uma casinha bem
no meio do cimento?
Sonha com um trabalho bem remunerado,
mas aceita um emprego com
salário baixo?
Sonha em voltar a ter o mesmo peso
de décadas atrás,
mas se contenta com dois ou três
quilos a menos?
Por que aceitar menos do que você acha
que merece?
É um desafio a se pensar.

Muitas vezes,
as pessoas não têm entusiasmo para
lutar pelo que acreditam merecer.
Simplesmente,
acomodam-se ou se deixam levar por
opiniões derrotistas.
Ou, o que é muito comum,
nem lutam para não ter a decepção
de fracassar.

Mas,
o ser humano pode muito mais do que imagina!
É tudo uma questão de não ter medo
de se colocar à prova,
de agir de acordo com os seus sonhos.
O grande desafio é ter coragem de
se manter fiel ao que você acha que merece
e não deixar por menos.
E isso vale para tudo:
tanto na vida pessoal como na profissional,
familiar ou de negócios!
Tome como exemplo um atleta olímpico.
Ele age como quem não aceita menos do que a
medalha e trabalha duro para
conseguir o pódium.

Portanto, seja persistente.
Não se deixe influenciar por palpites,
como "isso não vai dar certo".
Você já parou para contemplar o vôo de uma pipa?
Ela pode se transformar num pontinho
colorido no céu,
subindo cada vez mais...
Deixe essa imagem inspirar a sua vida!
Quando nos permitimos ser como pipas,
livres para alçar vôos cada vez mais altos,
o nosso compromisso é um só:
a felicidade!

TEXTO: Antônio Carlos Teixeira
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 25 de Agosto de 2.010.

Felicidade Já!

Então tá!
Vamos vivendo como se
houvesse amanhã.
Deixando para trás preciosos
momentos de vida.

Fazemos de conta que
vamos viver eternamente,
e não pedimos o perdão que
deveria ser pedido;
não declaramos o amor que
deveríamos ter declarado;
não protegemos a natureza que
implora nossa atenção;
deixamos de lado os livros
que deveríamos ler;
e as músicas que gostamos estão lá,
no "stop" do nosso mp3,
esperando por um tempo qualquer.

As orações que deveríamos fazer,
se perderam na pressa do dia de hoje,
com tantos compromissos,
vivemos como se fossemos
viver eternamente,
e aquela "visita fraterna" ao asilo
ou ao hospital ficou para o mês seguinte,
depois de ser adiada por
vários meses.

E a boa e velha felicidade
está cada vez mais distante,
onde colocamos,
esperando a aquisição do carro,
do apartamento,
da casa de campo, do amor,
do filho que ainda vai nascer,
da faculdade que espera cursar,
do amigo que disse que iria chegar,
das previsões da astrologia
para o ano seguinte.

Vivemos como se a
eternidade fosse a nossa marca,
como se nossos dias
não fossem contados
e o amanhã fosse uma certeza,
deixamos tudo que é importante
para depois,
nos perdendo em fantasias,
em desejos que nem sempre
levam a elevação,
como se Deus fosse um
segundo plano,
que pudesse sempre esperar
que a dor nos visite e nos
leve até Ele.

"Deus deixa de ser um caminho,
para ser um meio..."

Felicidade já,
com o que temos a mão,
realizando o que é possível realizar,
preocupando-se com o que
realmente importa:
você!

Eu acredito em você

TEXTO: Paulo Roberto Gaefke
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 24 de Agosto de 2.010.

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Portas Abertas

Todos os caminhos
levam a algum lugar.

Todos eles têm um começo e,
fatalmente, um fim.

Há aqueles que nos
parecem tão longos e tão difíceis
que ver o fim deles requer
a fé que abre os olhos ao
que está muito além de nós.

O que não existe são os
caminhos sem saída,
eles possuem simplesmente saídas
que tememos atravessar.

Quando achamos que um
problema não tem solução,
o que queremos dizer é que
ele não possui
uma solução aceitável,
compatível com nosso querer.

E é assim que nossos
caminhos permanecem cada
vez mais longos,
mais sofridos.

Quando as saídas são
abandonar um sonho,
deixar algo para trás,
reconhecer um erro ou
uma má decisão,
aceitar um outro modo de vida,
nos deparamos com as
barreiras que nos deixam
nesse meio caminho do não
saber o que fazer.

São esses os dias mais
longos das nossas vidas,
os anos que não passam ou
nos deixam a amarga sensação
de estar a perder as alegrias
cabíveis a cada um.

Não podemos nos agarrar
a certas coisas como
se nosso sopro dependesse delas.
Sonhos morrem e outros
nascem e dão continuidade à
vida e é assim desde o
princípio de tudo.

Para cada porta fechada
há uma outra que pode se abrir,
cada lágrima derramada um
sorriso que está por vir.

A fé abre novas perspectivas
aos que querem enxergar.

As portas abrem-se
uma a uma para os que
sabem deixar o passado pra
trás e acreditam num novo e
mais bonito amanhecer.

TEXTO: Letícia Thompson
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 21 de Agosto de 2.010.

OBS.:

A autora não autoriza publicação
do texto lido no programa de hoje.
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 20 de Agosto de 2.010.

PERGUNTAS

Quantas vezes você andava
na rua e sentiu um perfume
e lembrou de alguém que gosta muito.

Quantas vezes você olhou para uma
paisagem em uma foto,
e não se imaginou lá com alguém.

Quantas vezes você estava do lado de alguém,
e sua cabeça não estava ali?
Alguma vez você já se arrependeu de algo
que falou dois segundos depois
de ter falado?

Você deve ter visto que aquele filme,
que vocês dois viram juntos no cinema,
vai passar na TV.

E você gelou porque o bom daquele
momento já passou.
E aquela música que você não gosta
de ouvir porque lembra algo ou alguém
que você quer esquecer
mas não consegue?

Não teve aquele dia em que tudo deu errado,
mas que no finzinho aconteceu
algo maravilhoso?

E aquele dia em que tudo deu certo,
exceto pelo final que estragou tudo?
Você já chorou por que lembrou
de alguém que amava e não pôde dizer
isso para essa pessoa?
Você já reencontrou um grande amor
do passado e viu que ele mudou?

Para essas perguntas existem
muitas respostas.
Mas o importante sobre elas não
é a resposta em si.
Mas sim o sentimento.

Todos nós amamos,
erramos ou julgamos mal.
Todos nós já fizemos uma coisa quando
o coração mandava fazer outra.
Então,
qual a moral disso tudo?

Nem tudo sai como planejamos portanto,
uma coisa é certa.
Não continue pensando em suas
fraquezas e erros,
faça tudo que puder para ser feliz hoje!
Não deite com mágoas no coração.
Não durma sem ao menos fazer
uma pessoa feliz!
E comece com você mesmo!

TEXTO: Martha Medeiros
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 19 de Agosto de 2.010.

O tamanho do mundo

O mundo é pequeno se somos grandes;
o mundo é enorme se nos
sentimos pequenos.

A diferença do tamanho
do mundo de uma pessoa para
a outra depende do
tamanho que cada um dá ao
que está à sua volta,
à importância que têm os problemas,
à sua atitude de olhar pra frente,
para trás,
para cima ou para baixo.

Crianças têm sempre
a impressão que tudo
é gigante.
Elas dão suas pequeninas
mãos aos adultos,
precisam dar três ou quatro
passos a mais para
acompanhá-los e essa
"distância"
entre os dois mundos,
infantil e adulto,
faz com que ela ou acredite cegamente,
ou tema.

Somos,
quão e quantas vezes,
quais crianças pequeninas face
aos nossos problemas.
Os vemos como adultos sérios
e devoradores e nos tornamos ainda
menores no espaço que
ocupamos.

Essa atitude nos reduz,
impossibilita aquele crescimento
que nos tornará homens e mulheres
grandes o bastante para enxergar
o mundo olhando nos olhos dele,
vendo os problemas não como
montanhas difíceis de subir ou atravessar,
mas como desafios os quais
podemos vencer.

O mundo é o mesmo para todos,
com seus espaços,
constelações, travessias,
mares,
tragédias e campos floridos.

Somos nós,
individualmente,
gigantes ou pequenos,
crianças indecisas ou
adultos destemidos.

Somos a força pela qual
outros podem se guiar ou aqueles
que estão sempre estendendo
a mão ou dando três ou quatro
passos a mais para acompanhar
o ritmo das intermináveis caminhadas
daqueles que seguimos.

Somos a gota pequenina
que se repousa na folha ou
o vento impetuoso que a
carrega onde quer.

Somos nossas atitudes somadas,
no bom ou no ruim,
que conhecem Aquele que
nos colocou no mundo ou
persistem em querer se descobrir.

Somos,
aos olhos de Deus e com
o mesmo amor,
aqueles que se levantam e
andam ou os que fazem no
dia-a-dia os milagres que dão
sentido à existência.

TEXTO: Letícia Thompson
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 17 de Agosto de 2.010.

Das conquistas pessoais

Não,
a paciência não é uma virtude
para ser usada entre amigos,
entre os que nos querem bem.
A paciência é uma conquista que deve
ser praticada com
aqueles que não nos entendem,
com os nossos desafetos,
com quem não aceita as nossas opiniões.

O otimismo é maravilhoso
quando tudo vai bem.
Podemos falar de boca cheia sobre
o que virá de bom.
Mas,
o otimismo é arma dos fortes
nos dias de dificuldades,
onde as nuvens escuras
encobrem o sol
e os conhecidos desaparecem,
assim como os sonhos.

A fé não é o sentimento cego que
empurra o aflito para
o abismo do fanatismo.
A fé é um tijolo que vamos
colocando diariamente na construção
da nossa maior obra, a nossa vida.
Em cada tribulação,
em cada passagem,
levantamos as paredes que um dia
resistirão aos furacões e tempestades,
ai sim,
a fé nos levará para a calmaria
dos dias de paz e certezas.

A oração não é
um caminho para a solução
das nossas dificuldades.
A oração é um canal da
alma que precisa para
"religar-se ao Criador".

Essa ligação é que devolve a visão
ampliada que permite a solução de
muitos dos nossos problemas.

A vida não é um amontoado de dias,
nem é feita para o sofrer constante.
A vida é um presente,
fonte de aperfeiçoamento de muitos
dos nossos fracassos.
A dor, o problema,
a falta de amor próprio,
são visões que
temos das nossas desilusões,
do que esperamos e não acontece,
do que desejamos e não recebemos,
daquilo que por
vezes chamamos de verdade,
mas que na verdade
é apenas ilusão.

Hoje não é apenas
mais um dia para ser vivido.
É a sua OPORTUNIDADE
de mudar o mundo,
porque o mundo é a sua casa,
é a sua rua,
é o lugar onde você trabalha ou estuda.
É a calaçada que você pode varrer,
o rio que pode preservar,
a flor que você pode plantar.
Simples assim!

Deus espera de você
aquilo que você pode fazer,
e olha que não é pouco.
Descruze os braços e olhe
para dentro de você.
Você vai encontrar um ser humano lindo,
cheio de potencialidades,
cheio de amor para externar e transformar
o que antes parecia ser impossível,
e que agora passa a ser realidade.
Porque você quer,
tudo pode mudar!

Eu acredito em voce!

TEXTO: Paulo Roberto Gaefke
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 13 de Agosto de 2.010.

OBS.:

Os textos narrados de 02/08/2.010 a 12/08/2.010
não foram publicados devido o
Radialista Toninho Lima
ter ficado de férias neste período.