segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Seu maior desafio

Quando você abandona o medo,
e incorre na loucura de desafiar as
“situações que te afligem”,
busca a superação de seus próprios limites,
e essa é a nossa maior meta,
os “milagres” se sucedem,
quase que como um efeito cascata,
de dominós se empurrando
e caindo um a um…

Você ganha uma força extra,
um destemor,
e tudo passa a ter outra visão,
porque seus olhos
já não são os mesmos.
E tudo isso acontece porque
“você mudou”.

Não foi a situação,
não foi o dinheiro que ganhou,
foram os bons livros
que você começou a ler,
leituras que edificam,
que fazem crescer.

Quando deixou de perder tempo
com fofocas da televisão,
com programas que exploram
a miséria e a fé humana,
e passou a ter mais tempo
para a sua evolução.

Quando deixou de reclamar
e começou agir,
deixou de pensar em quantos
quilômetros faltam,
e simplesmente caminhou,
passo após passo,
metro a metro,
vencendo distâncias.
É assim que você encontra
Deus!

Deus procura amorosamente
pelos aflitos.

Não adianta ir no templo dourado,
buscar esse ou aquele famoso
que parece ter contato direto com Ele,
Ele não está lá…

Ele está onde estão os mais miseráveis,
nas celas imundas dos presídios,
nos quartos de hospitais onde
a dor geme sem parar,
nas casas escuras,
onde alguém em depressão
deixou de querer viver.

É justamente na vida de quem
já não acredita na vida,
que Deus está mais presente,
mais amoroso,
capacitando aqueles que se
julgam incapazes,
e se você deixar Deus agir,
se buscá-lo no seu dia a dia,
vigiando, orando,
amando sem medidas,
caminhando entre brasas
sem desistir.

Ele estará contigo,
sempre!

Creia,
Deus tem uma paixão
gigantesca por você!
E quanto mais você precisa,
mais Ele se faz presente,
é só abrir os olhos da alma,
largar a lamentação,
perceber que você tem força
para muito mais,
que foi feito para vencer,
brilhar na humildade,
e ser feliz,
feliz de verdade.
Creia!

Deus te ama além da conta
e das medidas humanas.

Eu acredito em você

TEXTO: Paulo Roberto Gaefke
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 03 de Março de 2.011.

Simplesmente Vida

Quando você acreditar
que é o fim de tudo,
quando não te restar
mais esperanças.

Quando você aceitar a derrota
e não souber por onde começar,
quando todos te dizerem
que é o fim,
que você acabou.

Quando as portas se fecharem
na sua cara,
quando os amigos sumirem.

Quando o amor partir e deixar um
rombo no seu coração,
quando as dívidas forem
maiores que a sua
capacidade de pagar.

Quando te faltar chão,
o ar sumir,
a vista escurecer,
quando o medo for mais
forte que a razão.

Quando tudo for apenas uma saudade,
lembre-se da vida,
lembre-se dos milagres que
acontecem a cada dia,
a força do sol com seu esplendor,
o Christopher Reeve na
cadeira de rodas
mexendo um dedo,
a força da chuva trazendo
vida ás sementes.

O Lars Grael recomeçando
com uma perna só,
A beleza das flores que se
abrem para o dia,
a luta do Gerson Brener
para falar,
a sensibilidade do canto
dos pássaros,
a resistência de Mandella nos
quase 30 anos de prisão.

Pense no equílibrio dos mares,
na reconstrução e na emoção
do Herbert Viana,
pense na grandeza das florestas,
e por fim,
pense em Jesus,
que até no último suspiro lembrou-se
de você e pediu:
-Pai, perdoai-os,
eles não sabem o que fazem.

Recomece a cada segundo,
a cada minuto reconstrói
os teus pensamentos,
dirige-os para a luz,
pois é assim que se constrói
a verdadeira felicidade.

Eu acredito em você

TEXTO: Paulo Roberto Gaefke
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 01 de Março de 2.011.

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Os nós e nós

Quando queremos
que alguma coisa fique
ancorada à nossa vida,
fazemos de tudo para
mantê-la presa à nós.

Criamos laços e os apertamos
com todo nosso coração.

Os nós fazem parte de nós.

Infelizmente,
nem tudo o que se apega
a nós é bom e útil.

Se prezamos ter laços
afetivos e pedaços de memórias
agarradas definitivamente
à nossa pele,
há aqueles nós que se
apegam sem que nossa
permissão seja pedida
e sem que tenhamos
forças para desatá-los.

Esses nos acompanham
e nos adoecem.

Viver com nós na garganta,
que não descem e nem saem,
nos deixa deficientes.
Avançamos em algumas
outras coisas,
mas o não resolvido fica,
como um espinho na carne.

Aquilo que não conseguimos
engolir é o perdão que não
conseguimos oferecer,
é o esclarecimento que
nunca nos foi dado,
são os porquês nunca
respondidos.

A gente caminha,
mas sente que algo ficou
pra trás e muitas das dores
de garganta que não conseguimos
curar são emoções presas
das quais não soubemos
nos livrar.

O que fica atravessado
diante de nós é o peso que
carregamos por vezes
por anos e anos.

O dia bendito em que
conseguimos colocar em
palavras e lágrimas aquilo
que nos ofendeu,
entrou em nós e ficou,
o sol desponta no horizonte
como se fosse seu
primeiro dia.

Ah, Deus,
se tivéssemos sempre
a coragem de abrir nosso
coração e gritar nossa mágoa,
quão mais leves e sãos
poderíamos viver!

Por que esse medo de expôr
o que nos desagrada?

Por que temer ferir o outro
quando estamos,
nós mesmos e inteiramente,
sangrando?

Por que a felicidade alheia,
se felicidade alheia há,
é mais importante que a nossa?

Grande parte dos nossos problemas,
das nossas doenças até físicas,
são falta de comunicação.
Por que não dizemos,
não passamos ao outro
o que sentimos,
não falamos do sentimento
de injustiça que sentimos e do
quanto isso nos abala.

Falar é importante.
No bom momento,
claro,
que com sabedoria
deve ser escolhido,
mas é muito importante.

O que não dizemos,
o outro não é obrigado
a adivinhar e isso nunca
podemos cobrar.

Os nós não resolvidos
atam nossa vida a um
certo momento.

Não crescemos como
convém e mesmo nosso
riso é sempre manchado por
uma pinta de tristeza que
traduz nosso olhar.

Quando sentiu que tinha
que se revoltar no Templo,
Jesus se revoltou,
nenhuma palavra poupou;
quando a dor e tristeza foram
grandes demais no seu seio,
Ele chorou;
quando o cálice tornou-se
por demais amargo,
falou com o Pai...

A liberdade só nos chega
quando liberamos nosso ser,
quando oferecemos ao
outro o direito de ouvir,
perdoamos o que deve ser
perdoado e aceitamos o que
deve ser aceitado.

Se criamos a coragem de desatar,
devagar, certo, mas desatar,
um a um os laços que
nos incomodam,
liberamos uma a uma
as ansiedades,
os males que nos doem
física e psicologicamente.

Nessas horas nosso coração
bate de maneira diferente,
respiramos mais ar puro
e nossos olhos se abrem para
novos horizontes.

Só um pequeno passo,
um muito de coragem e uma
nova vida pode começar.

TEXTO: Letícia Thompson
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 26 de Fevereiro de 2.011.

Sementes de virtudes ...

Não podemos controlar
todas as situações que vivemos,
algumas não dependem
da nossa vontade.
E não podemos mudar tudo também,
mesmo se somos fortes,
decididos e positivos.
Mas podemos colocar um
pouco de sal e de luz.

Podemos aprender a gerenciar
essas situações de
maneira que não nos afetem
completamente ou profundamente,
que não nos destruam
ou acabem com nossos
relacionamentos de amor
e de amizade.

Quando perdemos o controle de nós,
perdemos o controle de tudo.

É como um motorista que,
ao sentir o perigo,
larga o volante:
o acidente é inevitável!

Por mais desesperadoras que
pareçam as situações,
temos que segurar o volante.

Guardar a calma nos momentos
mais críticos é uma atitude preciosa,
não só para nós,
mas para os outros também.

Ah, sim,
podemos explodir e às vezes
até precisamos!
Todavia há maneiras de exteriorizar
o que nos atormenta sem que
os pedaços da nossa ira afetem
tudo ao nosso redor.

Podemos chorar até
que nossa alma se sinta lavada,
podemos falar com alguém
em quem tenhamos confiança,
podemos pintar, desenhar,
construir,
correr ou apenas nos
entregar à dor até que o peito
se esvazie dela.

Há pessoas, como eu,
que escrevem longas cartas
que nunca enviam,
mas que aliviam.

Somos humanos,
eu sei e não podemos ficar
indiferentes à tudo o que acontece,
não podemos nos esconder
atrás de escudos que nunca
defenderão nossa sensibilidade,
pois no inevitável encontro
com nosso eu,
precisamos ainda encontrar
forças e coragem para
nos olhar nos olhos.

Temos todos em nós sementes
de virtudes plantadas.
Devemos dar a elas condições
para que floreçam,
para que dêem frutos,
para que as pessoas possam,
uma vez que nos encontram,
carregar-nos nos corações para
o restante das suas vidas.

TEXTO: Letícia Thompson
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 25 de Fevereiro de 2.011.

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Para seguir viagem

Cuide das suas emoções!
Elas garantem a sua
estabilidade e a vida longa.

Os que sentem
saudade além da medida,
vivem do passado que
não volta,
e não conseguem
presenciar o presente,
encurtam o futuro.

Mais uma forma disfarçada
de suicídio...

Não guarde tantas emoções!
Extravase-as,
liberte cada sentimento.
Doe-se, ame, goste,
desgoste, sinta a sua raiva,
mas perdoe sempre,
é mais prudente e sensato.

Aquele que carrega o ódio,
leva uma cruz,
sofre sempre em dobro,
pela lembrança que
não se apaga,
e pela doença que
se instala e a radiografia
nem sempre mostra.

Cuidado com quem
você briga!
Cuidado com quem você se
lança ao desafio!
Cuidado com o que você fala!
Preste atenção nos seus
sentimentos.

Quantas mágoas você carrega
e nem percebe?

Aquela dor no estômago
que nunca cessa,
pode ser a ausência que
você não esquece.
Aquele nódulo estranho,
pode ser o luto mal resolvido.
O amargo na boca,
um amor mal resolvido,
o nervosismo,
amor mal-vivido.

Sempre é tempo para dar
um basta na solidão,
de libertar-se das correntes
da ingratidão,
de usar a força mágica
do perdão.

Para seguir viagem,
para ser mais saudável,
libere as suas emoções.
Compartilhe mais,
guarde menos,
seja breve com as emoções
que afligem,
mas eterno com o amor que
tudo perdoa,
liberta e faz crescer.

Eu acredito em você

TEXTO: Paulo Roberto Gaefke
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 19 de Fevereiro de 2.011.

Seguro do amor

Penso que as seguradoras deveriam
criar alguns seguros para os sentimentos,
pois alguns relacionamentos,
por exemplo,
já começam tão mal que deveriam ter um
"seguro de acidentes morais",
outro de
"crime contra a identidade"
e o de
"risco à terceiros",
pois os relacionamentos ruins acabam
quase sempre envolvendo familiares,
filhos, entre outros.

Sabe aquele relacionamento em
que todo mundo vê que não vai dar certo,
que é improvável que exista
por mais que a pessoa diga
que ama a outra?

Todo mundo vê que não está bem,
mas a pessoa envolvida está cega,
surda e envolvida na teimosia.

Aquele em que as diferenças são tão grandes,
ou onde a pessoa já traz aquele
"gênio" tão ruim, um ciúme doentio,
vícios terríveis entre outras "qualidades",
e que a pessoa apaixonada jura
que vai mudar?

Ninguém muda ninguém!
No máximo podemos influenciar para uma mudança,
mas se a pessoa não quiser mudar,
nem Jesus com todos os seus anjos poderão
fazer uma transformação.

Não existe milagre que vá contra o nosso
"livre arbítrio".

Lógico que as seguradoras ao criarem o
"seguro sentimento"
vão criar também dispositivos
que ajudem a não pagarem o tal prêmio,
e vão criar o "técnico do amor"
por exemplo,
uma pessoa que vai até o segurado
"mostrar técnicas de amor próprio",
levantando a auto-estima de quem
comprar a apólice,
pois está comprovado que,
quem não se ama,
não pode amar ninguém,
quando no máximo,
a pessoa passa a depender de alguém,
e isso não é amor,
é insanidade psicológica.

Antes de entrar nesse barco chamado "amor",
conheça-se!

Antes de embarcar num relacionamento,
conheça a pessoa,
conheça seus familiares,
seus hábitos.

O coração pode ser cego,
o amor pode ser maluco,
mas você não!

Antes que a dor venha visitar a sua vida,
pense na qualidade do que você sente.
Se esse sentimento te impede de
ver às suas qualidades,
se existe uma "dominação",
se você sofre humilhações
ou desgostos por causa
desse relacionamento,
não espere o barco afundar,
pegue o seu colete salva-vidas
e pule fora,
melhor nadar só do que mal acompanhado.

AH! quanto ao seguro,
enquanto ele não é criado,
experimente amar-se profundamente,
saber das suas qualidades,
das suas POSSIBILIDADES,
esse é um escudo contra
gente que não vale mais do
que duas moedas furadas
e vivem para "sugar"
o que temos de bom.

Cuide-se!

Eu acredito em voce!

TEXTO: Paulo Roberto Gaefke
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 18 de Fevereiro de 2.011.

Tecidos do tempo

"Nós somos do tecido de que são feitos os sonhos."
(Shakespeare)

Uma hora estamos certos de que queremos isso,
noutra,
acordamos querendo exatamente o contrário,
Se somos jovens, falta experiência,
se amadurecemos, falta ousadia.

Um dia,
o amor que encontramos é eterno,
em outro,
é paixão que queremos esquecer.

O que realmente desejamos?
O que é essa tal de felicidade?
O que contentará a nossa alma aflita?

Corremos atrás dos ventos,
semeamos nuvens de ilusão.

Ora desejamos o celular mais moderno
o mesmo que em poucas semanas
estará ultrapassado.
Sonhamos com a casa acolhedora e ideal,
que fica pequena quando entramos nela.
Vivemos idealizando a pessoa especial,
e quando a encontramos, não á suportamos,
por ser tão parecida com nós mesmos.

Somos passageiros da eternidade,
vivendo experiências que nem sempre contam.
Perdemos tempo demais com o que é supérfluo,
somos ausentes, temos medo de
assumir nossos riscos;
alunos que fogem da sala de aula,
pais que fogem da paternidade,
mães atarefadas demais,
filhos mimados,
avós encostados,
amigos "meia boca",
fiéis meio infiéis,
perdedores e perdidos,
esperamos por dias melhores...

Assim caminhámos, sem compromisso,
até que a dor, sábia mestra,
vem e retifica, ensina, esclarece.

O sonho é apenas uma parte do caminho,
tecido fino e indelével que marca nossa passagem.
Diga-me com que sonhas e eu te direi quem és!
Nunca deixe de acreditar em você mesmo.

Eu acredito em você

TEXTO: Paulo Roberto Gaefke
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 17 de Fevereiro de 2.011.

Sorria para a Vida!!!

Tem dia que ao
acordar olhamos pela janela
e parece que há uma nuvem
negra sobre o céu.
O sol está lindo mas nem
olhamos para ele.

Os pássaros cantam
e só escutamos o barulho
ensurdecedor dos carros.

A vida está sorrindo
mas estamos sérios demais
para viver e sorrir com a vida.
Sentimos uma profunda tristeza...
É como se estivéssemos sentindo
"a dor do mundo".

Quando isso acontece é hora de parar tudo.
Repensar sobre o que você está
fazendo com a sua vida.
Pare de ouvir essa voz invisível!
Ela apenas lhe coloca para baixo,
se alimenta da sua tristeza
e quer ser mais forte que você.

Vamos lá!!!

É hora de dar um tempo para você mesmo.
Se é ruim viver assim
manda esse baixo astral para longe.
Não alimente essa "voz" invisível
que está ao seu lado
fazendo com que você não ache mais
graça na vida.

Traga bons pensamentos para dentro de você.
Não se deixe abater pelos problemas,
ninguém é infeliz para sempre.

E você já teve bons momentos em sua vida.
Momentos esses,
onde você sentiu muita felicidade
e foi tanta,
que você agradeceu centenas de vezes
a Deus por estar vivo.

Então não deixe que essa tristeza lhe
turve os olhos da alma
ou aprisione seu coração.

Acredite!!!

O céu está mais azul do que nunca.
Você pode ver e sentir a Luz do sol.

O movimento conturbado das ruas continuam.
Mas os pássaros ainda estão cantando.
E irão sempre cantar para quem
souber ouví-los.

A vida,
tem momentos de seriedade,
mas irá sempre sorrir para você
se você aprender a sorrir para ela.

TEXTO: Iraima Bagni
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 16 de Fevereiro de 2.011.

A Sabedoria

Dizem que a idade de uma árvore
conta-se pelas marcas que vão
se formando no tronco.
Conosco não é bem assim.

Há pequenos com muito
mais marcas na alma que adultos,
por que a vida não lhes
ofereceu presentes.

Há idosos que atravessam
os anos e partem,
sem que tenham tirado da vida
os ensinamentos que ela ofereceu.

Uma pessoa que vive muito
não é aquela que chega a
uma idade avançada,
mas a que aproveita as experiências
da vida para seu aprendizado e vai
tirando o melhor de cada coisa
que encontra pela frente.

A sabedoria não
está nas rugas da pele,
nem nos cabelos brancos,
nem nos anos que passam.
Ela não está também nos
conhecimentos que já possuímos,
mas na sede dos mesmos.

Muitas vezes pensamos que sabemos
alguma coisa e na realidade
não sabemos muito,
pois olhamos tudo de maneira superficial,
sem ir a fundo,
sem ver o outro lado.

Aos 12 anos de idade,
Jesus discutia com os doutores da
época e aos 33 partiu,
deixando todos os ensinamentos
necessários a nós.

Não importa a nossa idade,
nem nossa condição,
estamos aprendendo a
cada instante.

Os sábios nutrem-se
desses aprendizados,
colocam-os em prática,
fazem uso deles e os repassam.
Outros apenas engolem quente,
depressa demais, sem sentir o sabor.
Isso diferencia muito umas
pessoas das outras.

Só o sábio busca compreender,
aceita o não, aceita estar errado,
pede perdão, perdoa,
deixa-se de lado um pouco para
ver o lado do outro,
mesmo que isso lhe exija sacrifício.

Só o sábio quer ser melhor,
não por si,
mas para se aproximar ainda
mais da perfeição que estava no
coração de Deus quando Este
fez nascer o homem.

TEXTO: Letícia Thompson
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 15 de Fevereiro de 2.011.

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Deixe aflorar toda a sua doçura !

Às vezes,
fico me perguntando porque
é tão difícil ser transparente...
Costumamos acreditar que ser
transparente é simplesmente
ser sincero,
não enganar os outros.
Mas ser transparente é muito
mais do que isso.

É ter coragem de se expor,
de ser frágil, de chorar,
de falar do que a gente sente...

Ser transparente é desnudar a alma,
é deixar cair as máscaras,
baixar as armas,
destruir os imensos e grossos muros
que nos empenhamos tanto
para levantar...

Ser transparente
é permitir que toda a nossa
doçura aflore,
desabroche, transborde!

Mas infelizmente,
quase sempre,
a maioria de nós decide não
correr esse risco.

Preferimos a dureza da
razão à leveza que exporia toda
a fragilidade humana.

Preferimos o nó
na garganta às lágrimas
que brotam do mais
profundo de nosso ser...

Preferimos nos perder numa
busca insana por respostas
imediatas à simplesmente nos entregar
e admitir que não sabemos,
que temos medo!

Por mais doloroso
que seja ter de construir
uma máscara que nos distancia
cada vez mais de
quem realmente somos,
preferimos assim:
manter uma imagem
que nos dê a sensação
de proteção...

E assim,
vamos nos afogando
mais e mais
em falsas palavras,
em falsas atitudes,
em falsos sentimentos...
Não porque
sejamos pessoas mentirosas,
mas apenas porque nos perdemos
de nós mesmos e já não sabemos
onde está nossa brandura,
nosso amor mais
intenso e não-contaminado...

Com o passar dos anos,
um vazio frio e escuro nos faz
perceber que já não
sabemos dar e nem pedir
o que de mais
precioso temos a compartilhar...
doçura, compaixão...
a compreensão de que todos
nós sofremos,
nos sentimos sós,
imensamente tristes e choramos
baixinho antes de dormir,
num silêncio que
nos remete a uma saudade
desesperada de nós mesmos...
daquilo que pulsa
e grita dentro de nós,
mas que não temos coragem
de mostrar àqueles que
mais amamos!

Porque, infelizmente,
aprendemos que é melhor revidar,
descontar, agredir, acusar,
criticar e julgar do
que simplesmente dizer:
"você está me machucando...
pode parar, por favor?".

Porque aprendemos
que dizer isso é ser fraco,
é ser bobo,
é ser menos do que o outro.
Quando, na verdade,
se agíssemos com o coração,
poderíamos evitar tanta dor,
tanta dor...

Sugiro que deixemos explodir
toda a nossa doçura!

Que consigamos
não prender o choro,
não conter a gargalhada,
não esconder tanto o nosso medo,
não desejar parecer
tão invencível...

Que consigamos não
tentar controlar tanto,
responder tanto,
competir tanto...

Que consigamos docemente viver...
sentir, amar...
apesar de todo o risco que
isso possa significar...

TEXTO: Rosana Braga
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 11 de Fevereiro de 2.011.

A vida é um rio...

"Liberdade significa responsabilidade,
é por isso que tanta gente tem medo dela."
(George Bernard Shaw)

Imagine que a vida é um rio,
que de um lado da margem está você e do outro,
os seus sonhos.

Muitas pessoas conseguem enxergar
facilmente a margem do outro lado do rio
porque colocam seus sonhos em
local de fácil alcance,
onde podem avistar sempre.
Outros no entanto,
colocam seus sonhos tão longe de suas vistas,
desejam coisas tão malucas,
que nem com o binóculo mais potente
conseguem enxergar o outro lado.

Para chegar aos sonhos,
a vida nos oferece um barco chamado
"esperança" com dois remos.
Um dos remos chama-se "fé",
o outro "ação".
Muitos possuem tanta fé que usam apenas
esse remo para alcançar seus objetivos
e o barco da esperança não sai do lugar,
fica rodando em volta sem direção
e cada vez mais longe do destino.

Outros, ansiosos e truculentos,
acreditando em suas forças,
pegam apenas o remo "ação"
e também não sem do lugar,
remam, remam e remam até ficarem
cansados e desistirem dos seus sonhos
por julgarem impossíveis atravessarem
o rio da vida.

Normalmente,
têm sempre uma desculpa para seu fracasso,
e quase sempre é culpa de outras
pessoas ou das condições do Universo.

Aqueles que são humildes o bastante
para aprender a lição,
entram no barco da esperança e pegam
os dois remos,
unem a fé com a ação e atravessam o rio
várias vezes na sua vida,
porque aprenderam que não existe
conquista apenas
pela força e nem vitória
apenas com a fé.

Pegue seu barco (esperança),
junte os remos(fé + ação) e atravesse
o rio da vida com mais tranquilidade.

Eu acredito em você!

TEXTO: Paulo Roberto Gaefke
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 10 de Fevereiro de 2.011.

Questão de fé

Uma diferença básica entre quem
tem fé e quem não tem,
é que quem tem possui mesmo
sem ter e quem não tem,
mesmo tendo, jamais possuirá.
É a ponte que separa o negativo do positivo.

Segundo a Bíblia o povo de Israel
andou quarenta anos no deserto
em busca de Canaã;
eles avistaram a terra prometida,
mas jamais a possuíram,
por causa de murmurações,
de atitudes negativas.

Ansiedade, medo,
inquietação e insegurança são
sinais de falta de fé.
Quem acredita e espera
não desfalece.

É possível se sentir
fragilizado e cansado.
É até possível chorar
nos momentos difíceis.

Isso não é fraqueza,
é perfeitamente humano,
pois somos feitos
de carne e emoções que,
querendo ou não,
mexem com a gente.

Ninguém pode dizer que possui
uma fé suficientemente forte
pra nunca ter se sentido
sozinho e fraco.

O que é preciso evitar é que esses
sentimentos fiquem tempo bastante
para que criem raízes.
Aí sim,
temos um problema.

Mas uma pessoa que possui um mínimo
de fé vai sempre erguer a cabeça,
nunca vai desanimar.
Ela sabe, de antemão,
que aquilo é passageiro,
pois há Alguém bem maior do que
qualquer problema que pode nos atingir.

Não é por que perdemos uma batalha
que perdemos a guerra;
não é por que não chegamos em primeiro
lugar que podemos deixar de chegar.

Cada coisa no seu tempo.
A questão é saber esperar,
com confiança.

A fé remove montanhas?
Remove sim.
Montanhas de desespero;
montanhas de noites mal dormidas
e sonhos desfeitos;
montanhas de rostos tristes
e rios de lágrimas.

Só a fé pode trazer coisas
construtivas para a nossa vida.
É por isso mesmo que sem ela
é impossível agradar a Deus,
pois só Ele se agrada de pessoas
que sabem e confiam que Ele nunca
vai abandoná-las.

TEXTO: Letícia Thompson
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 09 de Fevereiro de 2.011.