sábado, 14 de dezembro de 2013

Caridade, sacerdócio dos humildes

A caridade é 
um sacerdócio informal, 
que, 
não obriga o noviço 
a nenhum voto perante as 
autoridades constituídas.
 
É uma religião sem dogmas, 
uma doutrina sem códigos, 
um reino sem rei, 
apenas com súditos que servem.
 
A caridade é essa força 
que mostra a humildade 
na sua maior expressão: 
a doação.
 
Quem dera os homens 
pudessem seguir esse 
sacerdócio sem filiação obrigatória, 
sem pensar em 
recompensas terrenas ou 
do além da vida. 
 
Seguir por instinto, 
como mãe que amamenta 
o filho apesar da dor nos mamilos, 
como pai que deixa de comer 
para saciar a fome dos 
filhos e se alegra em ver o 
sorriso no rosto magro do 
filho alimentado.
 
Bem aventurados 
os que não 
viram nenhum mártir, 
nenhum apóstolo, 
nenhum santo e ainda assim, 
seguem seus passos, 
sem sequer saber de versículos, 
salmos ou leis, 
esses herdarão a paz que 
não se compra, 
a saúde que não se abala, 
a esperança que é palpável, 
a serenidade que nenhum locutor 
consegue empostar na voz.
 
Se você acha que falta 
alguma coisa na sua vida, 
se pensa que a miséria está 
instalada na sua porta, 
atravesse-a e saia pela 
rua da sua rua.
 
Em muitas portas, 
o câncer generalizado espalha 
dores inenarráveis. 
Em outras,
 a solidão é tão pesada, 
que derruba quem lá vive, 
ou vegeta. 
Muitas casas estão 
abarrotadas de artigos de luxo, 
e os quartos cheios de 
lençóis de muitos fios, 
não conseguem agasalhar uma 
noite de sono restaurador.
 
Seja solidário, 
antes que a solidão 
se instale.
 
Aprenda a dividir, 
antes que vida lhe subtraia.
 
Encaminhe alguém para o bem, 
antes que noite lhe roube 
até o que não tem.
 
Ensine alguém a ler e escrever, 
liberte um cativo das trevas 
da ignorância.
 
Pegue o seu pão, 
ainda que amanhecido 
e divida com quem tem fome, 
antes que lhe falte 
até as migalhas da compreensão.
 
Trate bem os seus idosos, 
antes que o tempo 
lhe mostre o peso dos anos 
e da ingratidão.
 
Seja gentil com todos, 
principalmente com 
os mal-educados, 
esses são doentes que 
precisam de mais atenção.
 
Sorria, 
ainda que o calo aperte, 
que as varizes latejem, 
que a sua esperança 
sinta-se enfraquecida, 
ainda assim, sorria, 
não cause o desprazer de 
ver a sua cara fechada, 
com hálito amargo e fel 
nas palavras.
 
Deus é mais do que uma
 "caixa de pedidos", 
ou um anotador de pecados 
que os homens instituíram.
 
Deus é o dia e a noite, 
além dos planetas que a 
nossa visão sideral alcança.
 
Deus é a eternidade e 
uma criança, 
e a caridade, 
sua filha mais amada.
 
E, você sabe, 
quem cuida bem dos seus filhos, 
cuida bem de você, 
então, 
seja inteligente, 
abrace a caridade como 
quem toca em Deus.
 
Eu acredito em você
 
TEXTO DE: Paulo Roberto Gaefke 
* * * * *
Texto lido no programa 
"Madrugada Viva Liberdade FM" 
no quadro 
"Momento de Reflexão" 
no dia 15 de Dezembro de 2.013.

Nenhum comentário: