sexta-feira, 2 de maio de 2014

Temos que aceitar os nossos defeitos para conseguir corrigi-los.

Enquanto não aceitamos 
os nossos defeitos, 
estamos condenados a enxergar 
os mesmos defeitos nas outras pessoas, 
e como não os aceitamos 
em nós mesmos, 
tampouco aceitamos o mesmo 
nos outros.

Estamos então, 
condenados a conviver com 
uma porção de gente 
defeituosa.

Aceite os seus defeitos, 
e as outras pessoas te parecerão 
fantásticas.
Aceite os seus defeitos 
e estará a um passo de 
se livrar deles.

O que resiste, persiste, 
e enquanto resistimos aos 
nossos defeitos, 
impedimos que eles 
nos deixem.

Precisamos um pouquinho 
de humildade, 
honestidade para consigo mesmo, 
e uma vontade grande de 
corrigir e melhorar.

Quem sabe não olhamos 
para o espelho com mais 
cuidado e colocamos atenção 
naquilo que temos de melhor, 
nossas forças e virtudes, 
e com isso, 
permitimos que tudo isso 
ofusque os nossos 
defeitos.

Devemos colocar tudo 
que temos de positivo se 
sobrepor aos nossos pontos 
negativos.

Podemos ter defeitos, 
mas não somos defeituosos. 
Temos conserto, 
podemos nos tornar 
pessoas melhores.

Quando nos colocamos 
no caminho do crescimento, 
tudo em nossa volta adquire 
essa virtuosidade. 
Começamos a enxergar o 
mesmo processo nas outras pessoas, 
e nos damos conta de que esse 
processo já estava em curso, 
mas nós fechamos os olhos para 
essa possibilidade.

Temos que acreditar 
nas outras pessoas, 
e em nós mesmos.

Não há defeito que não 
possa ser corrigido, 
um passo de cada vez.

Não estamos condenados 
a cometer os mesmos erros 
todos os dias. 
Podemos fazer diferente e melhor, 
e é uma escolha que devemos fazer.

Uma luz vermelha deve 
se acender em nossa mente 
toda vez que os defeitos nos 
outros nos chamarem 
muita atenção.

É um sinal de que estamos nos 
descuidando dos nossos defeitos.
É hora de retomar o nosso 
caminho do crescimento 
pessoal.

TEXTO DE: R.S. Beco
* * * * *
Texto lido no programa 
"Madrugada Viva Liberdade FM" 
no quadro 
"Momento de Reflexão" 
no dia 03 de Maio de 2.014. 

Nenhum comentário: