terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

PALAVRAS PODEM MACHUCAR

Olhe para os seus relacionamentos. 
Tente imaginar a quantidade de 
palavras que você disse e depois 
se arrependeu amargamente.

Palavras inoportunas que atingiram 
em cheio a alma dos amigos, 
da esposa, do marido, dos filhos...
levando-os a gerar sentimentos negativos 
sobre eles mesmos e sobre 
a vida que viviam.

Uma das maiores dificuldades que 
temos como seres humanos 
é o controle da nossa língua.

Talvez seja esse o órgão do nosso 
corpo sobre o qual menos 
temos controle e, 
por isso, 
é o que mais causa desastres.

Machucamos os outros gratuitamente. 
Rompemos relacionamentos 
de anos intempestivamente. 
Não tenho receio de afirmar 
que uma das maiores vitórias do ser 
humano é quando ele consegue 
dominar a sua própria língua.

Muitos dos nossos problemas 
se iniciam precisamente 
com nossas palavras. 
E talvez você já tenha percebido, 
ainda que tardiamente, 
que não é possível interromper 
o curso de nossas palavras.

Depois que falamos as tais 
palavras inoportunas, 
não é possível colocar uma 
barreira entre elas e o nosso 
interlocutor.

Elas saem como se fosse um 
raio ao encontro de seu alvo. 
Somente param quando o atingem, 
previamente programado 
para destruir.

Bastam apenas alguns segundos 
para abrirmos, 
através de nossas palavras, 
profundas feridas nas 
pessoas amadas, 
mas são necessários muitos 
anos para curá-las.

Quanto rancor e mágoa ficam 
guardados em nosso coração 
porque ouvimos palavras indesejáveis 
de pessoas que jamais poderíamos 
imaginar se expressarem 
daquela forma?

Nossas palavras podem 
ser portadoras de bem-estar 
e construir relacionamentos mais 
sadios ou ser portadoras 
de mal-estar e, com isso, 
destruir relacionamentos construídos 
ao longo de anos em apenas 
alguns segundos.

Será que não precisamos controlar 
melhor nossas palavras?

TEXTO: Luiz Alexandre S. Rossi
* * * * *
Texto lido no programa
"Madrugada Viva Liberdade FM"
no quadro
"Momento de Reflexão"
no dia 19 Fevereiro de 2.014.

Nenhum comentário: