segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Tecidos do tempo

"Nós somos do tecido de que são feitos os sonhos."
(Shakespeare)

Uma hora estamos certos de que queremos isso,
noutra,
acordamos querendo exatamente o contrário,
Se somos jovens, falta experiência,
se amadurecemos, falta ousadia.

Um dia,
o amor que encontramos é eterno,
em outro,
é paixão que queremos esquecer.

O que realmente desejamos?
O que é essa tal de felicidade?
O que contentará a nossa alma aflita?

Corremos atrás dos ventos,
semeamos nuvens de ilusão.

Ora desejamos o celular mais moderno
o mesmo que em poucas semanas
estará ultrapassado.
Sonhamos com a casa acolhedora e ideal,
que fica pequena quando entramos nela.
Vivemos idealizando a pessoa especial,
e quando a encontramos, não á suportamos,
por ser tão parecida com nós mesmos.

Somos passageiros da eternidade,
vivendo experiências que nem sempre contam.
Perdemos tempo demais com o que é supérfluo,
somos ausentes, temos medo de
assumir nossos riscos;
alunos que fogem da sala de aula,
pais que fogem da paternidade,
mães atarefadas demais,
filhos mimados,
avós encostados,
amigos "meia boca",
fiéis meio infiéis,
perdedores e perdidos,
esperamos por dias melhores...

Assim caminhámos, sem compromisso,
até que a dor, sábia mestra,
vem e retifica, ensina, esclarece.

O sonho é apenas uma parte do caminho,
tecido fino e indelével que marca nossa passagem.
Diga-me com que sonhas e eu te direi quem és!
Nunca deixe de acreditar em você mesmo.

Eu acredito em você

TEXTO: Paulo Roberto Gaefke
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 17 de Fevereiro de 2.011.

Nenhum comentário: