domingo, 23 de abril de 2017

O risco é uma escolha que pode dar errado, mas que pode também dar muito certo.

Por que é tão difícil decidir? Por que não arriscar?

Decidir nos faz assumir uma grande responsabilidade sobre o que virá depois, por consequência. Ter o poder de deliberar uma situação é um tanto assustador pelo fato de que não existem certezas e, portanto, nunca saberemos se o que decidirmos nos levará ao estado desejado. Ou seja: podemos vir a nos arrepender.

Então, o medo de tomar uma decisão errada nos leva a suportar as inquietações que nos roubam a paz. Essa “falta de garantia” de que vai dar tudo certo faz parecer mais cômodo viver a insatisfação, que provocar a mudança.

O risco é uma escolha que pode dar errado, mas que pode também dar muito certo. Por que não arriscar? Ou melhor: por que não arriscar SER FELIZ? 

Se não tentarmos, nunca vamos saber. Talvez, o nosso maior receio seja o de não poder reverter as nossas decisões. Mas nada, afinal, é definitivo, e aquilo que é irreversível encontra uma adequação. Quando erramos um comando do GPS ele não faz uma reprogramação?

Assim é a vida. Têm coisas que duram mais que o conveniente e se tornam um fardo. Quando uma decisão envolve mudança, procrastinamos para evitar a dor da readaptação, natural, até que o novo entre em harmonia e conformidade. Mas o tempo é o remédio eficaz e imbatível para todas as situações. Com paciência e perseverança, tudo se encaminha e novas motivações nos guiam para uma condição melhor.

Nós não viemos ao mundo para padecer no sofrimento, na insatisfação. Estes são sintomas que anunciam a necessidade de transformação. Nós estamos pisando na areia derramada da nossa ampulheta da vida. Num estalar de dedos ela cessa.

Chegada a hora, o livro sobre a cabeceira que não terminamos de ler, o meio frasco do perfume preferido, tudo ficará para trás. Essa mania de deixar para amanhã, de guardar para depois, de adiar os planos, de ficar criando coragem para fazer o que tem que ser feito agora!

Nós temos medo de viver de verdade e nos aprisionamos à arquibancada como espectadores inertes, lamuriando a má sorte.

Mas no fundo reconhecemos que somos covardes e invejamos a força e a coragem daqueles que ousam tomar uma decisão, enfrentando todos os riscos para apostar num vislumbre de felicidade.

TEXTO DE: Cris Grangeiro
* * * * * * * * * * * * * * *
Texto lido no programa "Madrugada Viva Liberdade FM" no quadro "Momento de Reflexão" no dia 22 de Abril de 2.017.
* * * * * * * * * * * * * * *
AJUDE-NOS A AJUDAR
Só de clicar nos links de propagandas deste blog você ajuda a Campanha Natal Solidário que promovemos há 23 anos.

Nenhum comentário: