sábado, 30 de junho de 2012

Determine e vença

Entre o caminho floridos
dos seus sonhos,
e os espinhos pesados
da realidade.

Existe uma margem por
onde podemos avançar
em segurança.

É a determinação
que colocamos em
cada sonho,
é a força de adulto
com a inocência da
criança.

Nesse misto de
"tudo posso"
com
"vou experimentar",
nasce uma
força incrível que leva
vários nomes:

- os filósofos chamam de
"Superação Humana";
- os invejosos, de pura sorte;
- os maledicentes,
de sorte de principiante;
- os religiosos, de milagre.

Já a vida,
essa Sábia instrutora
chama essa conquista
de Mérito.
Ou seja,
ela reconhece em
você capacidades para
conquistar o que deseja.

Talvez,
neste dia onde o
Sol ilumina e a chuva
refresca,
tudo o que você
precisa é acordar dentro
de você,
essa pessoa que a Vida
conhece e sabe que
merece mais.

E,
que talvez esteja
deitada em meio aos
problemas,
afundada em preocupações
excessivas e inúteis.

Esteja esperando uma
mão milagrosa e salvadora
que não virá.

A salvação
está ai dentro de você!

Esperando um gesto
de mudança para despertar
uma fera.
Uma fera capaz de conquistar
o mundo que deseja.
Com atitudes vencedoras no
caminho do sucesso.

Levante a cabeça e olhe
para o mundo.

Com um sorriso no rosto
e uma esperança no coração.
Deus te entrega
o monte para
que você o conquiste,
com a palma da
sua mão.

TEXTO: Paulo Roberto Gaefke
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 07 de Julho de 2.012.

Viva a vida...

Por muito tempo eu pensei
que a minha vida
fosse se tornar uma vida
de verdade.

Mas sempre havia
um obstáculo no caminho,
algo a ser ultrapassado antes
de começar a viver,
um trabalho não terminado,
uma conta a ser paga.

Aí sim,
a vida de verdade começaria.

Por fim,
cheguei à conclusão de que
esses obstáculos eram a minha
vida de verdade.
Essa perspectiva tem
ajudado a ver
que não existe um caminho
para a felicidade.

A felicidade é o caminho!

Assim,
aproveite todos os momentos
que você tem.
E aproveite-os mais se
você tem
alguém especial para
compartilhar,
especial o suficiente para
passar seu tempo...
e lembre-se que o
tempo não espera ninguém.

Portanto,
pare de esperar
até que você termine
a faculdade;
até que você volte para
a faculdade;
até que você termine
a pós-graduação ou mestrado;
até que você perca 5 quilos;
até que você ganhe 5 quilos;
até que você tenha tido filhos;
até que seus filhos tenham
saído de casa;
até que você se case;
até sexta à noite;
até segunda de manhã;
até que você tenha comprado
um carro,
moto ou uma casa nova;
até que seu carro,
moto ou sua casa
tenham sido pagos;
até o próximo verão,
primavera, outono,
inverno;
até que você esteja aposentado;
até que a sua música toque;
até que você tenha terminado
seu drinque;
até que você esteja sóbrio
de novo;
até que você morra,
e decida que não há hora melhor
 para ser feliz
do que AGORA MESMO...

Por isso...

Trabalhe como se você não
precisasse de dinheiro.
Ame como se você nunca
tivesse se machucado.
Auxilie como se fosse rotina.
Brinque como se fosse criança.

Perdoe como gostaria
que fosse perdoado.
E dance como se ninguém
estivesse olhando!"

VIVA A VIDA...

TEXTO: Henfil
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 02 de Julho de 2.012.

sábado, 23 de junho de 2012

Indubitavelmente

Não procure todas
as respostas no invisível,
nem deixe para ser feliz
lá no futuro.
Não se contente com apenas
uma pergunta,
nem se vanglorie de saber muito
sobre alguma coisa.

Não acredite em tudo o
que ouve ou lê,
não se fie nessa ou naquela
experiência.

Ouça conselhos,
mas analise-os,
use com coerência.
Saiba perdoar, sempre,
mas não seja a vítima
dos espertinhos.

Não se faça de superior,
mas não deixe pisarem
na sua vida.
Caminhe com retidão,
seja honesto,
tenha metas.

Não se envergonhe de ficar rico,
nem de viver na pobreza.

Ambas são situações que
podem ser modificadas.
Saiba que você é o Senhor
da sua Vida.

Existem milagres que
habitam em você,
e o que hoje é muito triste,
poderá servir de alavanca
para o seu crescimento.

E com todos os problemas,
com toda desilusão deste dia,
ainda assim, a vida,
indubitavelmente te
serve uma lição.

Cabe a você,
prestar a tenção,
enxugar as lágrimas da revolta,
se fortalecer e vencer.

Pois tudo deve ser feito
com dedicação,
amor e persistência.

A ponte
mais alta começa num
simples rabisco em
folha de papel.

O maior arranha-céu,
com vigas no chão.

A maior fortuna,
com poucas moedas na mão.
Tudo pode ser transformado!

Comece pelas suas idéias,
objetivos e sonhos.
E nada,
absolutamente nada vai
poder te segurar!

Eu acredito em você.

TEXTO: Paulo Roberto Gaefke
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 29 de Junho de 2.012.

Quebra-cabeça da Vida

Ganhei de um amigo,
há dois meses,
um quebra-cabeças de
1.500 peças.

Eu não montava um
quebra-cabeça desde que
era criança.

É engraçado como nós deixamos
de fazer certas coisas quando crescemos:
quebra-cabeças, colorir,
brincar com bonecas,
pular corda,
pique de esconder...

Coisas que nos trouxeram tanta
alegria quando criança,
nós paramos de fazer
quando alcançamos uma certa idade,
é uma vergonha,
não é?

Devo admitir,
eu realmente aproveitei
o quebra-cabeças.

Embora
muito frustrante às vezes,
era um bom desafio.
Cada vez que eu achava uma peça
que se encaixava,
era extremamente
recompensador.
Bom, e daí?

Você já percebeu quantas
semelhanças existem entre um
quebra-cabeças e a vida?

Num quebra-cabeças,
cada peça é parte muito
importante no grande quadro.
Na vida,
são as pessoas e os
acontecimentos as partes
importantes.

Como peças de um quebra-cabeças,
cada um de nós é único,
especial em seu próprio jeito.
Embora semelhantes,
não há dois iguais.

Ironicamente,
são nossas diferenças que nos fazem
"encaixar".

Enquanto eu
trabalhava no quebra-cabeças,
havia uma peça que eu
estava certa
de pertencer à um ponto
em particular.
Mas não encaixava.

Acabava voltando
a ela tentando encaixá-la,
me esquecendo que já
havia tentado.

Eu tinha meu pensamento
focado no fato de que
eu sentia que a peça era
daquele espaço.

Penso em quantas
vezes eu fiz a mesma coisa
em minha vida.
Tentando fazer acontecer
alguma coisa que
simplesmente não era
pra ser.

Tentava várias vezes,
chegava ao ponto de forçar,
mas não era pra ser...
E nada do que eu fiz
mudou isso.

Se você já
montou quebra-cabeças,
sabe como é perder tempo
procurando um
pedaço específico.

De repente parece tão óbvio...
mas eu não conseguia achar.
Consegui foi embaralhar ainda
mais as peças.

Fiquei frustrado e decidi
deixar pra lá e ficar
longe dele.

Quando voltei mais tarde,
eu achei a peça imediatamente.
Estava bem na minha frente
desde o começo.

Minha vida foi assim
muitas vezes.
Tentava entender por que
certas coisas aconteciam e do
jeito que aconteciam.
Procurava as respostas por
todos os lados e,
às vezes,
as respostas estavam
bem na minha frente.

Era só dar uma paradinha,
um pequeno passo atrás,
respirar e acalmar que as
respostas me encontravam.

Olhando as peças
deste quebra-cabeças,
eu penso nas "peças"
de minha vida:
minha família,
meus amigos,
acontecimentos,
marcos e celebrações.

Uma mistura de bom e ruim,
alegria e lágrima,
felicidade e tristeza.

Penso em todas as peças
que imaginei sem importância
e sem propósito.

Reflito em todas as peças que em
minha vida me fizeram perguntar...

"Por que, meu Deus?"...
"Por que isto?"

E repentinamente percebi que por
causa dessas peças,
outras peças se
encaixaram tão bem.

Tudo em nossa vida acontece
por uma razão.

Cada acontecimento,
bom ou mau,
como uma peça do
quebra-cabeças.

Deixe uma peça de fora
e se quebra a harmonia inteira
do produto final.

Talvez ainda não possamos entender
o papel importante de cada
peça em nossa vida.

Ainda existem muitos buracos
e o quadro ainda não
está claro.

Mas sei que quando
minha viagem nesta vida
estiver concluída,
e a peça final
estiver em seu lugar,
eu entenderei.

E serei capaz de ver
o quadro completo e a beleza
de cada peça.

Até lá,
eu continuarei a
viver com fé.
Sabendo e confiando
que todas as peças que eu
preciso estão ai e
que é só
uma questão de tempo até
que se encaixem bem.

Lembrarei de que há um
grande quadro,
um plano para mim,
e que sou incapaz
de ver agora.

Acreditarei que cada peça
em minha vida,
mesmo as dolorosas,
tem propósito e
cumprem papel importante.

E quando estiver fraca,
procurarei força pela oração.

Farei isto até que a obra-prima
de Deus em mim estiver
finalmente completa,
e Ele então cochichará...

"Muito bom! Está feito!"

TEXTO: Amy Toohill
TRADUÇÃO: Sérgio Barros
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 28 de Junho de 2.012.

O COLECIONADOR DE PROBLEMAS

Em uma aldeia onde haviam
muitos colecionadores.
Passavam a vida
colecionando objetos descartados
pelas outras pessoas.

Os colecionadores descobriram
que uma vez que se tenha
uma grande e variada quantidade
de artigos descartados,
eles se tornam valiosos novamente.

Um colecionador tinha uma
provisão esplêndida de
garrafas de vidro.

Ele chamava a atenção
pendurando algumas em árvores
e criando música batendo
com varas.

Outro colecionava sapatos
de todos os tamanhos.
Ele comentava o quanto
variava o tamanho e as formas
dos pés das pessoas.

Havia colecionador de panela,
colecionador de selos,
de taco de golfe
e colecionadores de chapéu,
de livros cômicos e colecionador
de cartão esportivo.

Na verdade,
era uma verdadeira coleção
de colecionadores.

Um dia um velho homem
chegou à cidade e vagando
pela aldeia perguntava onde
ficava a praça dos colecionadores.

Ele levava um grande pacote,
mas não parecia estar
carregado nem muito pesado.

Ele encontrou a praça dos
colecionadores e se alojou
em um canto.

Naturalmente,
os colecionadores descobriram
que havia um novo
colecionador na cidade,
e eles queriam saber o que
ele tinha no pacote.

Ele respondeu que nada
havia mas apenas seu almoço
e uma capa de chuva para
o caso de chover.

- Você quer dizer que não tem uma coleção?
- eles perguntaram -
Você não é um colecionador?

- Oh, sim. - ele respondeu -
eu sou um grande colecionador.
Mas o que eu coleciono
não cabe em um pacote
ou uma caixa.
Eu coleciono os problemas e as
preocupações das pessoas.

Esta era uma idéia estranha e
lhe pediram que explicasse.

- Bem, veja você,
eu descobri há muito
tempo que entre as coisas
que todos querem se livrar
existem as preocupações,
os problemas, fardos pesados,
tristezas, tempos difíceis -
todo este tipo de coisas que
jogam as pessoas para baixo e faz
suas vidas mais tristes.

Assim eu me ofereço para
colecionar estes problemas e elas
se sentem bem.

Não é simples?

Alguns dos colecionadores
pensaram que era uma convicção
tola e possivelmente isso era perigoso
à reputação de sua profissão.

O velho não
parecia prejudicar ninguém,
entretanto,
assim eles o deixaram só.

Logo apareceu alguém
e perguntou como
ele colecionava problemas,
e ele respondeu,
- Bem,
há algo provavelmente
em sua vida que o aborrece
agora mesmo -
um pouco de preocupação
que você tenha.

Me fale um pouco sobre isto e eu a
acrescentarei à minha coleção.

- Mas como isso me ajudará?
Você pode desaparecer com o
problema só porque lhe
falo sobre isto?

- Não, mas você se sentirá melhor.
Tente.

Assim a pessoa falou para
o velho sobre algo que era um problema.

Quando a história terminou,
o colecionador de problemas acenou
com a cabeça algumas vezes,
elevou as mãos como se erguesse
algo pesado e fingiu colocar
no pacote.

- Pronto!
Eu guardei este.
Como você se sente?
Perguntou.

A pessoa que tinha o problema respondeu:
- Estranho.
Me sinto bem.
Eu acho que posso controlar
o problema muito melhor agora.

Realmente funciona!

As palavras se espalham ao vento.
Logo havia uma multidão em volta do
colecionador de problemas.

Um dia,
uma mulher apareceu na aldeia
caminhando lentamente e com
considerável dificuldade.

Logo a levaram ao
colecionador de problemas.

Quando ele explicou a ela que tipo
de colecionador ele era,
ela começou a lamentar:
- Oh,
você não sabe quantas
problemas e pesados fardos
há neste mundo.
Eu venho de uma cidade onde há
mais problemas do que em
qualquer outro lugar.

Todos sofrem e ninguém tem
qualquer esperança.

E o pior é que as autoridades
da cidade prosperam passando
por cima dos problemas do povo.
É um lugar horrível,
desesperador.
Eu tive que partir.
Era a única esperança
que eu tinha.

O colecionador de problemas
ficou sério.

Se levantou e ergueu o pacote com
um gesto que era mais lento e mais
doloroso que o normal.

Depois de um longo silêncio,
falou lentamente.
- Eu tenho que ir até lá.

Os aldeãos e a mulher
fizeram um grande protesto.

Eles não queriam perder o
colecionador de seus problemas.
Tinham medo de como ficaria a
cidade e lhe imploraram
que ficasse.

O velho se escapuliu
no meio da noite.

Muito tempo se passou até que
um cansado jovem entrou na aldeia.
As pessoas sabiam,
sem perguntar,
que ele vinha da cidade.

Eles o ajudaram da melhor
forma que podiam,
e quando ele estava se
sentindo melhor,
lhe perguntaram se sabia do
velho que tinha partido para a cidade
várias semanas atrás.

- Conheci sim!
Este homem entrou quieto na cidade e,
no princípio,
ninguém o notou.
Então de vez em quando você
poderia vê-lo conversando com pessoas
- escutando principalmente.

Quando um pessoa terminava de falar,
ele curvava a cabeça e fazia
estranhos gestos com as mãos
e a pessoa começava a se
sentir melhor.

Pela primeira vez em um longo tempo,
as pessoas da cidade começaram a
se sentir melhor e ter um
pouco de esperança.

- Sim, nós sabemos.
Ele fez isso aqui também.

Respondeu um dos aldeãos.

- Bem,
não levou muito tempo
para as autoridades o notarem.
Lhe mandaram partir e deixar
de se intrometer nas vidas de
outras pessoas.
Ele simplesmente recusou.
Disse o jovem da cidade.

E com os olhos tristes e um nó na garganta,
continuou:
- Eles o colocaram na prisão,
mas lá ele colecionou os problemas
dos outros prisioneiros.

Finalmente,
as autoridades decidiram que ele
era uma ameaça subversiva
ao sistema.
Assim eles o executaram.

Os aldeãos ofegaram.
Alguns começaram a chorar.

- Eu sinto muito por lhes trazer
estas tristes notícias.
Ele também era meu amigo.

- É doloroso para nós,
você sabe.
Como faremos agora que
ele morreu?

De repente o rosto do jovem
ficou iluminado.
- A idéia ainda funciona!
Ele exclamou.
Colecionar problemas ainda funciona!
Você pode fazer isto para mim,
e eu posso fazer isto para você.
Ele só nos mostrou como fazer!

O jovem saltou,
cheio de energia e com força renovada.
- Estou voltando para a cidade!

- Mas o que fará você por lá?
- vários aldeãos perguntaram em harmonia -
Você ficou doido?
Lá existem muitos problemas.

- Exatamente! Exatamente!
- ele continuou -
É por isso que eu vou.

Aprendi a lição,
vou ajudar as pessoas a
se sentirem melhor.

Me tornarei um colecionador
de problemas!

O que tenho a fazer é simples:
basta ouvir as pessoas.
Fazer com que elas se abram,
desabafem e, assim, reflitam melhor,
sintam-se mais leves.
E hei de espalhar o que aprendi.
Hei de criar novos colecionadores
de problemas.

Ei você!
É, você que está lendo este texto!
Quer se tornar um colecionador
de problemas?

TEXTO: Léo Remington
TRADUÇÃO: Sérgio Barros
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 27 de Junho de 2.012.

DEPENDÊNCIA

Competência, planejamento,
determinação,
espírito de equipe e amor
são as qualidades essenciais para
ser dono do futuro.
Mas também é preciso ter fé,
acreditar.
- Roberto Schinyashiki -

Não dependamos
emocionalmente de
ninguém.

Todos somos interdependentes,
no entanto cada qual tem
o direito de efetuar
as suas próprias escolhas.

Quem depende
psiquicamente de uma outra
pessoa para
viver está doente,
reclamando,
por isto mesmo,
inadiável tratamento.

Não escravizemos
ninguém às nossas ideias
e ao nosso modo de ser,
tanto quanto não
nos permitamos nos escravizar,
a ponto de nos anularmos
em nossa
própria vontade.

Todo excesso no campo afetivo,
a pretexto de amor,
é simples posse,
paixão
disfarçada gerando
desequilíbrio.

O pensamento fixo que
nos ocupa a
cabeça é sinal evidente
de que algo não
está bem conosco
e carecemos de reconhecer isto,
se não quisermos nos
precipitar em abismos de
maiores sofrimentos.

Ninguém deve entregar-se
totalmente a alguém,
a não ser a Deus!

Todos somos
afetivamente carentes,
mas não nos prevaleçamos
disto para
inspirar piedade a nosso respeito
ou realizar chantagens
emocionais.

Quem se doa aos outros,
sem pensar em si,
receberá de volta o que
necessita na medida exata do
que houver cedido.

Embora as
nossas ligações cármicas,
saibamos que não somos de todo
insubstituíveis no carinho de
quem quer que seja.

Sempre ser-nos-á possível
encontrar alguém
na estrada do destino que,
não sendo necessariamente
quem imaginamos,
poderá nos surpreender
como o agente
da felicidade que esperamos.

TEXTO: (Do livro “Lições da Vida” - Carlos A. Baccelli/Irmão José).
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 25 de Junho de 2.012.

sábado, 16 de junho de 2012

Mudando Paradigmas

Enquanto pensamos
e formulamos nossas teorias.
O mundo vai seguindo a sua marcha,
sem cores definidas.

Todos os dias,
a oportunidade de mudança
chama pessoa por pessoa.

Cada habitante deste mundo
tão vasto e convida,
ora carinhosamente,
através das situações.
Ora impondo a sua vontade
através da dor.

E a cada um é dado
segundo a sua determinação
e a sua crença.

Há os que acreditam em pedras,
outros em astros.
Alguns em
"deuses poderosos",
capazes de mudarem toda
a humanidade.

E os séculos passam
e fica bem claro que só o
próprio homem pode mudar
a sua história.

O milagre que muitos esperam
cair de algum lugar,
existe dentro de cada
um de nós.

Somos o próprio milagre,
por exemplo,
quando decidimos abandonar
um vício.
Quando quebramos paradigmas.
Inventamos vacinas,
transplantes, cirurgias,
tratamentos diversos que
mudam a história.

Antes carros de boi,
depois foguetes.
Antes um telefone chiado,
agora o 4G disparado.

O mundo passa na sua porta e chama:
- Vem participar da mudança.
Vem ser milagre na vida de alguém.
Pelo menos na sua!

Esta noite, ao se deitar,
não pare para lamentar nada.
Pense na mudança que deseja
ver na sua história.
Trace novos rumos,
novos caminhos.

Quebre as "verdades"
que colocaram na sua cabeça,
e faça a sua própria história.

O sucesso é um
passo que damos além
das nossa mediocridade em
aceitar que não podemos
isso ou aquilo.

Nós podemos!

Nós somos sementes
e frutos.
Somos anjos e demônios.

Somos o milagre que se perpetua
no tempo que desafiamos.

Você pode mudar tudo,
ainda hoje,
nesse exato momento
em que decide
deixar de apostar no fracasso
e na incapacidade que toda
vítima tem,
e se torna um vencedor
passando por cima das
próprias fraquezas.

E pega todas as derrotas
do passado e as transforma
em pedras para erguer
o seu sucesso.

Não desista de nada,
até que tenha tentado tudo!

Eu acredito em você!

TEXTO: Paulo Roberto Gaefke
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 23 de Junho de 2.012.

Fendas no coração

Quando nascemos nosso
coração é inteiro.
Fechado, envolto,
é aos pouquinhos que vai
se abrindo e aprendendo o que
é o amor e a dor.

Com o passar dos anos vamos
nos entregando às paixoes,
às esperanças,
às expectativas de encontrar
a felicidade.
E as decepções chegam...
e o fechamos!

Nosso erro é fechá-lo
com mágoas por dentro,
com as feridas que, sem ar,
sem a possibilidade de
carinho que entre,
possam cicatrizar.

Por isso pessoas amarguradas
podem ficar assim até a morte.

É preciso deixar uma fenda
onde as tristezas possam
se evacuar,
onde elas liberem lugar
para que o amor entre novamente.

Só que é preciso ter
o cuidado para não deixar uma
fenda grande demais!...

Um coração cansado
e carente é uma presa fácil.

Pessoas que vivem
desgastadas por uma vida
inteira onde os sonhos
parecem já não mais existir,
podem confundir com amor
a necessidade de sentir de novo
emoção e paixão.

Pessoas que encontram
a sua alma-gêmea no momento
exato que se sentem
fragilizadas precisam ter o cuidado
para não cair nessa
armadilha.

Sei que é difícil ser objetivo
nessas horas.

A monotonia do nosso
dia pode fazer
com que vejamos as coisas
de fora bem mais bonitas
do que são realmente.

Há um momento onde
queremos voltar
no tempo da adolescência
e sonhar de novo com
um grande amor,
queremos paixão,
queremos sentir de novo
o coração batendo mais forte,
queremos a dor no estômago
da espera de um encontro marcado,
a felicidade misturada
com ansiedade ou não sei o quê.

Nessas horas deixamos
uma fenda grande demais
no coração e um pouco de atenção,
uma palavra carinhosa
ou um gesto gentil podem
entrar e tomar forma de amor,
que na realidade amor nao é:
é necessidade!
Necessidade de reviver.

Sei como dói ouvir coisas assim,
porque então tudo parece
ainda mais sem sentido.
Só nós sabemos o que vai
por dentro do nosso peito.

E, portanto...
deixe o tempo passar...
a pessoa perfeita já não
será assim tão perfeita,
o grande amor que chegou já não
vai parecer assim tão grande.

Quando estamos nos afogando
é fácil segurar a primeira
tábua que nos cai nas mãos,
mas isso pode ser apenas
um meio da gente nadar até a
praia para ver novos horizontes.

Uma vida mal resolvida não
encontra soluções
mágicas em um amor que
acabou de chegar.
Cada coisa no seu tempo.

Antes de deixar entrar
alguém pela fenda do seu coração,
jogue fora sua infelicidade.
Faça faxina interna,
coloque ordem,
resolva sua vida.
Depois siga em frente...
um amor verdadeiro talvez
te espere do outro lado,
mas então você vai saber
que não o tem por carência,
mas porque a vida resolveu te dar
uma segunda chance.

TEXTO: Letícia Thompson
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 22 de Junho de 2.012.

Reflexões para o seu dia a dia

As pessoas estão cada
vez mais se preocupando
com o corpo;
frequentam academias,
fazem dietas para emagrecer
ou engordar,
ou ainda optam pelo uso de
silicones ou recorrem a
cirurgias plásticas.

Mas eu pergunto,
e a alma?

Como eliminaremos
as toxinas do nosso interior?

É fácil,
basta darmos espaço
para a felicidade,
que ela se ajeitará direitinho
dentro de nós.

Isto acontece
quando eliminarmos o ódio,
que é uma doença da alma,
que quando instalada dentro
de nós poderá a vir
a desencadear um tumor
maligno em nosso corpo.

Outra maneira de sermos
felizes é eliminando a vingança,
que faz com que as forças
negativas atuem em sua vida.

Deixe que Deus se
encarregue daqueles
que erraram,
não guarde energia negativa
em seu interior.

Outra forma de encontrar
a felicidade é eliminando
a amargura,
que se reflete pela tristeza
no seu olhar distante
e sem brilho.

Seja feliz,
afaste esse mal.

Outro fator que não
deixa você ser feliz é a inveja,
não perca tempo desejando
aquilo que é do outro,
pois não terá
tempo para traçar suas
metas e conseguir
atingi-las,
pois você estará ocupado
com este sentimento doentio.

E por último,
elimine o orgulho,
ele colocará você no
isolamento e com certeza
você se sentira frustrado.

Pense nisto,
elimine o ódio, a inveja,
a amargura,
a vingança e o orgulho.

Substitua todos estes
sentimentos pelo
amor e você se sentirá
em paz.

Você verá que a
felicidade não tinha espaço
para se instalar dentro
de você,
pois estes sentimentos
ocupavam todo seu interior.

Agora sim,
pode cuidar do corpo físico,
pois ambos estão saudáveis,
as toxinas da alma foram eliminadas,
e a saúde do corpo restaurou-se.

Portanto: Viva feliz,
“Oriente sua mente e mude
a sua vida”.

TEXTO: Yuri Athayde
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 21 de Junho de 2.012.

É IMPOSSIVEL SER FELIZ SOZINHO...

Tenho insistido no fato
de que todos nós
temos uma sensação de buraco,
de que falta alguma coisa.
Temos, pois,
um sentimento de inferioridade
que é universal.

Ele está presente em todas
as pessoas,
inclusive naquelas que
se mostram autoconfiantes
e orgulhosas de si mesmas;
são apenas criaturas mentirosas,
além de competentes em
artes cênicas.

Foi a constatação dessa
sensação que levou o poeta a afirmar:
"é impossível ser feliz sozinho".
Ou seja,
a sensação da harmonia
que buscamos só poderá ser
encontrada a dois,
na união amorosa.

Essa foi também a posição
que assumi nos últimos vinte anos.
Defendi o amor romântico,
a aliança intensa e forte
entre um homem e uma mulher,
como o grande remédio para o desamparo
que nos acompanha.

Ressaltei que a sensação
de desamparo vinha aumentando,
pois,
até algumas décadas atrás,
o aconchego era resultado
da forte aliança que unia
as famílias em clãs.

As grandes famílias rurais,
cheias de filhos,
sobrinhos e tios,
crentes em Deus e que,
juntas com outras famílias,
formavam comunidades onde
todos se conheciam,
traziam grande atenuação
para o desamparo.

É claro que tudo tem um preço.
Nesses grupos não havia espaço
para a individualidade,
opiniões divergentes ou
excentricidades.

A vida nas grandes cidades
é hoje bem mais livre
e tolerante para
com o exercício de uma
forma pessoal de ser.
Por outro lado,
a sensação de solidão
cresceu muito.

Usamos essa palavra
– de forte conotação negativa
que provoca pavor só de ser pronunciada –
para definir a dor que deriva de
nos sentirmos incompletos.

Acho que a solidão
envolve também uma certa vergonha,
como se a pessoa sentisse
menos competente
para encontrar um parceiro.

Poderia, porém,
ser diferente:
talvez deveríamos ter orgulho
da nossa capacidade de ficar sós,
coisa difícil e que nem todo
mundo consegue.

O amor romântico apareceu
como o grande
neutralizador da solidão crescente,
que chegou com a industrialização
e com a migração para os
centros urbanos.

No passado,
o casamento se realizava
por meio de arranjos familiares;
agora, é fruto do amor,
da escolha voluntária dos jovens,
mais donos de suas vidas
e seus destinos.

O amor apareceu –
e foi louvado por todo mundo,
inclusive por mim –
como o grande remédio
para o nosso desamparo,
como algo que nos permite
sentir a completude
e a harmonia perdidas,
mas presentes em algum canto
na nossa memória.

Na prática, porém,
as coisas não vêm se passando
exatamente como prevíamos.

O conto de fadas,
no qual embarcamos,
tem esbarrado em vários
obstáculos.

O maior deles deriva de u
ma tendência para o crescimento
da nossa individualidade.

Continuamos sonhando
com o amor,
é verdade;
mas estamos cada vez
menos dispostos a fazer
concessões,
a ceder às pressões
do parceiro.

O desejo romântico quer o
par sempre junto,
ao passo que cada indivíduo
pode estar interessado em ir
para uma direção diferente.

Aí se trata uma inevitável
e cansativa luta pelo poder,
na qual ninguém fica
satisfeito.

É nesse ponto das
reflexões que me fiz uma pergunta:
somos mesmo incompletos ou
apenas nos sentimos assim?

Confesso que fiquei meio atrapalhado,
perturbado mesmo,
quando deparei com uma
resposta óbvia,
mas que jamais tinha me ocorrido.

A sensação de incompletude não é,
obrigatoriamente a expressão
de um fato.

O trauma do nascimento
nos marca e provoca
essa sensação.

Mas somos indivíduos
inteiros e completos.

Pensar assim poderá nos conduzir a
uma fascinante aventura.

TEXTO: Flavio Gikovate
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 20 de Junho de 2.012.

VENCER É ENTENDER...

Às vezes,
olhando por todos os lugares,
você é capaz de ver que
não é só a guerra que tem batalhas,
mas também, o dia-a-dia.

É só parar para pensar
que você pode descobrir
o quanto você já
venceu esta batalha
somente por ter participado!

É assim,
e um pouco mais também!

A vida tem lá os seus sofrimentos,
mas que graça teria se
não houvesse esses sofrimentos?

A vida também tem lá
os seus conflitos, angustias,
decepções;
mas iria ser uma vida
muito monótona se
não tivesse esses tais
desesperos e outros mais.

Não espere que
você vença toda a guerra,
todo o conflito,
a angustia,
a decepção que você poderá
se dar mal!

Tenha confiança na
medida certa,
exata,
para que não desande
os teus planos!

Vencer não é ir até o
fim da guerra,
ou da batalha,
porque corrigir os erros,
mudar de opinião
e ir em busca da resposta
certa e da felicidade
é ganhar tudo isso somente
com uma atitude:
a conscientização!

TEXTO: Pedro Bial
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 18 de Junho de 2.012.

sábado, 9 de junho de 2012

Mudança, mudanças...

"Progresso é impossível
sem mudança.
Quem não consegue mudar a própria
mente não pode mudar coisa nenhuma."
- George Bernard Shaw -

Se você ainda insiste
naquela ladainha:
- Eu nasci assim e quem quiser
que goste assim!
Ou aquela famosa frase dos
"cabeças-duras":
- Eu não vou mudar nunca.
Gostou, gostou.
Não gostou tchau!

Pode ir repensando a frase,
ou a própria vida!

Ninguém,
nem as pedras ficam
isentas de modificações.

O tempo,
sábio mestre silencioso,
molda a tudo e a todos.

Junto com a própria Vida,
o tempo traz elementos
de mudança:
- para uns, o amor,
que tudo transforma.
- para outros, a dor,
que não deixa sombra de
dúvidas sobre a
necessidade de mudar.

Ai de quem não se dobrar
perante o tempo!

Ai daqueles que fecham
o coração e trancam a mente
numa pobre rebeldia.

Pessoas desgovernadas que
"se acham"...

A vida tem oferecido
muitos desafios?
Seu dia está cheio
de problemas?
Faz tempo que você não encontra
alguém legal?
Seu relacionamento vive
de altos e baixos?
Seu emprego é sempre
"ruim"?
Sua escola e seus professores
são castigos?
Você odeia a segunda-feira tanto
quanto ama a sexta-feira?

Recicle os pensamentos!

Aceite as mudanças
que a vida pede.
Não espere a dor virar
"crônica"
para buscar ajuda.

Nem sempre conseguimos
fazer mudanças,
como nos vícios por exemplo.
Nessa hora,
o espírito orgulhoso que
acompanha os
"turrões",
deve encontrar-se com
a humildade e pedir
ajuda!

É tempo de mudanças
possíveis.

As impossíveis,
o próprio
tempo se encarregará
delas.

Aceite as mais urgentes
e comece agora.

Um passo de cada vez,
rumo a sua vitória pessoal.

Eu acredito em você

TEXTO: Paulo Roberto Gaefke
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 16 de Junho de 2.012.

QUANDO OS PAIS ENVELHECEM...

"Honra a teu pai e a tua mãe,
para que se prolonguem
os teus dias na terra que o
SENHOR teu Deus te dá."
- Êxodo 20.12 -

Talvez a mais rica,
forte e profunda experiência da
caminhada humana seja a de
ter um filho.

Ser pai ou mãe é provar
os limites que constituem o sal e o
mel do ato de amar alguém.

Quando nascem,
os filhos comovem por sua fragilidade,
seus imensos olhos,
sua inocência e graça.
Eles chegam à nossa vida com
promessas de amor incondicional.
Dependem de nosso amor,
dos cuidados que temos.
E retribuem com gestos
que enternecem.

Mas os anos passam e
os filhos crescem.
Escolhem seus próprios caminhos,
parceiros e profissões.
Trilham novos rumos,
afastam-se da matriz.

O tempo se encarrega da formação
de novas famílias.
Os netos nascem.
Envelhecem.

E então algo começa a mudar.

Os filhos já não têm pelos pais
aquela atitude de antes.
Parece que agora só os ouvem
para fazer críticas, reclamar,
apontar falhas.

Já não brilha mais nos olhos
deles aquela admiração
da infância.
E isso é uma dor imensa
para os pais.

Por mais que disfarcem,
todo pai e mãe
percebem as mínimas faíscas
no olho de um filho.

Apenas passaram-se
alguns anos e parece que
foram esquecidos,
os cuidados e a sabedoria que
antes era referência para
tudo na vida.

Aos poucos,
a atitude dos filhos se
torna cada vez mais impertinente.
Praticamente não ouvem
mais os conselhos.
A cada dia demonstram
mais impaciência.
Acham que os pais têm
opiniões superadas,
antigas.

Pior é quando implicam
com as manias,
os hábitos antigos,
as velhas músicas.

E tentam fazer os velhos pais
adaptarem-se aos novos tempos,
aos novos costumes.

Quanto mais envelhecem os pais,
mais os filhos assumem
o controle.
Quando eles estão bem idosos,
já não decidem o que
querem fazer ou o que desejam
comer e beber.

Raramente são ouvidos quando
tentam fazer algo diferente.

Passeios, comida,
roupas, médicos, tudo,
passa a ser decidido
pelos filhos.
E, no entanto,
os pais estão apenas idosos.
Mas continuam em plena
posse da mente.

Por que então desrespeitá-los?

Por que tratá-los
como se fossem inúteis ou crianças
sem discernimento?

E, no entanto,
no fundo daqueles olhos
cercados de rugas,
há tanto amor.
Naquelas mãos trêmulas,
há sempre um gesto que abençoa,
acaricia.

A cada dia que nasce,
lembre-se,
está mais perto o dia
da separação.

Um dia,
o velho pai já não
estará aqui.
O cheiro familiar da mãe
estará ausente.
As roupas favoritas para sempre
dobradas sobre a cama,
os chinelos em um canto
qualquer da casa.

Então,
valorize o tempo de agora
com os pais idosos.

Paciência com eles quando
se recusam a tomar os remédios,
quando falam
interminavelmente sobre doenças,
quando se queixam de tudo.

Abrace-os apenas,
enxugue as lágrimas deles,
ouça as histórias,
mesmo que sejam repetidas,
e dê-lhes atenção,
afeto...

Acredite:
dentro daquele velho coração
brotarão todas as flores da
esperança e da alegria.

OBS:
Não encontramos autoria do texto acima,
mas gostaríamos de dar os créditos
merecidos a quem o escreveu.
Caso queira colaborar conosco,
envie um e-mail para:
mensagem@toninholima.com.br
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 15 de Junho de 2.012.

MORRER É PRECISO...

Estamos acostumados a ligar
a palavra morte,
apenas à ausência de vida,
e isso é um erro.

Existem outros tipos de morte.
E precisamos morrer a cada dia.

A morte nada mais é que
uma passagem,
uma transformação.
Não existe planta sem a morte
da semente,
não existe embrião sem
morte do óvulo e do espermatozóide,
não existe borboleta sem
a morte da lagarta.

A morte nada mais é que o ponto
de partida para o início de algo novo,
a fronteira entre o passado
e o futuro.

Se você quiser ser um bom universitário,
mate dentre de você o
secundarista aéreo que acha que
ainda tem muito tempo pela frente.

Quer ser um bom profissional?
Então mate o universitário
descomprometido que acha que
acha que a vida se
resume a estudar só o suficiente
para fazer as provas.

Quer ter um bom relacionamento?
Então mate dentro de você
o jovem inseguro e ciumento,
crítico e exigente,
imaturo,
egoísta ou solteiro solto
que pensa que pode fazer
planos sozinho,
sem ter de dividir espaços,
projetos e tempo com
mais ninguém.

Quer ter boas amizades?
Então mate dentro de si a
pessoa insatisfeita,
que só pensa em si mesmo,
mate a vontade de manipular
as pessoas de acordo com
a sua conveniência,
respeite os seus amigos,
colegas de trabalho e vizinhos.

Enfim,
todo o processo de evolução
exige que matemos o nosso eu passado,
inferior.

E qual o risco de não agirmos assim?

O risco está em sermos duas
pessoas ao mesmo tempo,
perdendo o nosso foco,
comprometendo a nossa produtividade,
e, por fim,
prejudicando o nosso sucesso.

Muitas pessoas ficam
assim porque continuam se
agarrando ao que eram,
não se projetam para o que
serão ou desejam ser.

Elas querem a nova etapa
sem abrir mão da forma
como pensavam ou como agiam.
Acabam por se transformar
em projetos acabados,
híbridos,
adultos infantilizados.

Devemos,
até, às vezes,
agir como meninos,
de forma a não perder
as virtudes da criança:
vitalidade, criatividade,
brincadeira, sorriso fácil,
tolerância...

Mas se quisermos ser adultos,
devemos, necessariamente,
matar atitudes infantis,
para passarmos a assumir
inteiramente os papéis de cidadãos,
pais, líderes,
profissionais...

Quer ser alguém melhor e evoluído?
Então precisa matar em
você o egocentrismo,
o egoísmo,
para que nasça o ser
que você deseja ser.

Pense nisso e morra,
mas não se esqueça de
nascer melhor ainda.

O valor não está no tempo
que as coisas duram,
mas na intensidade com que acontecem,
por isso existem
coisas inexplicáveis,
momentos inesquecíveis,
pessoas incomparáveis.

TEXTO: Fernando Pessoa
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 14 de Junho de 2.012.

Além do que podemos carregar

Ouvimos,
como motivação ou
intenção de consolo,
talvez mesmo um pequeno
raio de esperança,
que Deus não nos dá a carga
além da que podemos carregar.

É assim que suportamos,
passo a passo,
os fardos que chegam
a nós e as misérias que ouvimos,
previstas há séculos,
às quais recebemos sempre
como algo surpreendentemente
novo e assustador.

Não sabemos como
vai ser o amanhã,
mas nos sabemos cabeças
nuas e sujeitas ao que vier.
Não estamos preparados
para a dor e desolação
e jamais estaremos.

Pés calejados não suportam
melhor os calçados apertados.
É assim que,
mesmo "preparados"
mal suportamos as cargas
e com lágrimas as carregamos.

Sobrevivemos a elas
e os que não sobrevivem
é por que os limites
foram atingidos.
Se a dor vence a força
é porque a paz estava no
descanso eterno.

Compreendemos mal
essas verdades;
vivemos mal essas verdades
e se não aceitamos,
aprendemos o que significa
a resignação.

Grandes tragédias
sempre existiram.

Guerras, enchentes, terremotos,
pragas e pestes,
cidades inteiras destruídas
já são citadas no Antigo Testamento...
o que é diferente nos dias
atuais são os meios de
comunicação que tornam tudo
imediatamente acessível,
aos ouvidos e olhos.

Se não sabemos,
não sofremos;
se sabemos e não vemos,
sofremos menos.
Nosso amor a Deus não
pode ser condicional
ao que vivemos,
por que o amor dEle não
é condicional ao que oferecemos.

Isso não é uma palavra de consolo,
nem uma pequena luz de
esperança para o dia de amanhã,
mas uma verdade que nos
conduzirá ao sentimento de
paz e à vida eterna.

Se as cargas são por
demais pesadas e aparentemente
insuportáveis e continuamos
de pé é que ainda temos um
caminho pela frente,
para viver e estender a mão
aos que carregam cruzes mais
pesadas que as nossas.

TEXTO: Letícia Thompson
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 14 de Junho de 2.012.

Falando de amor

É muito bonito falar do
amor!
Todo mundo adora.
Acham lindo as pessoas
sofrerem
uns pelos outros,
agüentarem a dor do
sentimento,
chorar por ele, e,
por que não dizer,
se matarem pelo dito cujo.

Ninguém nunca parou pra
pensar na injustiça que é
cometida em tamanha
assossiação.

Quem trata o amor dessa
forma com certeza nunca
amou.
Quem acha que amor é
sofrimento,
tristeza,
dificuldades e desejos
mal resolvidos só pode ser
leigo do assunto.Eu
já escrevi muito sobre amor,
muito antes de conhecê-lo.
Por várias vezes achei que
um
coração batendo mais rápido,
um olhar que nos deixa sem
graça,
uma pessoa que tira nosso
fôlego
à primeira vista fosse
uma manifestação desse
sentimento
tão completo e complexo que
é o amor.

Dizer que
isso
é amor pode ser poético,
mágico,
romântico e muitas
outras coisas,
mas verdade,
nunca!Amor nasce quando cultivado,
e não sem querer,
numa troca de olhares.

O amor pede empenho
e vontade de duas pessoas.
Precisa de tempo,
de convívio,
regado de muito carinho
e compreensão.
Tem seus altos e baixos?

É claro,
como qualquer sentimento
por qualquer pessoa tem.
Mas ele não aparece e muito
menos vai embora por acaso.

Amor faz bem pra pele,
pra saúde,
pra auto-estima,
enfim,
só faz bem!
Ninguém morre de amor!
Talvez morra por falta
dele.Quem já sentiu amor dentro
de si sabe do que estou
falando.
O amor muda nossa
percepção das coisas,
nos evolui.
Entende-se melhor o ser
humano quando se ama.

Seu estado de espírito muda,
a alma sorri.
Ele nos torna praticamente
auto-suficientes,
nos torna completos.
É um alicerce que não se
abala,
algo que só te joga pra
cima,
só traz alegria.

É tão perfeito e bem-feito,
que até quando ele tem que
ir
embora te explica tão bem
que fica fácil aceitar.

Dá uma saudade gostosa que
dura até ele
voltar.Por isso eu peço que,
ao escreverem do amor,
por favor,
vejam bem se não estão
cometendo uma injustiça.

Muitos aproveitam a rima
mais de mão beijada da
língua portuguesa (amor -
dor)
para caluniar um sentimento
que veio ao mundo só pra
fazer o bem.

Mas se realmente acreditar
que amor é tudo isso,
essa mistura de sofrimento,
tesão e angústia que faz
bem e faz mal,
aguarde.
Você ainda vai ver como
se enganou,
como eu já me enganei.

E quem é que nunca
se enganou?

TEXTO: Henrique Fogli
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 11 de Junho de 2.012.

sábado, 2 de junho de 2012

Almas gêmeas

Almas gêmeas não são
duas metades iguais,
mas duas metades diferentes
que se completam.

Existe muita gente sozinha no mundo,
justamente porque essas
pessoas procuram a outra
metade igual a elas,
ou seja,
o reflexo de si.

Ora,
pra achar a outra
metade de si mesmo é
suficiente se olhar
no espelho.

Diz-se de modo carinhoso
que o outro é a metade
da sua maçã.

E eu já percebi que
muitas vezes a outra
metade da maçã é mais tortinha,
sem jeito,
menos bonita...
mas ainda assim
a metade daquela maçã.

E por que na vida não
poderia ser assim?

Que a outra metade seja diferente,
que não tenha exatamente
os mesmos gostos,
nem talvez a mesma formosura,
mas que tenha aquele
quê que nem sabemos explicar
e nenhuma outra metade
vai se encaixar de forma tão
harmosiosa para formar um todo
tão perfeito com a gente.

Quem já não encontrou
casais desencontrados?

Um grande,
o outro pequeno;
um feio, o outro bonito;
um bem mais jovem,
o outro mais vivido;
um tímido,
o outro extrovertido...
e assim pela vida afora.

E nos perguntamos intimamente
o que os mantêm juntos?

Mas se pensarmos mais
profundamente nessa
questão chegaremos a
conclusão que são essas sim,
as almas gêmeas.

Dois seres diferentes,
mas se amando o bastante
para superar as diferenças,
viver e conviver com elas
e apesar delas,
contra todo pensamento,
contra todo questionamento,
contra toda opinião alheia.

O papel da alma gêmea
é completar os vazios,
preencher os vácuos,
enriquecer onde o outro
tem necessidade...
é um dar e receber que
só envolve os dois.

A alma gêmea
é o complemento do outro,
não sua extensão.

Quem corre atrás da
sua sombra vive
eternamente insatisfeito,
eternamente à procura.

Mas aquele que abre os olhos e,
principalmente,
o coração,
pode perceber que sua
alma gêmea
encontra-se do lado.

É preciso se estar atento
aos sinais que não enganam
para o encontro com aquela
pessoa que poderá
ser nossa companheira
na jornada da vida.

Se o amor te acenar,
não diga não de imediato
só porque ele chegou diferente
do que você esperava.

Não se esqueça que
por detrás dessa nossa
capa humana existe
uma alma.

Se no seu caminho
uma outra alma
completar a sua,
independente da
aparência física,
independente até de
tudo aquilo que você sonhou,
você vai ter encontrado
a sua metade,
seu amor,
seu quinhão de felicidade.

Letícia Thompson
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 09 de Junho de 2.012.

A Ordem do Amor

Siga a Ordem do amor,
Afinal de contas,
se você tentar amarrar o
tênis antes de calçá-lo vai ficar mais difícil,
não é mesmo?
Assim,
não adianta levar a comida
para a mesa se os pratos
foram esquecidos.

Siga a ordem natural das coisas.
Primeiro a criança engatinha,
depois anda.
Se fizer o contrário vai passar o
resto da vida no chão.

No amor também é assim:
- primeiro você,
depois o relacionamento.
Porque se você colocar a
“pessoa amada”
em primeiro plano,
se você se entregar
“loucamente”
a paixão,
se doar de vez ao que acredita ser
“o amor da sua vida”,
com certeza vai se machucar.

E olha que certas dores emocionais,
mesmo sob o olhar clínico,
são piores que as dores físicas.

Já vi gente sofrer muito
mais com o fim de um
relacionamento que outra
que caiu de uma moto ou
foi atropelado…

Coloque ordem nas coisas.

Ame-se e aprenda a respeitar-se.
Quando nos amamos de verdade,
não permitimos que o
amor vire dor.

Vejo pessoas em relacionamentos sofridos…
Vejo mulheres ainda no namoro
apanhando da “pessoa amada”(?).

Vejo homens assistindo
horrorizados aos “barracos”
da “pessoa amada”(?).

Vejo casais discutindo e com
tantas ofensas que fico pensando:
- onde esta o amor desse casal?
Às vezes, na mesma sarjeta
que a autoestima deles.

Amor só combina com dor,
quando não podemos ajudar
a pessoa amada.
Quando ela precisa de um
transplante e não podemos doar.

Quando ela cai enferma e não
podemos operar.
Quando ela perde um ente
querido e não podemos consolar.

Mesmo assim,
no caso dessas dores,
o amor é solidário,
ajuda a superar.

Fora isso,
amor com dor é masoquismo
Esta fora da ordem.
E a ordem é única e clara:
- Em caso de amor,
primeiro você.
Só quem realmente se ama pode
se doar sem se machucar.

TEXTO: Paulo Roberto Gaefke
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 08 de Junho de 2.012.

SAUDADE...

“Em alguma outra vida,
devemos ter feito algo muito grave,
para sentirmos tanta saudade...
Trancar o dedo numa porta doí.
Bater o queixo no chão doí.
Doí morder a língua,
cólica doí, doí torcer o tornozelo.
Doí bater a cabeça na quina da mesa,
carie doí,
pedras nos rins também doí.

Mas o que mais doí é a saudade.
Saudade de um irmão que mora longe.
Saudade de uma brincadeira de infância.
Saudade do gosto de uma fruta
que não se encontra mais.
Saudade do amigo imaginário
que nunca existiu.
Saudade de uma cidade.
Saudade de nós mesmo,
o tempo não perdoá.
Mas a saudade mais dolorida é a
saudade de quem se Ama.

Saudade da pele, do cheiro,
dos beijos.
Saudade da presença,
e até da ausência consentida.
Você podia ficar na sala e ele no quarto,
sem se verem,
mas sabiam-se lá.
Você podia ir para o dentista
e ele para a trabalho,
mas sabiam-se onde.

Você podia ficar sem vê-lo,
e ele sem vê-la,
mas sabiam-se amanhã.
Contudo,
quando o Amor de um acaba,
ou torna-se menor no outro.
Sobra uma saudade que ninguém
sabe como deter.
Saudade é basicamente
não saber.

Não saber se ele continua fungando
num ambiente mais frio.
Não saber se ele continua sem fazer
a barba por causa daquela alergia.

Se aprendeu a entrar na internet,
se aprendeu a ter calma no trânsito.
Se continua preferindo cerveja
a uísque (e qual a cerveja)
Se continua sorrindo com aqueles
olhos apertados,
e que sorriso lindo.

Será que ele continua cantando
aquelas mesmas musicas tão bem
(ao menos eu admirava)?
Será que ele continua fumando e se
continua adorando Mac Donald's?

Será que ele continua não
amando os livros,
e ela cada vez mais?

E continua não gostando de dar
longas caminhadas,
e ela não assistindo televisão?

Será que ele continua gostando
de filmes de ação,
e ela de chorar em comédias.
Será que ela continua lendo
os livros que já leu?
Será que ele continua tossindo
cada vez que fuma?
Saber é não saber mesmo!!!

Não saber o que fazer com os
dias que ficaram mais longos,
não saber como encontrar tarefas
que lhe cessem o pensamento.

Não saber como frear as lágrimas
diante de uma música,
não saber como vencer a dor de um
silêncio que nada preenche.

Saudade é não querer
saber se ele está com outra,
e ao mesmo tempo querer.

É não saber se ele está feliz,
e ao mesmo tempo perguntar a
todos os amigos por isso...
É não querer saber se ele está
mais magro,
se ele está mais belo.

Saudade é nunca mais saber de quem
se Ama e ainda assim doer.
Saudade é isso que senti(e sinto)
enquanto estive escrevendo
e o que você (deveria)
provavelmente estar
sentido agora
depois que acabou de ler.”

Quem inventou a distância nunca
sofreu a dor de uma
saudade!!!

TEXTO: Martha Medeiros
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 07 de Junho de 2.012.

Lições de Vida ...

Cada dia, em nossas vidas,
nos ensina lições que muitas vezes
nem percebemos.
Desde o nosso primeiro piscar de olhos,
desde cada momento em que a fome bate,
desde cada palavra que falamos.
Passamos por inúmeras situações,
na maioria delas somos protegidos,
até que um dia a gente cresce e começa
a enfrentar o mundo sozinhos.

Escolher a profissão,
ingressar numa faculdade,
conseguir um emprego...
Essas são tarefas que nem todos suportam
com um sorriso no rosto ou nem
todos fazem por vontade própria.
Cada um tem suas condições de vida e cada qual
será recompensado pelo esforço,
que não é em vão.
Às vezes acontecem coisas que a gente
nem acredita.

Às vezes, dá tudo, tudo errado!
Você pensa que escolheu a profissão errada,
que você não consegue sair do lugar,
ás vezes você sente que o mundo todo
virou as costas...
Parece que você caiu e não consegue levantar...
Está a ponto de perder o ar...

Talvez você descubra que quem dizia
ser seu amigo,
nunca foi seu amigo de
verdade e talvez você passe a vida
inteira tentando descobrir quem são seus
inimigos e nunca chegue a uma conclusão.
Mas nem tudo pode dar errado ao mesmo tempo,
desde que você não queira.

E aí... Você pode mudar a sua vida!
Se tiver vontade de jogar tudo pro alto,
pense bem nas conseqüências,
mas pense no bem que isso poderá proporcionar.
Não procure a pessoa certa,
porque no momento certo aparecerá.
Você não pode procurar um amigo de
verdade ou um amor como procura roupas de
marca no shopping e nem mesmo
encontra as qualidades que deseja como
encontra nas cores e tecidos ou nas
capas dos livros.

Olhe menos para as vitrines,
mas tente conhecer de perto o que está
sendo exibido.
Eu poderia estar falando de moda, de surf,
de tecnologia ou cultura, mas hoje,
escolhi falar sobre a vida!
Encontre um sentido para a sua vida,
desde que você saiba guiá-la com sabedoria.
Não deixe tudo nas mãos do destino,
você nem sabe se o destino
realmente existe...
Faça acontecer e não espere que alguém
resolva os seus problemas, nem fuja deles.
Encare-os de frente.
Aceite ajuda apenas de quem quer o seu bem,
pois embora não possam resolver
os seus problemas,
quem quer o seu bem te dará
toda a força
necessária pra que você possa suportar e...

Confie!
Entenda que a vida é bela,
mas nem tanto...
Mas você deve estar de bem consigo
mesmo pra
que possa estar de bem com a vida.
Costumam dizer por aí que quem espera
sempre alcança,
mas percebi que quem alcança
é quem corre atrás...
Não importa a sua idade,
nem o tamanho de seu sonho...
A sua vida está em suas próprias
mãos e só
você sabe o que fazer com ela...

TEXTO: Lilian Roque de Oliveira
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 06 de Junho de 2.012.

LIMPEZA NA ALMA!

"Olhamos aquelas roupas que
não usamos há tanto tempo.

Aquelas que tiramos
do cabide de vez em quando,
vestimos,
olhamos no espelho,
confirmamos mais uma vez
que não gostamos e guardamos
de volta no armário.

Aquele sapato
que machuca os pés,
mas insistimos em mantê-lo
guardado.

Há ainda aquele terno caro,
mas que o paletó
não cai bem,
ou o vestido "espetacular"
ganho de presente de
alguém que amamos,
mas que não combina conosco
e nunca usamos.

Às vezes,
tiramos alguma coisa
e damos para alguém,
mas a maior parte fica lá,
guardada sabe-se
lá porquê.

Um dia alguém me disse:
tudo o que não lhe serve mais e
você mantém guardado,
só lhe traz energias
negativas.

Livre-se de tudo o que não usa
e verá como lhe fará bem.

Acontece que nosso
guarda-roupa não é o único
lugar da vida
onde guardamos coisas que não
nos servem mais.

Você tem um guarda-roupa
desses no interior da mente.

Dê uma olhada séria no que
anda guardando lá.
Experimente esvaziar e
fazer uma limpeza
naquilo que não lhe
serve mais.

Jogue fora idéias,
crenças,
maneiras de viver ou
experiências que não lhe
acrescentam nada
e lhe roubam energia.

Faça uma limpeza nas amizades,
aqueles amigos cujos
interesses não
têm mais nada a ver
com os seus.

Aproveite e tire de seu
"armário"
aquelas pessoas negativas,
tóxicas,
sem entusiasmo,
que tentam lhe arrastar
para o fundo
dos seus próprios
poços de tristezas,
ressentimentos,
mágoas e sofrimento.

A insegurança
dessas pessoas faz
com que
busquem outras para lhes
fazer companhia,
e lá vai você junto com elas.

Junte-se a
pessoas entusiasmadas
que o apóiem em seus
sonhos e projetos pessoais
e profissionais.

Não espere um momento certo,
ou mesmo o final do ano,
para fazer essa "faxina interior".

Comece agora e experimente
aquele sentimento gostoso
de liberdade.
Liberdade de não ter de guardar
o que não lhe serve.
Liberdade de experimentar
o desapego.
Liberdade de saber que mudou,
mudou para melhor,
e que só usa as coisas que
verdadeiramente
lhe servem e fazem bem..."

TEXTO: Wilson Meiler
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 05 de Junho de 2.012.