quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Desafiando tormentas

A indecisão é a pior forma de se tomar
uma decisão errada.

Há instantes na vida em que nos
defrontamos com situações definitivas:
ou você toma a decisão de assumir
uma nova relação,
ou esta relação morre sem sequer
ter começado.

Conheci um amigo que viveu algo semelhante
e teve medo em se decidir.
Hoje o vejo como alguém entristecido,
que mantém um relacionamento falido
desde aquela época,
e que vive se perguntando como teria
sido se tivesse optado por outro caminho.
O triste é que ele jamais saberá a resposta.
Não há como.
A vida, nesses casos, é cruel.

Viver é exatamente isso.
Somos instados a tomar decisões
quase o tempo todo.
Decisões pequenas, decisões gigantescas.

Muitas vezes preferimos a zona de conforto.
Como é bom não precisar decidir nada,
escolher nada...
Mas infelizmente não temos escolha.
Desde que roupa vestir,
até em quem devemos votar,
o mundo está sempre nos cobrando posturas,
escolhas, saídas.
Não escolher já é uma escolha.
E em alguns casos, a pior escolha,
e pela qual, cedo ou tarde,
pagaremos um alto preço.

Assim é com o pai que não dá a devida
atenção ao filho quando este
mais precisa.
O tempo não volta.
Não adianta, anos mais tarde,
querer reparar este mal.
Ele já estará irremediavelmente
enraizado.

Nossa vida deve ser encarada como
um oceano.
Sua condição natural é o equilíbrio.
Mas vidas e oceanos também estão
sujeitos às instabilidades
do clima,
com ventos mudando constantemente
de direção.
Para enfrentá-las é preciso construir
um barco forte,
conhecê-lo em detalhes,
revisá-lo e aprimorá-lo constantemente,
e pilotá-lo decididamente,
sem medo de enfrentar o mar aberto.

Se tempestades soprarem ventos
fortes e descontrolados,
pode ser melhor recolher
as velas e pensar.
Talvez buscar um porto seguro ou um
estuário tranqüilo,
e esperar que as nuvens se dissipem e
as estrelas ressurjam,
e com elas o caminho.
Mas não se deve esquecer que o porto é
apenas uma pausa na viagem,
e que barcos não foram feitos para portos,
mas para o oceano...
O medo nos deixa indefinidamente
ancorados no porto.

Se não entramos no oceano,
não vivemos,
não aprendemos, não navegamos,
não conhecemos outras terras.

É isso que você quer pra sua vida?
Eu sei que não!
Pense nisso,
e não fuja dos desafios - enfrente-os!

TEXTO: Claudia Belucci
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 10 de Agosto de 2.012.

Nenhum comentário: