sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Os mentirosos

Eu minto, tu mentes, ele mente... todos nós mentimos, ainda bem. Caso contrário não haveria a menor possibilidade de convívio social. Mas o que eu quero falar hoje é sobre as mentiras que contamos para nós mesmos. Aquelas verdades que escondemos de tudo, de todos e da gente. Quero falar sobre todas as vezes que preferimos inventar histórias porque encarar a verdade era dolorido demais. Quem nunca?

Acho que a mentira mais comum que nos contamos é a de que "está tudo bem". Temos uma enorme dificuldade em admitir que algo vai mal porque não fomos educados para isso. Somos ensinados, desde a infância, a reprimir nossos sentimentos, a engolir o choro e a entender que "não foi nada".

Falar das emoções é difícil pra caramba porque não aprendemos a pensar sobre elas. Porque dói, porque balança as estruturas, porque nem sempre sabemos o que fazer com a sensação que vem. Então inventamos lindamente as nossas verdades a fim de sublimar qualquer tipo de desconforto.

Acho que o perigo do auto engano mora em ficar muito tempo sem contato com a própria realidade. Mentir pra si pode até ser uma auto defesa útil em um primeiro momento, mas ela precisa ser desmascarada para haver a cura do que te machuca.

Tem gente capaz de viver uma vida inteira se enganando, se declarando "bem resolvida", quando no fundo seria muito mais importante reconhecer que não é possível bancar tudo. É humano. Nem sempre vamos sustentar todas as circunstâncias com leveza e isso faz parte do nosso aprendizado.

Mentimos também quando escolhemos não enxergar. Quando preferimos acreditar, por exemplo, que alguém gosta muito de nós, pois seria muito doloroso admitir que não. Passamos a enxergar sinais que comprovem nossa teoria e nos agarramos a eles com esperança juvenil. Fazemos isso, precisamos admitir.

Ser verdadeiro é uma virtude a ser conquistada. Se não puder ser com os outros, seja pelo menos com você mesmo. Tire as lentes do auto julgamento, que fica mais fácil admitir as nossas verdades. Por mais dolorosas ou embaraçosas que elas sejam.

TEXTO DE: Stéphanie Waknin 
* * * * * * * * * * * * * * *
Texto lido no programa "Madrugada Viva Liberdade FM" no quadro "Momento de Reflexão" no dia 18 de Fevereiro de 2.017.
* * * * * * * * * * * * * * * 
AJUDE-NOS A AJUDAR
Só de clicar nos links de propagandas deste blog você ajuda a Campanha Natal Solidário que promovemos há 23 anos.

Nenhum comentário: