domingo, 18 de julho de 2010

PESSOAS SÃO COMO FLORES...

Devemos nos relacionar
com as pessoas apaixonadamente,
intensamente como nos
relacionamos com o resto da existência...
Quando olhamos para uma flor
ficamos encantados com a sua beleza.
Por um breve momento, ela é única para nós,
incomparável...

Alguma coisa indizível
acontece que nos faz entrar em comunhão
instantaneamente com ela,
ficamos extasiados diante de tanta formosura.
Nos sentimos então mais vivos e mais felizes...

No momento em que estamos
nos concentrando nesta flor que está diante
dos nossos olhos,
não estamos interessados,
nem um pouco, em saber,
se a flor em questão,
sente o mesmo por nós.
Nem desejamos esta flor para sempre,
porque sabemos que a sua existência é efêmera.

Na nossa breve relação com ela,
não há da nossa parte nenhum tipo de expectativas,
cobranças, comparações.
Há sim uma aceitação incondicional
da flor e de tudo o que ela pode nos oferecer,
somente no "ali" e no " agora".
Nem pensamos em mudar a sua cor,
o seu perfume,
nem endireitar os seus galhos ou cortar
os seus espinhos...

Mas entre nós humanos,
a coisa é bem diferente:
ao entrarmos em contato com
outros seres humanos,
ao invés de apenas os curtirmos com a
mesma intensidade com que curtimos as flores,
ficamos perdendo muito tempo
analisado e julgando o comportamento
destas pessoas e também solicitando
delas a atenção que precisamos para podemos
acreditarmos no nosso próprio
valor pessoal.

E assim,
por querermos demais dos outros,
não conseguimos vê-los como realmente são;
não aceitarmos deles só aquilo que podem nos dar,
queremos é mais, muito mais.
Mais atenção, mais carinho e mais amor.
E assim acabamos incapazes de criar
verdadeiros laços afetivos,
onde a dor e a desilusão não têm espaço,
pois estes laços harmoniosos só podem existir
na aceitação mútua das partes
envolvidas e em plena liberdade...

O que nos alegra a alma de verdade,
é tudo aquilo que aconteceu
num momento imprevisto,
como uma estrela cadente ou um arco-íris
surgindo no céu.
Eles são belos porque nos surpreendem quando
menos esperamos por eles.
Porque não nos cobram nada: atenção,
mudança de comportamento, nada mesmo!
Eles apenas querem se mostrar,
como fazem as flores...

O que destrói a beleza de um relacionamento
é o sentimento de posse,
de exclusividade.
Se são tantas as flores na natureza,
como querer em que apenas numa
delas se concentre toda a nossa admiração
e a nossa atenção ?!
E pior, o tempo todo ?!
Somos todos flores, todos efêmeros,
mas eternos na nossa beleza,
na nossa capacidade de encantar e criar
ternura em muitos corações...

POR ISSO DEVEMOS OLHAR PARA AS PESSOAS
COMO OLHAMOS PARA AS FLORES...
COM DESAPEGO E MUITA TERNURA.

TEXTO: Aldina Ferraz Santos
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 20 de Julho de 2.010.

Nenhum comentário: