segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Ouça o silêncio

Quem duvida que o silêncio
fala nunca olhou nos
olhos de criança carente,
nem de idoso que pede atenção
ou dos solitários que
vivem atropelados por multidões e,
ainda assim,
sentem-se sozinhos.

Há muito grito num olhar que
não entende a vida,
que teme as despedidas,
que,
por escolha ou timidez,
prefere se calar diante de uma injustiça.

Há discursos intermináveis
em lágrimas escorridas.

Não é porque as pessoas
se calam que elas não têm
nada a dizer.
Não é porque não dizem,
que não vivem.

Dói muito mais em quem
guarda tudo em si que em
quem exterioriza.

Todo mal, rancor,
medo, inquietação,
dúvida que não colocamos pra fora,
nos consome por dentro
e isso se transforma em doenças.

Tudo o que não dizemos,
mas sentimos no fundo,
maltrata a nossa alma
e modifica nosso comportamento.

Precisamos aprender
a exteriorizar o que
nos insatisfaz antes que essa
insatisfação nos leve para um
buraco sem fundo.

E precisamos estar
atentos às palavras não
ditas dos nossos pais,
filhos, colegas,
amigos e a metade escolhida
pelo nosso coração.

Toda mudança de comportamento
pede muito mais
nossa compreensão que
nosso julgamento.

E abrir os ouvidos do coração
aos que nos são caros é muito
mais que ter a arte de saber ouvir,
é possuir a grandiosa arte
de saber amar.

TEXTO: Letícia Thompson
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 09 de Setembro de 2.011.

Nenhum comentário: