sábado, 28 de julho de 2012

O Orgulho Nos Derrota

"nada façais por contenda ou por vanglória,
mas com humildade cada um
considere os outros
superiores a si mesmo"
(Filipenses 2:3).

Dois gansos,
ao iniciar sua migração
anual de outono,
encontraram uma rã que pediu
que a levassem com
eles para o sul.

Os gansos,
desejando atender a
vontade da rã,
pediram que ela arrumasse
uma forma de ser conduzida
por eles.

A rã apresentou um talo
longo de grama e os dois
gansos o tomaram,
cada um em uma ponta,
enquanto a rã o agarrava,
no centro, com sua boca.

Dessa forma,
os três seguiram viagem,
com sucesso,
em direção ao sul.

Alguns homens,
que se
encontravam trabalhando em terra,
notaram o fato e,
com admiração,
comentaram ruidosamente:
"Quem teria imaginado algo tão inteligente?"
A rã, cheia de vanglória,
abriu a boca para dizer
que havia sido ela,
mas,
logo que soltou o talo,
caiu e se fez em pedaços,
ao bater violentamente no solo.
(J. Gilmour)

A vaidade tem sido
a causa de muitas de nossas
decepções.

Cremos que somos melhores,
mais competentes
e superiores àqueles que estão
ao nosso redor.

Achamos defeito em
tudo e em todos,
concluindo, logo a seguir,
que poderíamos fazer o
mesmo de maneira
muito melhor.

Quando somos humildes
em nossas atitudes,
os aplausos e
elogios nos enchem de felicidade.
Quando somos arrogantes e
orgulhosos,
muitas vezes os aplausos
não aparecem e
mergulhamos em profunda
decepção e angústia.

É melhor não
esperar nada e receber
tudo do que esperar
tudo e não
receber nada.

De que vale o orgulho?
Se agimos com amor,
ele vem de nosso Deus.

Se a nossa vida brilha,
a luz vem do alto,
do nosso Pai celestial.

Se as nossas palavras impressionam,
toda a sabedoria vem de Cristo,
que nos deu graciosamente.

A vaidade pode nos
levar à morte espiritual;
a humildade nos
conduz a Cristo e à vitória.

FONTE: http://estudoscristaos.com/2009/10/reflexao-crista-o-orgulho-nos-derrota.html
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 24 de Julho de 2.012.

Nenhum comentário: