quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Siga em busca da sua felicidade e não se preocupe com a opinião dos outros!

Se vivermos com simplicidade, aprendemos a viver a vida com intensidade, sem nos preocuparmos com a opinião dos outros.

É chegado o tempo de termos um relacionamento pessoal conosco mesmos. É tempo de cada um valorizar a sua vida pessoal, não a de fulano ou de beltrano. É tempo de parar de viver em função dos outros, e passar a viver com intensidade a vida pessoal de cada um de nós, porque aquilo que nos falta, não poderá ser suprido no outro ou na outra.

Cada um tem o seu próprio mundo cheio de alegrias ou decepções, por isso devemos nos preocupar com os nossos próprios males.

Nos dias de hoje, com o advento das redes sociais, é muito comum vermos algumas postagens sendo usadas como se fossem da própria pessoa, embora muitos conheçam o seu autor/criador. Diante disso, começam os comentários, sejam eles de elogios ou críticas. E tudo isso porque as pessoas se preocupam mais com a vida das outras do que consigo mesmas.

Mas não se trata de um simples desejo de usurpação, trata-se de um ato de negação de si mesmo, porque muitos querem tanto viver a vida de outra pessoa, que acabam deixando de viver a sua própria vida, limitando-se assim, a uma mesquinhez espiritual e pessoal.

Algumas pessoas têm o terrível hábito de se preocupar mais com a vida alheia, do que com a própria vida. Isso é latente, mas tão forte, que parecem ter o desejo de gritarem de forma audível: “Eu queria ter a sua vida.” É verdade! Como no filme que tem como título essa frase, onde um advogado e pai de família e um solteirão sem rotina definida, numa noite, entregam-se à bebedeira e acabam acordando com os corpos trocados. Daí o que acontece é uma enorme confusão. 

Esse assunto é meio complexo, e daria na realidade um filme dramático. Essa atitude que leva a pessoa a se preocupar com o que a outra esteja vestindo, se está ou não fora do peso, se o cabelo está cheio de pontas, etc, etc e etc. mostra apenas uma fraqueza de caráter, que faz com que essas pessoas sejam infelizes e mais frustradas do que livres. Porque enquanto fazem disso uma expectativa de vida, estão colocando uma barreira mental na sua própria evolução.

Nesse caso, o que faz bem, é não dar muito valor às opiniões alheias, simplesmente porque não dá para viver uma vida intensamente vivida, se ficamos o tempo todo focados naquilo que fulano ou beltrano está fazendo ou tramando.

Nós temos um olho que tudo vê. A nossa própria consciência. Só que esse olho, nada vê da vida dos outros, ele é interno. Ele nos informa sobre tudo aquilo que é reprovável ou aceitável dentro da nossa sociedade e na nossa vida. Então devemos acreditar que nossos comportamentos estão comprometidos com o nosso modo de viver, e não de outrem.

Então, quando tomamos um remédio, estamos providenciando a nossa própria cura, é a nossa vida que está em jogo.

Bem, de qualquer forma, quanto mais interagimos com as pessoas que se preocupam mais com a vida alheia, descobrimos que é apenas porque elas não têm o suficiente para preencher o vazio da sua própria vida.

Então vamos aprender a nos preocupar com a nossa vida e seguir em busca da nossa própria felicidade. E que cada um, siga fazendo o mesmo.

TEXTO DE: Jorge Amaral
* * * * * * * * * * * * * * *
Texto lido no programa "Madrugada Viva Liberdade FM" no quadro "Momento de Reflexão" no dia 12 de Agosto de 2.017.
* * * * * * * * * * * * * * *
AJUDE-NOS A AJUDAR
Só de clicar nos links de propagandas deste blog você ajuda a Campanha Natal Solidário que promovemos há 23 anos.

Nenhum comentário: