quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

É preciso saber dizer adeus

Há coisas que ninguém nos ensina;
há coisas que nunca queremos aprender.

Recebemos de bom ou mau grado
o que a vida nos impõe e depois nos
apegamos a essas coisas,
pessoas ou sentimentos como se para
existirmos precisássemos deles.

Dizer adeus é como deixar um pedaço
de si e se impedir de olhar pra trás.

Sim...
confesso que é difícil dizer adeus,
aquele sem retorno,
às pessoas que amamos e aceitar
isso como parte natural da vida.

É amargo aceitar o adeus dos sonhos,
dos que começaram e jamais foram terminados.

Mas o que é incompreensível no ser humano
é a rejeição do adeus total e definitivo
às feridas e magoas que consomem
nossas entranhas.

É a dificuldade em livrar-se do passado,
das manchas da alma,
do que nos impede de ter uma vida
normal e possivelmente feliz.

Há pessoas que guardam tudo
e saem carregando nos ombros
o que recolheram da vida.

Isso faz com que caminhem
com passos mais lentos,
faz com que nunca cheguem
a um lugar definido.

Para alcançarmos libertação e cura
deveríamos possuir a arte de saber deixar
definitivamente para trás o que
nos impede de avançar.

Quem cultiva a dor,
colhe a dor;

quem cultiva ódio,
colhe ódio;

quem cultiva ressentimentos,
colhe ressentimentos.

Se nosso coração é um jardim,
devemos saber o que estamos plantando
nele e o que estamos arrancando.

Se com lágrimas regamos o mal que nos fizeram,
com lágrimas colheremos o mal
que nos fazemos a nós.

É preciso aprender a dizer adeus
a todas as mágoas,
custe o que custar,
se quisermos alcançar a misericórdia prometida,
a graça eterna...
se quisermos ser,
nem que seja um pouquinho,
parecidos com Jesus.

TEXTO: Letícia Thompson
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 21 de Janeiro de 2.009.

Nenhum comentário: