quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Passa de mim esse cálice . . .

Tenho medo pelas pessoas que dizem nada temer.
Não pode haver tamanho orgulho e por detrás
desses corajosos há uma alma
que precisa de ajuda.

Quem foi mais perfeito que Jesus?

E que grande lição de humildade quando,
em meio à angústia,
Ele disse:
-"Pai, se possível, passa de mim esse cálice."

Não me lembro em algum momento
em que Ele tenha dito que não tinha medo de nada,
que era forte, corajoso e valente,
mesmo se possuía todos esses atributos
e ainda muito mais.

Ele sabia quem era e do que era capaz.
Sem palavras.

Jesus, além de Santo,
era humano e provou ao preço
das próprias lágrimas.

"O temor do Senhor é o princípio da sabedoria.
Os loucos desprezam a sabedoria e a instrução"
diz a Bíblia.

O medo é esse sentimento estranho
que se agarra às nossas entranhas
e deixa a vida assim como que se
estivesse pendurada por um fio.

Ele nos deixa frágeis,
abertos e acessíveis ao que tememos.
Mas, paradoxalmente,
a nossa consciência dele é o que nos
alerta para a porta de saída.
Quem não teme, não se prepara.

É a consciência da nossa fragilidade e exposição
ao perigo que nos leva a procurar ajuda.
Uma pessoa com problemas mentais
não se reconhece doente.
Os sãos sabem-se humanos.

Seria muito bom evitar todos os cálices amargos.
Mas se a vontade do Pai deve ser feita,
que o bebamos sim,
porque não há vitória sem luta
e muito doce é o sabor da conquista.

TEXTO: Letícia Thompson
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 27 de Novembro de 2.009.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Aparências ...

Talvez, dentro de um ônibus apertado,
ou em seu carro velhinho, ao ver alguém passando
com o carro zero que você tanto sonha,
você inveje essa pessoa,
sem saber que ali está uma pessoa aflita,
com prestações atrasadas
e perto de perder o que nem conquistou.

Não se deixe levar pelas aparências,
nem se fie em palavras ou discursos,
observe os atos, os resultados.

Não se preocupe em ser o gênio da escola,
já vi os "menos inteligentes" da sala,
anos depois se transformarem em
donos de empresas,
e até aqueles que fugiram da escola,
chegarem a presidência...

Por isso:
Não olhe para o que você tem,
nem se apegue ao que disseram,
as pragas que rogaram,
ou o que deixaram de dizer,
não procure pelos diplomas na parede,
olhe para dentro de você,
para os seus objetivos.

Não importa quanto você tem,
mas quanto quer ganhar.
Não importa o que vai fazer,
mas como vai fazer,
por isso, alma querida,
faça sempre o seu melhor.

Olhe para os objetivos como se fossem montanhas,
e avance, passo a passo,
degrau por degrau,
em breve,
apesar do cansaço e dos tropeços,
a montanha vai diminuindo e ficando
cada vez menor,
e você, com a vitória nas mãos,
cada vez maior.

Eu acredito em você

TEXTO: Paulo Roberto Gaefke
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 25 de Novembro de 2.009.

domingo, 22 de novembro de 2009

Amor em Família...

Você diz eu Te Amo???

Dois irmãozinhos brincavam
em frente de casa,
jogavam bolinhas de gude.
Quando Júlio o menino mais
novo disse ao irmão Ricardo:
Meu querido irmão,
eu te Amo muito e nunca
quero me separar de você!
Ricardo sem dar muita importância
ao que Júlio disse,
pergunta:
- O que deu em você moleque?
Que conversa besta é essa de amar?
Quer calar a boca e continuar jogando?
E os dois continuaram jogando
a tarde inteira até anoitecer.

À noite o senhor Jacó,
pai dos garotos chegou do trabalho,
estava exausto e muito mal humorado,
pois não havia conseguido
fechar um negócio importante.
Ao entrar,
Jacó olhou para Júlio que
sorriu para o pai e disse:
- Olá á papai,
eu te Amo muito e não quero
nunca me separar do senhor!
Jacó no auge de seu mal humor
e stress disse:
- Júlio,
estou exausto e nervoso,
então por favor não me
venha com besteiras!
Com as palavras ásperas do pai,
Júlio ficou magoado e foi chorar
no cantinho do quarto.

Dona Joana,
mãe dos garotos sentindo
a falta do filho foi procurá-lo pela casa,
até que o encontrou no cantinho
do quarto com os olhinhos
cheios de lágrimas.
Dona Joana espantada começou
a enxugar as lágrimas do filho
e perguntou:
- O que foi Júlio, porque choras?
Júlio olhou para a mãe,
com uma expressão triste e lhe disse:
-Mamãe,
eu te Amo muito e não quero
nunca me separar da senhora!
Dona Joana sorriu para o filho e lhe disse:
Meu amado filho,
ficaremos sempre juntos!
Júlio sorriu,
deu um beijo na mãe e foi se deitar.

No quarto do casal,
ambos se preparando
para se deitar,
Dona Joana pergunta para
seu marido Jacó:
- Jacó,
o Júlio está muito estranho hoje,
não acha?
Jacó muito estressado com
o trabalho disse a esposa:
- Esse moleque só está querendo
chamar a atenção...
Deita e dorme mulher!
Então todos se recolheram
e todos dormiam sossegados.

Às 2 horas da manhã,
Júlio se levanta vai ao quarto de seu irmão
Ricardo e fica observando
o irmão dormir...
Ricardo incomodado com a
claridade acorda e grita com Júlio:
- Seu louco,
apaga essa luz e me deixa dormir!
Júlio em silêncio obedeceu o irmão,
apagou a luz e se dirigiu
ao quarto dos pais...
Chegando ao quarto de seus
pais acendeu a luz e ficou
observando seu pai e sua mãe dormirem.

O senhor Jacó acordou
e perguntou ao filho:
- O que aconteceu Júlio?
Júlio em silencio só balançou
a cabeça em sinal negativo,
respondendo ao pai que
nada havia ocorrido.
Daí o senhor Jacó irritado
perguntou ao Júlio:
- Então o que foi moleque?
Júlio continuou em silêncio.
Jacó já muito irritado berrou com Júlio:
- Então vai dormir seu doente!
Júlio apagou a luz do quarto se
dirigiu ao seu quarto e se deitou.

Na manhã seguinte todos
se levantaram cedo,
o senhor Jacó iria trabalhar,
a dona Joana levaria as crianças para
a escola e Ricardo e Júlio
iriam à escola...
Mas Júlio não se levantou.

Então o senhor Jacó,
que já estava muito irritado com Júlio,
entra bufando no quarto
do garoto e grita:
- Levanta seu moleque vagabundo!
Júlio nem se mexeu.

Então Jacó avança sobre o garoto
e puxa com força o cobertor
do menino com o braço direito
levantado pronto para lhe dar
um tapa quando percebe que Júlio
estava com os olhos fechados
e que estava pálido.
Jacó assustado colocou a mão
sobre o rosto de Júlio
e pôde notar que seu filho
estava gelado.

Desesperado Jacó
gritou chamando
a esposa e o filho Ricardo
para ver o que havia
acontecido com Júlio...
Infelizmente o pior.

Júlio estava morto e sem
qualquer motivo aparente.
Dona Joana desesperada abraçou
o filho morto e não conseguia
nem respirar de tanto chorar.
Ricardo desconsolado segurou
firme a mão do irmão
e só tinha forças para chorar também.
Jacó em desespero soluçando e com
os olhos cheios de lágrimas,
percebeu que havia um papelzinho
dobrado nas pequenas mãos de Júlio.
Jacó então pegou o pequeno
pedaço de papel
e havia algo escrito com
a letra de Júlio.

"Outra noite Deus veio falar comigo
através de um sonho,
disse a mim que apesar de amar
minha família e dela me amar,
teríamos que nos separar.
Eu não queria isso,
mas Deus me explicou que
seria necessário.

Não sei o que vai acontecer mas
estou com muito medo.
Gostaria que ficasse claro
apenas uma coisa:
"- Ricardo,
não se envergonhe de Amar seu irmão.
- Mamãe,
a senhora é a melhor mãe do mundo.
- Papai,
o senhor de tanto trabalhar se esqueceu de viver.
- Eu Amo todos vocês!"

(*) Essa História é baseada em um Fato Verídico.

OBS.:
Procuramos e não encontramos
autoria do texto acima.
Caso seja o autor(a) ou saiba quem o escreveu
e quer nos ajudar a dar os créditos
merecidos ao autor(a) do mesmo,
fineza nos informar através do e-mail:
mensagem@toninholima.com.br.
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 24 de Novembro de 2.009.

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Enquanto é dia...

Enquanto a dor não passa,
evite o papel de vítima,
não aumente a capacidade de sofrer.

Enquanto o bom emprego não vem,
evite as reclamações, faça-se útil,
não atrase a boa notícia.

Enquanto o amor não acontece,
não se isole, seja solidário,
o amor é ímã que se atrai.

Enquanto a paz não vence,
não use das mesmas armas, pense,
as brigas são frutos da precipitação.

Enquanto as dívidas existirem,
seja sensato: economize tudo,
o descontrole leva ao desespero.

Enquanto a alegria não se instala,
sorria!
O sorriso é a porta para a felicidade.

Enquanto o povo fala,
faça!
O mover-se é prova de nossa vontade,
é a declaração de nossas intenções,
é chamar Deus para perto de nós.

Por isso,
enquanto você não vence,
vá fazendo a sua parte,
trabalhe sempre,
busque ser melhor a cada dia,
um passo de cada vez.

Assim,
a montanha de problemas,
que antes parecia ser intransponível,
vai ficando cada vez menor,
porque você se agiganta,
quando acredita em você!

Eu acredito em você

TEXTO: Paulo Roberto Gaefke

* * * * *

Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 12 de Novembro de 2.009.

terça-feira, 10 de novembro de 2009

A Derrota Não é Amarga Se Você Não a Engolir ...

Todos nós já tivemos fracassos
em alguma época da vida.

De fato,
quanto mais enfrentamos
os riscos de uma nova experiência,
de um novo conceito,
maior é a probabilidade de fracassarmos,
ao menos em curto prazo.

Não é fácil ser bem sucedido
quando experimentamos,
pela primeira vez,
algo novo e ambicioso e,
se tivermos medo de fracassar,
teremos medo de correr riscos.
Se nunca arriscarmos algo novo,
ficaremos estagnados.

O crescimento requer uma
disponibilidade de correr o risco
do fracasso e da derrota.
Se, quando bebês,
tivéssemos medo de falhar,
poucos de nós teriam aprendido
a andar e a falar!

Para aprender a andar tivemos
que cair algumas vezes,
arranhar os joelhos e machucar o rosto.
Para ter sucesso
- para nos tornarmos vitoriosos -
devemos correr o risco do fracasso.
Mas a lição importante é esta:
o fracasso não é derrota,
a não ser que você o permita.

No processo de invenção
da lâmpada elétrica,
Thomas Edison tentou
e falhou muitas vezes!
Conta-se que alguém perguntou
a Edison se ele,
desanimado por todos os seus fracassos,
não pensou em desistir.
E ele respondeu:
"Aqueles foram passos do caminho.
Em cada tentativa,
eu encontrava um modo de não criar
a lâmpada elétrica.
Eu estava sempre disposto a aprender,
mesmo através dos meus erros".

Em outras palavras,
apesar de Edison nem sempre
ter sido bem sucedido,
ele nunca engoliu a derrota.
Edison provou o fracasso muitas vezes,
mas não o engoliu.

Engolir um fracasso é acreditar que,
por ter fracassado,
você é um fracasso.
Há uma diferença crucial entre dizer
"fracassei" e "sou um fracasso".

Quando um projeto não sai
conforme o esperado,
podemos dizer
"falhei na minha tentativa".

Podemos até dizer,
"eu poderia ter feito melhor do que fiz".

Mas,
engolir uma derrota quer dizer
"falhei,
portanto sou um fracasso
" ou "
como não fiz direito,
não sou capaz de fazer.
" Engolir uma derrota é acreditar
que somos os nossos acertos
ou nossos fracassos.

Se engolirmos uma derrota,
a partir daquele momento,
a nossa habilidade para funcionar
efetivamente fica comprometida.

Todos os grandes líderes,
todos os grandes atletas,
todos os grandes exploradores,
pensadores, inventores,
empresários, cometeram erros,
experimentaram fracassos.

Entretanto,
eles se tornaram grandes
porque não se culparam
pelas suas falhas,
ao contrário,
usaram os seus erros como
lições para melhorar
o seu desempenho.

Sabiam que o fracasso era apenas
momentâneo e que não significava,
necessariamente,
uma derrota.

Recusaram-se a engolir a amargura
do fracasso e se empenharam
na luta pela doçura do sucesso.

Grandes realizações são,
freqüentemente, tentadas,
mas raramente alcançadas.

O que é interessante (e estimulante)
é que os que alcançaram tais objetivos
são normalmente aqueles que falharam
muitas vezes antes.

Aonde quer que você estiver hoje,
escute-me!
Ficar sentado aí,
lambendo suas feridas,
somente deixará um gosto
amargo em sua boca.

Suspiros,
lágrimas e pensamentos
de desistência são compreensíveis
para o momento,
mas indesculpáveis para o futuro.
Levante-se e siga adiante!

E se você estiver procurando
uma garantia absoluta contra fracassos,
eu lamento,
não vai encontrá-la.

Paulo Roberto Gaefke
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 11 de Novembro de 2.009.

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

O Maior Desafio...

"Existem três tipos de pessoas:
as que deixam acontecer,
as que fazem acontecer e as que
perguntam o que aconteceu."
* John Richardson Jr.*
. . . . .

Cada um de nós tem desafios diferentes.
A vida é feita de desafios diários.

Para quem não dispõe de movimentos nas pernas,
transportar-se da cama para a cadeira de rodas,
a cada manhã, é um desafio.

Para quem sofreu um acidente e está
re-aprendendo a andar,
o desafio está em apoiar-se nas barras,
na sala de reabilitação,
e tentar mover um pé,
depois o outro.

Para quem perdeu a visão,
o grande desafio é adaptar-se à nova realidade,
aprendendo a ouvir, a tatear,
a movimentar-se entre os obstáculos sem esbarrar.
É aprender um novo alfabeto,
é ler com os dedos,
é adquirir nova independência de
movimentos e ação.

Para o analfabeto adulto,
o maior desafio é dominar aqueles
sinais que significam letras,
que colocados uns ao lado
dos outros formam palavras,
que formam frases.

É conseguir tomar o lápis e escrever
o próprio nome,
em letras de forma.
É conseguir ler o letreiro do ônibus,
identificando aquele que deverá utilizar
para chegar ao seu lar.

Cada qual, dentro de sua realidade,
de sua vivência,
apontará o que lhe constitui o maior desafio:
dominar a técnica da pintura,
da escultura, da música, da dança.

Ser um ás no esporte.
Ser o primeiro da classe.
Passar no vestibular.
Ser aprovado no concurso que lhe
garantirá um emprego.
Ser aceito pela sociedade.
Ser amado.

Para vencer um desafio é preciso ter disciplina,
ser persistente, ser diplomático,
saber perdoar-se e perdoar aos outros.

É ser otimista quando os demais estão pessimistas.
Ser realista quando os demais estão com
os pensamentos na lua.
É saber sonhar e ir em frente.

É persistir,
mesmo quando ninguém consiga nos
imaginar como um prêmio Nobel de Química,
um pai de família, um professor,
prefeito ou programador.

Acima de tudo,
o maior desafio para deficientes,
negros e brancos, japoneses e americanos,
brasileiros e argentinos,
para todo ser humano,
é fazer.

Fazer o que promete.
Dar o primeiro passo,
o segundo e o terceiro.
Ir em frente.

Com que freqüência se escutam
pessoas dizendo que vão fazer regime,
que vão estudar mais,
que vão fazer exercício todo dia,
que vão ler mais,
que vão assistir menos televisão,
que vão...

Falar,
reclamar ou criticar são os passatempos
mais populares do mundo,
perdendo só, talvez,
para o passatempo de culpar os outros
pelo que lhe acontece.

Então, o maior desafio é fazer.
E não adianta você dizer que não
deu certo o que pretendia porque é cego,
ou porque é negro, ou porque é amarelo,
ou porque você é brasileiro.

Ou porque mora numa casa amarela.
Ou porque não teve tempo.

Aprenda com seus erros.
Quando algo não der certo,
você pode tentar de maneira diferente.
Agora você já sabe que daquele
jeito não dá.

Você pode treinar mais.
Você pode conseguir ajuda,
pode estudar mais,
pode se inspirar com sábios amigos.
Ou com amigos dos seus amigos.

Pode tentar novas idéias.
Pode dividir seu objetivo em várias
etapas e tentar uma de cada vez,
em vez de tentar tudo de uma vez só.

Você pode fazer o que quiser.
Só não pode é sentir pena de si mesmo.
Você não pode desistir de seus sonhos.
........

Problemas são desafios.
Dificuldades são testes de
promoção espiritual.

Insucesso é ocorrência perfeitamente natural,
que acontece a toda e qualquer criatura.

Indispensável manter o bom ânimo
em qualquer lugar e posição.

O pior que pode acontecer a alguém
é se entregar ao desânimo,
apagando a chama íntima da fé e
caminhar em plena escuridão.

Assim, confia em Deus, e,
com coragem,
prossegue de espírito tranqüilo.

TEXTO: Equipe de Redação do Momento Espírita,
a partir de carta assinada por Fernando Botelho
e endereçada a um cego, de nome Juliano,
residente em Curitiba,
e do cap. 9 da obra Convites da Vida,
psicografia de Divaldo Pereira Franco,
pelo Espírito Joanna de Âgelis.

# # # # #

Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 05 de Novembro de 2.009.