segunda-feira, 17 de agosto de 2009

De igual para igual ...


Não existem dois seres humanos
absolutamente iguais.

Não existem dois seres humanos
que amam absolutamente igual
ou odeiam de igual maneira.

E todos querem ir além,
atravessar as barreiras da vida
e sobreviver para fazer a
diferença no mundo.

Só que às vezes
nesse desejo de ir além,
mostrar quem somos e do
que somos capazes,
pecamos com nossas atitudes
que produzem efeito contrário
daquilo que esperamos.

Quando rebatemos um
comportamento negativo com
outro comportamento
negativo somente para dar o troco,
não só não mudamos a situação,
como nos colocamos no mesmo
nível daquela pessoa.

Quando trocamos o ódio pelo ódio,
a indiferença pela indiferença,
o desprezo pelo desprezo,
a vingança pela vingança,
não mudamos nada no positivo,
apenas contribuímos para
que o mundo continue
no caos que está.

Há pessoas que não falam
porque não falam com elas,
não abraçam porque não
são abraçadas,
não beijam porque
não as beijam e não
amam simplesmente porque
não se sentem amadas.

Há os que ferem voluntariamente
porque se sentem feridos
e depois querem ver a
situação mudada.

Será que ainda não
compreenderam que se
o amor gera o amor,
o ódio gera o ódio?

O amor pode
superar todas as coisas,
mas o ódio só pode superar
o ódio para causar a destruição.

Precisamos amar as pessoas
mesmo se elas não nos amam,
porque as amamos independente delas,
porque colocamos para
fora aquilo que existe
dentro de nós.

Precisamos fazer a diferença
sendo diferentes e se devemos
buscar um sentimento
de igualdade,
que seja então no amor,
na compreensão,
no entendimento.

Mesmo se não conseguimos
esquecer uma mágoa que
deixou cicatrizes no nosso coração
e se as sombras do passado
voltam com insistência,
podemos produzir em nós
o antídoto que conduzirá
à nossa cura.

Um jardim que produz
ervas daninhas continuará
produzindo e será todo tomado
se o jardineiro não tiver o cuidado
de arrancar e jogar fora
de vez em quando.

O ódio, vingança,
sentimento de desprezo,
são sentimentos que nos maltratam
mais que a qualquer outra
pessoa que convive conosco.

E elas afastam de nós
as outras pessoas.

Aqueles que querem
ser amados devem
produzir o amor.

Eles devem respirar
e transpirar o amor.

Esses terão em torno de si
aquela aura de paz que
os tornarão únicos,
especiais e inconfundíveis.

TEXTO: Letícia Thompson
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 15 de Agosto de 2.009.

Nenhum comentário: