terça-feira, 27 de maio de 2014

AS TRÊS COISAS QUE NÃO VOLTAM ATRÁS

A palavra dita, 
as oportunidades e o tempo.
A palavra dita aos outros: 
pense muito bem antes de falar, porque
uma vez proferida a palavra, 
poderá magoar, 
acabar uma amizade
ou com um relacionamento de amor.

Vale a pena exercer o 
desejo de vingança?

Quanta oportunidade 
desperdiçada de reconstruir 
uma amizade perdida ou um amor 
mas acaba deixada de lado 
por causa do orgulho pessoal 
ou mesmo desejo de vingança.

O tempo não para. 
Um dia, 
quando o peso da idade chegar, 
cada um verá,
que não valeu a pena, 
ter vivido com o coração 
cheio de mágoa, 
ressentimento e amargura.

Não valeu a pena também, 
as oportunidades de se desfrutar de amizades 
(e até quem sabe, um amor) 
por longos anos, 
mas que foram jogadas fora, 
por que não tivemos a humildade 
e a coragem de reconstruir.

E isso ficará mais evidente, 
quando morrer algum ex-amigo, 
ex-amiga, ex-amor, 
e perceberemos que o tempo 
acabou com as oportunidades 
de reconstruirmos relacionamentos, 
destruídos por uma palavra dita.

E essas vidas um dia foram 
preciosas em nossa caminhada, 
agora se vão, sem nosso adeus, 
muitas vezes. 
Isso é correto?

Talvez, 
muitos possam não concordar com isso, 
neste momento de sua vida. 
E eu compreendo.

Nós não estamos nessa vida, 
apenas para ganhar dinheiro, 
comer, beber e morrer.

Há muito mais implícito neste 
dom maravilhoso que Deus nos deu, 
chamado “vida”.

Nós temos uma missão na Terra, 
e Jesus ensinou que faz parte dela, 
“Amar o nosso próximo como a nós mesmos” 
(Marcos 12:33).

Quanto melhor for o nosso caráter, 
quanto mais puro for o nosso 
coração e quanto mais desenvolvido 
for o nosso nível espiritual, 
mais rapidamente aprenderemos 
estas três lições da vida; 
três coisas que não voltam mais.

O tempo não para e não volta mais. 
As palavras ditas podem construir, 
mas também destruir.
Aproveitemos as oportunidades.

TEXTO DE: Pr. Alberto
* * * * *
Texto lido no programa 
"Madrugada Viva Liberdade FM" 
no quadro 
"Momento de Reflexão" 
no dia 28 de Maio de 2.014.

Nenhum comentário: